Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Enfermagem

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Avaliação da efetividade do fator de crescimento epidérmico recombinante humano sintético (rhEGF) na cicatrização de feridas crônicas: ensaio clinico randomizado / Evaluation of the effectiveness of synthetic human recombinant epidermal growth factor (rhEGF) in the healing of chronic wounds: Randomized clinical trial

Oliveira, Bianca Campos.
Niterói; s.n; 2018. 107 f p.
Tese em Português | LILACS | ID: biblio-905543
Este estudo teve como objetivo analisar a efetividade clínica do gel contendo fator de crescimento epidérmico recombinante humano (rhEGF) no processo de reparo tecidual de feridas crônicas, comparado com o Gel de Carboximetilcelulose a 2%. Material e Método: Trata-se de um ensaio clínico randomizado, controlado e cego com intervenção terapêutica realizado em um hospital universitário. O período de coleta foi de novembro de 2016 a janeiro de 2018. A amostra foi constituída de 19 pacientes. A randomização foi realizada por meio do software Excel 2010, alocando os participantes de forma aleatória em grupo intervenção (EGF) e controle (Gel de Carboximetilcelulose a 2%). Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade de Medicina, sob o protocolo nº 1602.173 de 16 de junho de 2016. Os dados foram analisados no Excel 2010, BioSat 5.0 e SPSS 20.0. Os participantes foram na sua maioria do sexo masculino (74%) com idade média de 62,8 anos. Em relação às doenças de base, associadas a maior parte dos participantes (47%) apresentavam Hipertensão Arterial Sistólica (HAS) e Insuficiência Venosa Crônica (IVC) associada a Diabetes Mellitus. Em relação às características clínicas das feridas, o grupo Intervenção (EGF) apresentou redução da área da ferida estatisticamente significativa (p=0.019) ao longo das 12 semanas de tratamento. Já o grupo Controle apresentou redução da área da ferida, mas não estatisticamente significativa (p=0,216). Ao comparar ambos os tratamentos na consulta 1, 6 e 12, observou-se que não houve diferença estatisticamente significativa na redução da área da lesão (p=o.751). Quanto ao tipo de tecido o grupo Intervenção apresentou aumento dos tecidos de granulação e de epitelização e redução do esfacelo e do exsudato, não sendo estatisticamente significativo. No grupo Controle (Gel de Carboximetilcelulose a 2%) observou-se aumento do tecido de granulação e epitelização e diminuição dos tecidos desvitalizados e do exsudato (p=0.048). Em relação aos aspectos clínicos do exsudato presente no leito da lesão, nas 12 semanas de tratamento ambos os grupos foram estatisticamente significativos. Quanto aos eventos adversos, nenhum dos participantes apresentou eventos adversos graves ou locais como dor de forte intensidade, eczema e prurido, durante o período de seguimento do estudo. Ambos os tratamentos se mostraram seguros e eficazes no tratamento de feridas crônicas, não houve perdas e exclusões de participantes após a randomização
Biblioteca responsável: BR1342.1
Localização: BR 1342.1, O48; D 616.462