Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Enfermagem

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Gerenciamento dos riscos associados à infecção em pacientes onco-hematológicos pós-quimioterapia: estudo observacional / Management of risks associated with infection in oncohematologic patients after chemotherapy: an observational study

Silva, Luciana de Barros da.
Niterói; s.n; 2018. 152 f p.
Tese em Português | LILACS, BDENF - enfermagem (Brasil) | ID: biblio-906368
Tratando-se das doenças onco-hematológicas, no mundo, as de maior prevalência são a leucemia e o linfoma. O principal tratamento para as doenças onco-hematológicas é a quimioterapia que afeta tanto as células neoplásicas quanto as células normais. A neutropenia é uma das complicações mais comuns decorrentes do uso de Quimioterapia. A infecção no paciente neutropênico é considerada um caso de emergência médica, pois na maioria das vezes apresenta sinais e sintomas muito sutis e podem se agravar rapidamente evoluindo para sepse em pouco tempo, podendo levar ao óbito. Neste contexto, é fundamental que o enfermeiro atue no gerenciamento de riscos de forma a garantir um cuidado de enfermagem de qualidade, embasado nos princípios de segurança do paciente. Assim, o objeto desta pesquisa trata da relação causal entre os fatores de riscos e a incidência de infecção em pacientes onco-hematológicos pós-quimioterapia. A hipótese a ser confirmada ou refutada neste estudo é: existe associação entre fatores de risco intrínsecos e extrínsecos e o desenvolvimento de infecção em pacientes onco-hematológicos pós-quimioterapia. Apresenta os seguintes objetivos: geral: elaborar um protocolo assistencial para prevenção de infecção em pacientes onco-hematológicos pós-quimioterapia; específicos: levantar o número de casos de infecção em pacientes onco-hematológicos pós-quimioterapia; caracterizar os fatores de risco intrínsecos e extrínsecos nos pacientes onco-hematológicos que desenvolveram infecção pós-quimioterapia; verificar o registro de medidas preventivas adotadas para redução da incidência de infecção em pacientes onco-hematológicos pós-quimioterapia; e, analisar a correlação entre os fatores de riscos intrínsecos e extrínsecos e o desenvolvimento de infecção em pacientes após quimioterapia. Trata-se de um estudo de Coorte retrospectivo, documental, com abordagem quantitativa. A amostra do estudo foi constituída por 90 prontuários de pacientes internados na clínica hematológica do Hospital Universitário Antônio Pedro, no período de dezembro de 2012 a dezembro de 2015, com doença onco-hematológica. A coleta de dados se deu através de formulário estruturado contendo as variáveis de interesse para o estudo. As análises estatísticas dos dados foram feitas através do programa IBM SPSS (Statistical Package for the Social Sciences), versão 22.0. Verificou-se que 64 (71,1%) pacientes desenvolveram infecção após quimioterapia. Os principais fatores de risco foram as presenças de cateter venoso central, mucosite, neutropenia e realização de transfusão de concentrado de hemácias. As doenças de base com maior incidência de infecção foram o Linfoma não Hodgkin, o Mieloma Múltiplo e a Leucemia Mielóide Aguda. Nenhuma variável sociodemográfica apresentou associação com o desenvolvimento de infecção. As principais medidas preventivas adotadas para prevenção de infecção foram o uso de granulokine (35,6%), troca de cateter venoso periférico (48,9%) e troca de curativo do cateter venoso central (14,4%). Os registros de tais medidas foram insipientes ou as mesmas não foram realizadas, o que reforça a necessidade de elaboração de protocolos assistenciais voltados para a prevenção de infecção. Foram, então, elaborados os seguintes protocolos: protocolo assistencial para prevenção de infecção relacionada à inserção de cateter venoso central, protocolo assistencial de cuidados gerais a pacientes neutropênicos, protocolo assistencial para prevenção de infecção relacionada à mucosite oral e protocolo assistencial para prevenção de infecção relacionada à transfusão de concentrado de hemácias. A elevada incidência de infecção e óbito na população estudada demonstra a relevância e necessidade de investimentos na qualidade e padronização da assistência
Biblioteca responsável: BR1342.1
Localização: BR 1342.1, S586; D 616.15