Your browser doesn't support javascript.

Portal Regional da BVS

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Correlação entre aterosclerose carotídea e disfunção ventricular esquerda ao ecocardiograma / Correlation between carotid atherosclerosis and left ventricular dysfunction at echocardiography

ABC., imagem cardiovasc; 32(1): 6-13, jan.-mar. 2019. graf
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-969855
As doenças cardiovasculares são a maior causa de morbimortalidade no mundo. A prevenção primária, por meio do diagnóstico precoce, é necessária para possibilitar o tratamento adequado e controlar a evolução da doença, reduzindo a mortalidade e os gastos em saúde pública. Correlacionar aterosclerose em artéria carótida (avaliada pelo Eco Doppler) e disfunção ventricular esquerda (avaliada pelo ecocardiograma), além de correlacionar tais achados com o risco cardiovascular dos pacientes estudados.

MÉTODO:

Foram analisados 286 prontuários de pacientes que realizaram os exames Eco Doppler carotídeo e ecocardiograma transtorácico.Os dados analisados foram: presença de placa aterosclerótica e grau de estenose, fração de ejeção do ventrículo esquerdo e presença de alterações contráteis difusas ou segmentares do ventrículo esquerdo.

RESULTADOS:

Dos 238 laudos de Eco Doppler carotídeo, 18 tinham estenose maior que 70% em artéria carótida e 14 destes apresentavam alteração contrátil do ventrículo esquerdo (p = 0,045). Dos pacientes que tinham risco cardiovascular muito alto, 61 apresentavam estenose em artéria carótida (p < 0,001); 51 pacientes com risco cardiovascular muito alto apresentavam alteração contrátil (p < 0,001). Dos 266 laudos de ecocardiograma, 37 registravam fração de ejeção do ventrículo esquerdo reduzida. Desses, 25 tinham risco cardiovascular muito alto (p < 0,001).

CONCLUSÃO:

Houve relação positiva entre estenose de artéria carótida, redução da fração de ejeção do ventrículo esquerdo e alteração contrátil do ventrículo esquerdo (difusa ou segmentar) com risco cardiovascular muito alto. Também foi possível correlacionar a estenose carotídea com alteração contrátil, apesar deste estudo não demonstrar correlação entre estenose carotídea e redução da fração de ejeção do ventrículo esquerdo
Biblioteca responsável: BR44.1
Localização: BR44.1