EVIPNet Brasil > Pesquisa > id:"biblio-868934"
adicionar à sua lista
1.

Efeitos de um treinamento físico não supervisionado associado ao uso de tecnologia em pacientes com doença renal crônica terminal/ Effects of a non-supervised physical training associated with the use of technology in patients with chronic kidney disease

Autor(es): Pillatt, Ana Paula; Agostini, Joice Andreia; Marchi, Ana Carolina Bertoletti de; Moreira, Paulo Ricardo; Leguisamo, Camila Pereira
Fonte: Estud. interdiscip. envelhec;20(3): 803-817, dez. 2015. tab
[ ID: 868934 ] Idioma: Português
O objetivo deste estudo foi avaliar os efeitos de um treinamento físico não supervisionado associado ao uso de tecnologia em pacientes com doença renal crônica terminal. Trata-se de um ensaio clinico controlado, composto por 18 pacientes randomizados por blocos em grupo controle (G1) e grupo intervenção (G2). O G1 não realizou intervenção, e o G2 foi orientado a realizar um treinamento de resistência muscular em casa, com a frequência de quatro vezes por semana, por um período de três meses, com auxilio de videoaulas gravadas em tres DVD. Os dois grupos foram avaliados quanto as medidas de índice de massa corporal e circunferência de cintura,realizaram os testes Senta e Levanta e 3o dedo-solo, responderam ao questionário KDQOL-SF e as escalas de Katz e Lawton, e foram submetidos a exames clínicos. Na analise dos dados, utilizamos os testes Kolmogorov-Smirnov, U de Mann-Whitney e qui-quadrado. Os grupos mostraram-se homogêneos (p>0,05) quando comparados tanto na avaliação basal como na de seguimento realizada no terceiro mês, portanto o treinamento físico não supervisionado, associado ao uso de tecnologia, não se mostrou efetivo quanto aos aspectos analisados.
The aim of this study was to evaluate the effect of a non-supervisedphysical training associated with the use of technology in patients with chronic kidney disease. This is a controlled clinical trial with 18 patients randomized by blocks in the control group (G1) and intervention group (G2), so that the G1 did not conduct intervention and the G2 was instructed to complete a training muscular resistance at home, with frequency of four times a week, for a period of three months, with the aid of video lessons recorded on three DVDs. The two groups were assessed for measures of body mass index and waist circumference, Sit and Stand tests and 3rd finger – ground, questionnaire KDQOL- SF, Katz and Lawton scales and clinical examinations. In the data analysis, we used the Kolmogorov-Smirnov and Mann-Whitney tests, and chi-square. The groups were homogeneous (p>0,05) when compared with each other, and both were at baseline and in the follow-up evaluation, they carried out in the third month. Therefore, the non-supervised physical training associated with the use of technology was not effective on the aspects analyzed.