Your browser doesn't support javascript.

Biblioteca Virtual em Saúde

Campus Virtual de Saúde Pública

Home > Pesquisa > ()
XML
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Hanseníase: manual para tratamento e cura (Álbum Seriado 003)

Secretaria de Estado de Saúde de Roraima; Programa Estadual de Controle da Hanseníase.
Recursos Educacionais Abertos em Português | CVSP - Brasil | ID: cfc-198047

Álbum seriado sobre Hanseníase, elaborado pela Secretaria de Estado de Saúde de Roraima/ Programa Estadual de Controle da Hanseníase (Roberta Nogueira Calandrini de Azevedo). Afirma que a Hanseníase compromete os nervos periféricos, podendo provocar incapacidades e deformidades físicas. Por meio de fotografias, exemplifica as quatro formas da doença: Indeterminada, Tuberculóide, Dimorfa e Virchowiana. Explica que a doença é transmitida por vias respiratórias, através do contato frequente com pessoas portadoras da doença, que não estejam em tratamento. Cita como sinais e sintomas a presença de lesões na pele com diminuição ou ausência de sensibilidade (manchas pigmentadas ou discrômicas, placas, infiltração, tubérculo e nódulos). Por meio de fotografias exemplifica as formas clínicas: Indeterminada e Dimorfa. Explica que o diagnóstico é realizado através de exame clínico do paciente com suspeitas de Hanseníase, utilizando teste de sensibilidade. Discorre sobre os principais nervos atingidos pela doença: trigêmio, facial, radial, ulnar, mediano, fubular e tibia posterior, indicando o tipo de lesão que cada um costuma sofrer. Classifica a Hanseníase como multibacilar (mais de cinco manchas na pele e/ou baciloscopia positiva – 12 ou 24 meses de tratamento) e paucibacilar (até cinco manchas na pele – 6 meses de tratamento). Ressalta a importância do tratamento, indicando que a presença de incapacidades físicas causadas pela Hanseníase em um paciente curado só ocorre se o diagnóstico for tardio ou se o tratamento não for realizado de maneira correta. Apresenta a dosagem dos medicamentos, utilizada em casos multibacilares e paucibacilares e afirma que podem ocorrer reações em alguns casos, indicando o tipo de medicação adequeada para casa reação e alertando que o uso de Talidomida em mulheres em idade fértil está proibido, devido aos seus efeitos teratogênicos. Apresenta um roteiro para a primeira consulta do paciente e tabela para medição do grau de incapacidade.