Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Enfermagem

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Carga de trabalho de enfermagem e variáveis clínicas em unidade de terapia intensiva oncológica / Nursing workload and the clinical variables in an oncology intensive care unit

Cunha, Daianny Arrais de Oliveira da.
Niterói; s.n; 2018. 80 f p.
Tese em Português | LILACS | ID: biblio-883109
Contextualização: Os avanços relacionados ao diagnóstico e tratamento do câncer refletiram no aumento da sobrevida e chance de cura, no entanto tratamentos mais agressivos podem gerar complicações clínicas levando a necessidade de admissão em unidade de terapia intensiva.

OBJETIVO:

Analisar possíveis associações entre variáveis clínicas e a carga de trabalho de enfermagem frente aos pacientes em uma Unidade de Terapia Intensiva oncológica.

MÉTODO:

Trata-se de coorte prospectiva, realizada em UTI de instituto referência nacional em oncologia no período de setembro a dezembro de 2016. Foram coletados dados demográficos e clínicos e a medida da carga de trabalho foi realizada através do instrumento Nursing Activities Score (NAS). Foram realizadas estatísticas descritivas e testes de associação para o tratamento dos dados, considerando-se p ˂ 0,05 de significância e 95% de confiança.

RESULTADO:

A amostra foi composta por 55 pacientes. Não houve predomínio com relação ao sexo dos pacientes, sendo 50,91% do sexo feminino. A média de idade dos pacientes internados na UTI é 55,1 anos (dp=16,78) e tempo de permanência médio de 13,63 dias (dp=11,51). O ICC apresenta média de 3,95 pontos e o KPS média de 27%. A maioria dos pacientes (32,73%) foram encaminhados pelas enfermarias/unidades de internação. Observa-se predomínio de 85,45% de pacientes não paliativos e 14,55% paliativos. A mortalidade bruta geral na UTI durante o estudo foi de 34,55%. A carga de trabalho geral encontrada (79,04%) corresponde a 18 horas e 57 minutos de assistência a cada paciente em 24 horas. Superior ao tempo de assistência indicado pela resolução 543/2017 do Conselho Federal de Enfermagem que afirma serem necessárias 18 horas de enfermagem por cliente em 24 horas de assistência em cuidados intensivos. O NAS no primeiro dia de internação foi de 93,57% (dp=15,11). A média do NAS para a condição de saída dos pacientes foi dividida em sobreviventes e não sobreviventes, apresentando, respectivamente NAS de 74,19% (dp=11,54) e 126,64% (dp=17,62). Apenas o KPS e a condição de saída da UTI apresentaram associação com a carga de trabalho de enfermagem (p=0,0001).

CONCLUSÃO:

Os pacientes oncológicos admitidos na UTI apresentaram alta carga de trabalho comparados a UTIs não oncológicas. No entanto foi inferior quando comparado a outro estudo realizado em outra UTI oncológica
Biblioteca responsável: BR1342.1
Localização: BR 1342.1, C972; D 616.992