Your browser doesn't support javascript.

Portal Regional da BVS

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Imperfuração congênita do óstio uretral externo associada à persistência de úraco em bezerra Nelore: relato de caso / Congenital external urethral ostium imperforation associated to urachal persistence in Nelore calf: case report

Arq. bras. med. vet. zootec; 69(2): 305-309, mar.-abr. 2017. ilus
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-833819

Resumo

A imperfuração uretral associada ou não à persistência do úraco é rara; quando concomitante, o animal mantém o fluxo urinário por via umbilical, entretanto, após o tratamento de correção da persistência do úraco, ocorre o armazenamento de urina, que pode culminar em complicações como bexigoma, hidroureter e ruptura vesical. Uma bezerra Nelore, com 20 dias de idade, foi atendida com persistência de úraco. Prescreveu-se a aplicação local de tintura de iodo a 10% durante cinco dias, e indicou-se retorno para obliteração cirúrgica caso não houvesse resposta à terapia proposta. Após 30 dias, o animal retornou com distensão abdominal, histórico de diminuição gradual do fluxo urinário, com ausência de micção via vaginal e discreto gotejamento de urina através do umbigo. Após diversas tentativas de cateterismo uretral sem sucesso, diagnosticou-se a imperfuração do óstio uretral externo. O exame ultrassonográfico revelou distensão vesical com aproximadamente sete litros de conteúdo, hidroureter e hidronefrose bilateral. Realizou-se a cistocentese e o esvaziamento vesical guiado por ultrassom e optou-se pela abordagem cirúrgica para criação do óstio uretral e correção do úraco persistente. Por meio de cistotomia, realizou-se a sondagem retrógrada da uretra e a perfuração da membrana que recobria o óstio uretral no vestíbulo vaginal, a fim de criar um novo óstio. A sondagem foi mantida por 10 dias, com o intuito de evitar estenose do óstio e, após 30 dias de pós-operatório, o animal recebeu alta com óstio uretral patente no vestíbulo vaginal.(AU)
Urethral imperforation associated or not with urachal patency is rare, when concomitant, the animal maintains urinary flow through umbilical via, but when the treatment is performed storage of urine occurs and can culminate in complications like bexigoma, hydrourether, and vesical rupture. A nelore calf with 20 days of age, was attended with urachal patency, conservative treatment with searing substance (10% iodine) was prescribed. Return for surgical treatment was recommended if no resolution was achieved. After 30 days, the animal returned with abdominal distension and history of gradual decrease in urinary flow without urination via urethra. Urethral catheterization was attempted, unsuccessfully, and sonographic evaluation revealed vesical distention with approximately seven liters of content, hydrourether and hydronephrosis. cystocentesis and vesical deflation was performed. Surgical approach of the bladder was performed and a new ostium for the urethra in the vaginal vestibule was created by retrograde via. Urachal was removed and urethral catheterization was maintained for 10 days. Following 30 days of pos operative procedure, the animal was discharged.(AU)
Biblioteca responsável: BR68.1