Your browser doesn't support javascript.

Portal Regional de la BVS

Información y Conocimiento para la Salud

Home > Búsqueda > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportación:

Exportar

Email
Adicionar mas contactos
| |

Carcinomas de ovário associados à endometriose: expressão de marcadores proteicos de terapia alvo e prognóstico / Endometriosis-associated ovarian carcinomas: expression of protein biomarkers associated to target therapies and prognosis

Campinas; s.n; 2018. 162 p. ilus, tab.
Tesis en Portugués | LILACS | ID: biblio-912068
Presentada en Universidade Estadual de Campinas para obtención del grado de Doutor. Tutor: Derchain, Sophie Françoise Mauricette.
Resumo: Introdução: endometriose é uma doença benigna, capaz de progredir extensamente e gerar clones atípicos. Considerada precursora dos carcinomas de células claras (CCOC) e endometrióide (EOC) de ovário, atualmente chamados carcinomas de ovário associados à endometriose (EAOC).

OBJETIVOS:

comparar o perfil epidemiológico, a associação com endometriose e a expressão de marcadores imuno-histoquímicos para ARID1A, VEGF, PD-L1 e PARP-1 em mulheres com CCOC e EOC, e sua correlação com a sobrevida livre de progressão (SLP) e sobrevida global (SG).

MÉTODOS:

estudo de coorte reconstituída, com 50 casos incluídos de CCOC e EOC tratados no CAISM-UNICAMP entre 1995 até 2016, acompanhados até 02/2017. Microarranjos de tecido com amostras de CCOC, EOC e endometriose foram corados com anticorpos monoclonais contra ARID1A, e para os biomarcadores proteicos VEGF, PD-L1, PARP-1 através de imuno-histoquímica. A expressão de ARID1A foi classificada (0 a 100) conforme a porcentagem de células não coradas. A expressão de VEGF, PD-L1 e PARP-1 foi classificada (0 a 300) conforme a multiplicação da porcentagem de células coradas por um fator da intensidade de expressão (ausente=0; fraco=1; moderado=2; forte=3). Idade ao diagnóstico; menopausa; índice de massa corpórea (IMC); CA-125; diagnóstico de endometriose; datas do diagnóstico, da progressão, do óbito e da última consulta foram recuperados dos prontuários. Comparação entre grupos foi realizada através de testes T e de ?2. A SLP (diferença de tempo entre o diagnóstico e a data de progressão) e a SG (diferença de tempo entre o diagnóstico e o óbito ou data da última data de consulta) foi avaliada através de curvas de Kaplan-Meyer e teste de Log-Rank ou regressão de COX.

RESULTADOS:

23 mulheres com CCOC (46%), e 27 com EOC (54%) foram incluídas; 80% tinham endometriose associada, 42% eram nulíparas, 42% eram pré-menopausa e CA125 foi elevado em todos estádios (FIGO I-II= média 614.7Ui/mL; FIGO III-IV= media 2361.2Ui/mL). A média de idade ao diagnóstico foi 7 anos menor em mulheres com EOC do que naquelas com CCOC. O CCOC foi mais diagnosticado em estágios iniciais quando associado à endometriose (p=0,03). O prognóstico dos EOC e CCOC em estádios iniciais foi semelhante (p=0,96). Os CCOC não associado à endometriose tiveram menor SG (p=0,04). A expressão de todos os biomarcadores esteve presente nos EAOC e na endometriose. O aumento da expressão de VEGF entre endometriose e câncer foi significativo (p=0,0002). A hiperexpressão de PARP-1 correlacionou-se negativamente com a SLP (p=0,03) e SG (p=0,01) em estádios iniciais.

CONCLUSÃO:

Os CCOC e EOC são comumente diagnosticados em estádios iniciais (FIGO I-II= 68%) e estão frequentemente associados à endometriose (80% dos casos). Quando associados à endometriose, os CCOC foram mais diagnosticados em estádios iniciais e tiveram SG maior. Houve elevada porcentagem de células com ARID1A mutado nos EAOC (>40%). VEGF se expressou mais intensamente nos CCOC e EOC que na endometriose, já a expressão de PD-L1 e de PARP-1 foi similar. Apenas a hiperexpressão de PARP-1 reduziu significativamente a SLP e a SG nos CCOC e EOC nos estádios iniciais(AU)
Biblioteca responsable: BR25.1
Ubicación: BR25.1, B275c; T/UNICAMP