Your browser doesn't support javascript.

Biblioteca Virtual em Saúde

BVS - Literatura Científico-Técnica

Home > Pesquisa > ()
XML
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Estudo multicêntrico da prevalência de tuberculose e HIV na população carcerária do Estado do Mato Grosso do Sul / Multicenter study of the prevalence of tuberculosis and HIV in the prison population of the State of Mato Grosso do Sul

Carbone, Andrea da Silva Santos; Sgarbi, Renata Viebrantz Enne; Lemos, Everton Ferreira; Paião, Dayse Sanchez Guimarães; Simionatto, Simone; Castro, Ana Rita Coimbra Motta de; Pompílio, Maurício Antonio; Oliveira, Sandra Maria do Valle Leone de; Ko, Abert I; Andrews, Jason R; Croda, Julio.
Comun. ciênc. saúde; 28(1): [53-57], jan., 2017.
Português | LILACS | ID: mis-39803
Introdução: Estudos anteriores relataram maior prevalência deTuberculose e HIV entre os prisioneiros do que na população geralno Brasil, mas existem dados limitados disponíveis para facilitaro desenvolvimento de intervenções efetivas neste cenário de altatransmissão. O objetivo deste estudo foi avaliar a prevalência e os fatoresde risco associados à Tuberculose e ao HIV. Metodologia: Realizadoquestionário para a amostra de detentos de 12 prisões em Mato Grossodo Sul (Brasil), prova tuberculínica, coletado sangue para teste de HIVe duas amostras de escarro para baciloscopia e cultura de participantesque relataram tosse de qualquer duração, de Janeiro a Dezembro de2013. Resultados: Foram recrutados 3.380 detentos, dos quais 2.861(84,6%) eram homens de 8 prisões e 519 (15,4%) eram mulheres de4 prisões. Entre os 1.020 (30%) indivíduos que relataram tosse, 691(68%) coletaram escarro e foram identificados 31 casos de tuberculoseativa, com uma prevalência de 917 por 100.000 detentos. A prevalênciade tuberculose latente foi de 22,5% e 11,7% para homens e mulheres,respectivamente. Dos participantes, 55 (1,63%) são soropositivos: 45(1,58%) homens e 10 mulheres (1,93%). Conclusões: Observou-se quea prevalência de tuberculose ativa e HIV são mais elevadas entre detentosdo que na população geral, o que indica um alto risco de infecção etransmissão dentro dessas configurações. Para melhorar o controle datuberculose nas prisões é necessária a detecção de casos de TB ativa empresídios através da triagem frequente e detecção de casos passiva e ativa(AU)
Biblioteca responsável: BR599.1