Your browser doesn't support javascript.

Portal Regional da BVS

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Percepção do enfermeiro da atenção básica acerca do atendimento à gestante soropositiva / Perception of the nurse of basic attention about the soropositive pregnant

J. Health Biol. Sci. (Online); 6(3): 286-292, 02/07/2018. tab
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-964698

INTRODUÇÃO:

Gestantes portadoras do vírus HIV devem ser acompanhadas durante todo o pré-natal, pelo enfermeiro, pelo médico-obstetra e pelo infectologista.

OBJETIVO:

Descrever a percepção dos enfermeiros que atuam na atenção básica diante do atendimento a uma gestante soropositiva.

MÉTODO:

Estudo descritivo com abordagem qualitativa e pesquisa de campo realizado com 14 enfermeiros e dados das notificações do setor de vigilância epidemiológica de Cacoal-RO.

RESULTADOS:

Atuam, no município, enfermeiros de ambos os sexos, a média de idades foi 31 anos (DP±5,19), referente ao tempo de profissão, a média foi 5 anos (DP±2,64). Foram registrados 10 casos de soropositividade em gestantes no município de Cacoal no período de 2013 a 2017. Quanto ao atendimento à gestante soropositiva 8 (57,14%) nunca realizaram esse atendimento, ainda assim 12 (85,71%) autoavaliaram-se capazes. O sentimento das gestantes, diante da notícia da soropositividade, mais percebido pelos enfermeiros foi nervosismo seguido de choro, 3 (21,43%). Todos os enfermeiros entrevistados afirmaram que o seguimento da gestante soropositiva deve ocorrer concomitantemente à atenção básica e ao serviço ambulatorial especializado. Classificaram-se capazes de orientar quanto aos riscos e à prevenção da Transmissão vertical 85,71% dos profissionais.

CONCLUSÃO:

Inferiu-se que os enfermeiros, seguindo os preceitos, éticos e científicos são capazes de realizar o atendimento às gestantes, bem como realizar orientações quanto aos riscos de transmissão vertical e acerca da terapêutica recomendada; porém, devido ao pouco contato com essa clientela eles se percebem deficientes de capacitações que visem à melhoria da assistência prestada por não se tratar de rotina de trabalho.(AU)
Biblioteca responsável: BR1780.2