Your browser doesn't support javascript.

Portal Regional da BVS

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
XML
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Prevalência da polifarmácia quantitativa e qualitativa em idosos com demência de alzheimer / Prevalence of quantitative and qualitative polypharmacy in older adults with Alzheimer dementia

Geriatr., Gerontol. Aging (Impr.); 12(3): 143-147, jul.-set.2018.
Artigo em Português | LILACS-Express | ID: biblio-948284

INTRODUÇÃO:

A polifarmácia pode ser classificada como quantitativa e qualitativa. Entre os conceitos para a quantitativa, está a utilização de dois ou mais medicamentos. Por sua vez, a polifarmácia qualitativa considera a racionalização da terapia farmacológica.

OBJETIVOS:

Com base nos dois conceitos apresentados, este estudo objetivou avaliar a prevalência da polifarmácia em idosos com demência e correlacioná-la às características socioclínicas, demográficas e farmacológicas.

MÉTODOS:

Foi realizado um estudo transversal em um centro de referência em demência no Distrito Federal, incluindo 97 idosos com diagnóstico de demência de Alzheimer. Foram identificadas as prevalências da polifarmácia quantitativa e da qualitativa, e, valendo-se da análise univariada, correlacionou-se a presença de polifarmácia às características da população. A estatística descritiva foi calculada para todas as variáveis, as dependentes e as independentes. A correlação entre as variáveis secundárias e a polifarmácia foi determinada pela razão de prevalências. Para a análise univariada, utilizaram-se os seguintes testes estatísticos: χ2 de Pearson, Kruskal-Wallis e Wilcoxon-Mann-Whitney (WMW).

RESULTADOS:

A prevalência da polifarmácia quantitativa foi de 92,8%, sendo 37,2% leve, 25,8% moderada e 29,8% grave, e a da qualitativa foi de 49,5%. Analisando-se os dados, as características socioclínicas e demográficas não estiveram associadas nem com a polifarmácia quantitativa nem com a qualitativa.

CONCLUSÃO:

A polifarmácia quantitativa e a qualitativa foram prevalentes entre os idosos com demência. O atendimento ambulatorial multiprofissional aos idosos mediante a metodologia de identificação e qualificação das polifarmácias quantitativa e qualitativa parece ser uma ferramenta útil para promover o uso racional de medicamentos
Biblioteca responsável: BR1946.9