Your browser doesn't support javascript.

Biblioteca Virtual em Saúde

BVS - Literatura Científico-Técnica

Home > Pesquisa > ()
XML
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Complicações maternas e neonatais em fila de espera da Central de Regulação de Leitos na macrorregião de Maringá / Maternal and neonatal complications in the Beds Regulation Center in Maringá’s macro-region

Yamaguchi, Mirian Ueda; Otto, Guido Luis Gomes; Barbosa, Alan Deniver Chineses; Francioli, Ana Luiza de Souza; Cáceres, Nayara de Arruda.
Mundo saúde (1995); 38(2): 197-203, maio, 20, 2014. tab
Português | LILACS | ID: mis-36878
Apesar dos avanços obstétricos, a morbidade e a mortalidade materna ainda se fazem presente no ciclo gravídico-puerperal.As complicações nessa fase refletem em riscos tanto para gestante quanto para o recém-nascido (RN). Este estudo, decaráter descritivo quantitativo, teve por objetivo identificar as principais complicações maternas e neonatais que levarama solicitações de leitos nas UTIs do Noroeste do Paraná. Foram analisadas variáveis relacionadas às gestantes (idade, númerode gestações e idade gestacional) com objetivo de caracterizar o perfil dessas pacientes. A fonte de dados utilizadafoi a lista de espera de leitos de UTI da Central de Regulação de Leitos do Noroeste do Paraná. No período de Janeiro aJunho de 2013, foram feitas 2215 solicitações de leitos para UTI, sendo 211 para gestantes e 103 para RN. O diagnósticoque motivou a maioria das solicitações de vaga de UTI para as gestantes (49,76%) foi Trabalho de Parto Prematuro (TPP),seguido por ruptura prematura de membrana amniótica (16,11%) e edema, proteinúria e/ou transtornos hipertensivos(14,22%). Quanto aos recém-nascidos, o diagnóstico prevalente (49,5%) foi prematuridade e a outra metade foram transtornoscardiorrespiratórios (35%) e malformações congênitas (15,5%). A média de idade das mulheres foi de 24,5 anos,sendo 60,5% entre 20 e 34 anos; a maioria (37,44%) era nulípara e 90% estavam no 3o trimestre de gestação. O estudoidentificou um elevado número de solicitações de leitos de UTI por TPP e prematuridade, sendo que a maior parte dasgestantes era jovem, nulípara e encontrava-se no último trimestre de gestação.(AU)
Biblioteca responsável: BR599.1