Your browser doesn't support javascript.

Portal Regional da BVS

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Function of obturator prosthesis after maxillectomy and prosthetic obturator rehabilitation / Função da prótese obturadora após maxilectomia e reabilitação protética obturadora

Braz J Otorhinolaryngol; 82(2): 177-183, Mar.-Apr. 2016. tab, graf
Artigo em Inglês | LILACS | ID: lil-780974

Resumo

ABSTRACT INTRODUCTION: Maxillary defects are usually rehabilitated by a prosthetic obturator. OBJECTIVE: This study aimed to evaluate the functioning of obturators prosthesis in patients with unilateral defects after maxillectomy. METHODS: Of 49 patients, 28 underwent to maxillectomy as a result of tumor ablative surgery, and acquired unilateral maxillary defects. Evaluation of the function was performed by applying the Obturator Functional Scale (OFS). RESULTS: From a total of 49 patients, 28 were treated as follows: 9 with a conventional retained obturator prosthesis (COP), 11 (39%) with an enhanced retentive obturator prosthesis with stud attachment (POP) and 8 (28%) with an enhanced retentive obturator prosthesis with magnetic attachment (POM). The mean OFS score was 80. Scores on functions of speech, swallowing and chewing reached statistical significances (p < 0.05) among these three subgroups. Comparing COP and MOP groups, the scores of OFS in the domains of "Speech-ability to speak in public" and "Swallowing-leakage with liquids" were significantly higher in AOP group. Comparing COP group, the scores of OFS in "Swallowing-leakage with solid" and "Chewing/eating" domains were increased significantly (p < 0.05) both in MOP and AOP groups. CONCLUSION: Obturator prosthesis improves oral function of patients after maxillary defects; the retention of the obturator prosthesis enhanced by the addition of attachments showed more benefits in oral function.
RESUMO INTRODUÇÃO: Em geral, os defeitos da maxila são reabilitados por uma prótese obturadora. OBJETIVO: O estudo avaliou o funcionamento da prótese obturadora em pacientes com defeitos unilaterais após maxilectomia. MÉTODO: De 49 pacientes, 28 foram submetidos a maxilectomia como cirurgia de ablação tumoral e tiveram como sequela defeitos maxilares unilaterais. A avaliação do funcionamento foi efetuada pela aplicação da Escala Funcional do Obturador (EFO). RESULTADOS: De um total de 49 pacientes, 28 foram tratados da seguinte forma: nove com prótese obturadora retentiva convencional (POC), 11 (39%) com prótese obturadora retentiva com fixação por pino (POP) e oito (28%) com prótese obturadora retentiva com fixação magnética (POM). O escore médio na EFO foi de 80. Os escores para funções da fala, deglutição e mastigação alcançaram significância estatística (p < 0,05) entre os três subgrupos. Na comparação entre os grupos POC e POM, os escores da EFO nos domínios da "Fala-capacidade de discursar em público" e "Deglutição-vazamento de líquidos" foram significativamente mais altos no grupo POP. Na comparação com o grupo POC, os escores da EFO nos domínios de "Deglutição-vazamento com sólido" e "Mastigação/ingestão" estavam significativamente aumentados (p < 0,05) nos grupos POM e POP. CONCLUSÃO: A prótese obturadora melhorou o funcionamento oral de pacientes com defeitos maxilares; a retenção da prótese obturadora reforçada pela adição de dispositivos de fixação demonstrou maiores benefícios na função oral.
Biblioteca responsável: BR1.1