Your browser doesn't support javascript.

Portal Regional da BVS

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Evaluation of the rapid and slow maxillary expansion using cone-beam computed tomography: a randomized clinical trial

Dental Press J Orthod; 22(2): 61-68, Mar.-Apr. 2017. tab, graf
Artigo em Inglês | LILACS-Express | ID: biblio-840221

RESUMO OBJETIVO:

o objetivo do presente ensaio clínico randomizado foi avaliar as transformações dentárias, dentoalveolares e ósseas que ocorrem imediatamente após o tratamento com expansão rápida da maxila (ERM) e lenta (ELM) usando expansores do tipo Haas.

MÉTODOS:

todos os indivíduos foram submetidos a tomografias computadorizadas de feixe cônico (TCFC) antes da colocação dos expansores (T1) e imediatamente após a estabilização do parafuso (T2). Os pacientes que não seguiram os parâmetros da pesquisa foram excluídos. A amostra final constou de 21 pacientes no grupo ERM (idade média de 8,43 anos) e 16 no grupo ELM (idade média de 8,7 anos). Com base em estatística de assimetria e curtose, as variáveis foram consideradas de distribuição normal, e os testes t pareado e t de Student foram realizados, com nível de significância de 5%.

RESULTADOS:

o ângulo intermolares mudou significativamente devido ao tratamento, e o grupo ERM apresentou maior inclinação vestibular do que o grupo ELM. O grupo ERM mostrou alterações significativas em outras quatro medidas devido ao tratamento: a maxila apresentou deslocamento anterior e a mandíbula, rotação posterior; no nível transversal, houve tanto alterações ósseas quanto dentoalveolares significativas, devido à expansão maxilar. O grupo ELM apresentou alterações significativas devido à expansão maxilar.

CONCLUSÕES:

apenas o ângulo intermolares apresentou diferença significativa entre as duas modalidades de expansão maxilar, com maior inclinação vestibular no grupo ERM. A ERM resultou, também, em expansão maxilar óssea, ao contrário da ELM. As duas modalidades de expansão maxilar promoveram, de forma eficiente, um ganho transversal em nível dentoalveolar. As medidas sagitais e verticais não apresentaram diferenças entre os grupos, mas a ERM promoveu o deslocamento anterior da maxila e a rotação posterior da mandíbula.
Biblioteca responsável: BR1.1