Your browser doesn't support javascript.

Biblioteca Virtual em Saúde Pública

Saúde Pública Brasil - Literatura Científico-Técnica

Imprimir Resultado em

Formato de exportação:

Resultado em

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Utilidade clínica da Cistatina C para avaliação do prognóstico das Síndromes Coronarianas Agudas: uma revisão sistemática e metanálise / Clinical usefulness of Cystatin C to assess the prognostic of Acute Coronary Syndrome: a systematic review and meta-analysis

Martucheli, Karine Farnese Costa; Domingueti, Caroline Pereira.
Int. j. cardiovasc. sci. (Impr.); 31(3)jul.-ago. 2018. graf, tab
Artigo em Português | | ID: biblio-908987
A cistatina C é utilizada como marcador de função renal e tem se mostrado promissora para avaliação do prognóstico das síndromes coronarianas agudas (SCAs). Avaliar o valor prognóstico da cistatina C em pacientes com SCAs. A busca dos artigos foi realizada empregando as bases de dados PubMed, Web of Science e Scielo. Foram incluídos na revisão sistemática estudos observacionais de coorte que avaliaram a associação entre níveis elevados de cistatina C e o desenvolvimento de eventos cardiovasculares e mortalidade nos pacientes com SCAs. Somente os estudos que avaliaram desfechos semelhantes, que compararam o maior com o menor quartil de cistatina C e que realizaram análise multivariada, na qual foram incluídas a taxa de filtração glomerular ou a creatinina sérica, foram incluídos na metanálise. A qualidade metodológica dos artigos foi avaliada através do questionário Newcastle­Ottawa Scale para estudos de coorte. Após aplicação dos critérios de elegibilidade, 17 artigos foram incluídos na revisão sistemática. Todos os estudos incluídos encontraram uma associação significativa entre níveis maiores de cistatina C e os desfechos. A meta-análise demonstrou que níveis elevados de cistatina C estão associados com um maior risco de morte cardiovascular ou infarto do miocárdio não fatal nos pacientes com SCAs, e que esta associação é independente da função renal [OR = 1,65 (1,464 ­ 1,861), p < 0,001]. Dentre os estudos a revisão sistemática e meta-análise demonstrou que há uma associação significativa entre níveis elevados de cistatina C e o desenvolvimento de eventos cardiovasculares e mortalidade nos pacientes com SCAs