Your browser doesn't support javascript.

Portal Regional da BVS

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Repercussão da segurança alimentar e nutricional sobre o consumo de frutas e hortaliças / Repercussion of food and nutrition security on fruit and vegetable intake

Belo Horizonte; s.n; 2016. 126 p. graf, tab, mapas.
Tese em Português | BDENF - Enfermagem | ID: bde-28207
Apresentada a Universidade Federal de Minas Gerais. Escola de Enfermagem para obtenção do grau de Mestre. Orientador: Lopes, Aline Cristine Souza.
Mudanças alimentares vivenciadas no Brasil, nas últimas décadas, contribuíram para a construção e o fortalecimento da política de segurança alimentar e nutricional (SAN). Entretanto, ainda se faz necessário conhecer, em diferentes grupos populacionais, questões relativas à segurança alimentar no contexto familiar e individual e a sua influência sobre o consumo de alimentos, como de frutas e hortaliças (FH).

OBJETIVO:

Verificar a influência da insegurança alimentar sobre o consumo de FH.

MÉTODOS:

Estudo transversal com usuários com 20 anos ou mais do Programa Academia da Saúde (PAS) de Belo Horizonte, Minas Gerais. Utilizou-se questionário pré-testado, incluindo dados socioeconômicos, de saúde, consumo alimentar e Escala Brasileira de Insegurança Alimentar (EBIA). Realizou-se regressão linear múltipla para verificar a influência da insegurança alimentar sobre o consumo de FH.

RESULTADOS:

Foram avaliados 2.817 domicílios, representados pelos usuários do PAS, sendo a maioria mulheres (90,6%), adultos (56,9±11,2 anos) e com mediana de 7,0 (4,0-11,0) anos de estudo. Dos entrevistados, 61,9% relataram estarem casado/união consensual e terem o homem como chefe de família (59,6%). A mediana de escolaridade do chefe de família foi de 8,0 (4,0-11) anos de estudo e da renda per capita de R$ 678,00 (423,75-1.000,00), sendo que a maioria dos usuários não recebiam benefícios do governo (95,0%). Quanto à ocupação, 36,9% eram aposentados e/ou pensionista e 29,9% do lar. Na maior parte dos domicílios estava presente 1 a 3 moradores (60,6%), 67,8% não possuíam residentes menores de 18 anos e 55,5% apresentavam de 1 a 3 moradores idosos (> 60 anos). Em relação à saúde, 63,7% apresentavam excesso de peso, 16,7% diabetes, 53,2% hipertensão arterial e 44,3% dislipidemias. Os participantes apresentavam média de consumo diário de FH de 375,9±183,7 gramas, sendo que mais de 70,0% relataram adquirir estes alimentos em sacolões privados, seguido de sacolões municipais...(AU)
Biblioteca responsável: BR21.1
Localização: BR21.1; T-WA695, ARRE