Your browser doesn't support javascript.

Portal Regional da BVS

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Programa Mais Médicos: embates políticos entre entidades médicas e o Estado / More Medical Program: envy between women doctors and the State

Rio de Janeiro; s.n; 2018. 165 f p. il.
Tese em Português | LILACS | ID: biblio-904948
Apresentada a Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Instituto de Medicina Social para obtenção do grau de Mestre. Orientador: Rodrigues, Paulo Henrique de Almeida.
Essa dissertação tem como objetivo analisar os embates políticos entre as principais entidades médicas nacionais e o Estado brasileiro em torno do PMM. O Mais Médicos gerou resultados significativos para a população que não tinha acesso a assistência médica. Mas esses resultados não foram suficientes para aplacar as críticas vindas de determinadas entidades representativas da profissão e de muitos médicos no país. Considerando a história da medicina no ocidente observa-se que essa profissão obteve um forte poder na sociedade, sendo o saber hegemônico da profissão determinante para a vida da maioria das pessoas. As relações entre a profissão médica com o Estado e a classe burguesa possibilitaram o fortalecimento político e econômico dessa profissão. No Brasil esse cenário não foi diferente. Diante dessas questões, as manifestações contrárias ao PMM podem ter outros sentidos, mediados por interesses particulares da profissão, que também representam interesses de classe. Optei nesse estudo pela pesquisa qualitativa, que foi realizada por meio de pesquisa documental e análise de conjuntura, e teve como aporte teórico o neoinstitucionalismo histórico. O movimento de lutas das entidades médicas e de grande parte da categoria médica contra o PMM não conseguiu anular o programa, mas alcançou objetivos importantes para garantir certa autonomia da profissão em relação ao Estado. A mobilização da categoria contra o PMM alcançou o Congresso Nacional, fazendo alianças importantes com os partidos de oposição. Houve forte adesão da categoria médica a esses partidos em 2014. Além disso, foi significativa a luta do movimento médico contra a reeleição da presidente Dilma Rousseff, o que mostrou que as reinvindicações contra o PMM, se mesclaram a reinvindicações contra o governo Dilma
Biblioteca responsável: BR433.1
Localização: BR433.1, T1669, S586; 614.39:614.255(81)