Your browser doesn't support javascript.

Portal Regional da BVS

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Opções farmacológicas para ceratite por micobactérias não-tuberculosas: uma revisão integrativa / Pharmacological options for nontuberculous mycobacterial keratitis: an integrative review"

Rev. Ciênc. Méd. Biol. (Impr.); 17(1): 89-94, jul.17,2018. tab
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: biblio-910036

INTRODUÇÃO:

as ceratites são infecções da córnea, que acontecem pós-trauma, cirúrgico ou não, ou em indivíduos imunossuprimidos e que podem ter como agente etiológico micobactérias não-tuberculosas (MNTs). O diagnóstico das ceratites por MNTs é feito pelos aspectos clínicos em associação à identificação do patógeno. Não existe um consenso na literatura com relação ao tratamento farmacológico.

OBJETIVOS:

o objetivo primário é identificar as opções terapêuticas farmacológicas para ceratites por MNTs e, o secundário, descrever os aspectos clínicos dessa infecção.

METODOLOGIA:

um total de 214 artigos foram encontrados através da pesquisa nas fontes CAPES, LILACS, PUBMED e Biblioteca Cochrane, utilizando-se as combinações de palavras chave: "ceratite" e "micobactérias não-tuberculosas, destes, após o uso dos critérios de exclusão, 4 artigos foram selecionados.

RESULTADOS:

partindose das 4 publicações selecionadas foram reunidos 5 casos clínicos, todos com história de trauma corneano, cirúrgico ou não. Os 5 pacientes foram submetidos à técnica diagnóstica não-invasiva e em todos foi identificada MNT. Os tratamentos farmacológicos foram feitos com antimicrobianos das classes das quinolonas, aminoglicosídeos e macrolídeos. Em um dos casos foi usado um corticoide e em dois foi feita associação com anti-inflamatório não-esteroide.

CONCLUSÃO:

o tratamento farmacológico da ceratite por MNTs é de longo prazo, e, neste estudo, variou de 3 semanas a 6 meses. Os quimioterápicos usados são os aminoglicosídeos, macrolídeos e quinolonas e, em alguns casos, a combinação destes. O uso de anti-inflamatórios não-esteroidais e esteroidais não é consensual. Quanto aos aspectos clínicos, observam-se características comuns a outras ceratites infecciosas
Biblioteca responsável: BR1826.9