Your browser doesn't support javascript.
A Biblioteca Cochrane foi excluída da BVS por decisão da Wiley de não renovação da licença de uso com a BIREME. Saiba mais.

BVS Odontologia

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Comparação entre os implantes dentários e implantes ortopédicos / Comparison between dental implants and orthopedic implants ­ literature review

Elias, Carlos Nelson; Fernandes, Daniel Jogaib; Machado, Vagner de Oliveira; Almeida, Ana Caroline Crema de; Carvalho, Paulo Sérgio Perri de.
ImplantNewsPerio; 2(5): 851-860, set.-out. 2017. ilus
Artigo em Português | BBO - odontologia (Brasil) | ID: biblio-877277

Resumo

Objetivo: revisar as semelhanças e diferenças entre os implantes dentários osseointegráveis e os implantes ortopédicos. Material e métodos: apesar da escassez de dados, foram construídos quatro tópicos: 1) materiais dos implantes osseointegráveis e ortopédicos; 2) técnicas cirúrgicas na Odontologia e na Ortopedia; 3) possíveis causas e efeitos do aquecimento; e 4) análise do insucesso dos implantes nas duas áreas. Resultados: 1) nenhum dos biomateriais metálicos usados na Ortopedia apresenta osseointegração conforme o conceito atualmente usado na Odontologia e, sob alto carregamento, estas ligas estão submetidas ao stress shielding em função do seu módulo de elasticidade ser muito acima do osso; 2) na Implantodontia, a estabilidade primária é fundamental e os procedimentos são mais delicados, enquanto na Ortopedia os implantes são cimentados (estabilizados) e os procedimentos ortopédicos são mais agressivos, estando entre os maiores índices de perdas advindas de complicações pós-cirúrgicas; 3) as condições de realização da cirurgia para inserção de implantes ortopédicos são mais críticas em relação aos dentários, devido ao maior volume de osso que é removido, maiores dimensões da prótese, menor vascularização do local e ausência de irrigação do meio durante a cirurgia, com temperaturas médias (70oC) acima do que se observa na Implantodontia odontológica (43oC); 4) a propensão ao insucesso nos implantes ortopédicos parece maior pela chance de carregamento 3-5 vezes maior em áreas corporais (quadril e joelho) que sustentam o peso do corpo. Conclusão: melhorias contínuas nos materiais, procedimentos e treinamento fornecerão taxa menor de reposição de implantes dentários e, especialmente, dos implantes ortopédicos.
Objective: to review the similarities and differences between osseointegrated dental and orthopedic implants. Material and methods: besides data paucity, four topics were created: 1) materials for osseointegrated and orthopedic implants; 2) surgical techniques in Dentistry and Orthopedics; 3) possible causes and effects of heating; and 4) failures analyses in both areas. Results: 1) none of the metallic biomaterials for Orthopedics present osseointegration according to the concept developed for dentistry and, under high loading, alloys are subjected to stress shielding due to their elastic moduli being higher than the bone; 2) for implant dentistry, primary stability is fundamental and the procedures are more delicate, whereas in Orthopedics the implants are cemented (stabilized) and the procedures have a more aggressive nature, within the highest levels of post-surgical complications; 3) surgical conditions for Orthopedics are more critical than in the dental field, due to a greater bone volume, prosthesis size, less local vascularization and lack of irrigation, with mean temperatures (70oC) well-above compared to the implant dentistry (43oC); 4) the failure of orthopedic implants seems higher due to the 3-5 times chance of loading at corporal bearing structures (hips and knees). Conclusion: continuous improvement on materials, procedures, and training will provide less replacement rates for dental implants and specially for orthopedic devices.
Biblioteca responsável: BR510.1