Your browser doesn't support javascript.

Portal Regional da BVS

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
XML
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Action of vanillin (Vanilla planifolia) on the morphology of tibialis anterior and soleus muscles after nerve injury.

Einstein (Sao Paulo); 15(2): 186-191, 2017 Apr-Jun.
Artigo em Inglês, Português | MEDLINE | ID: mdl-28767917

OBJECTIVE:

To evaluate the action of vanillin (Vanilla planifolia) on the morphology of tibialis anterior and soleus muscles after peripheral nerve injury.

METHODS:

Wistar rats were divided into four groups, with seven animals each: Control Group, Vanillin Group, Injury Group, and Injury + Vanillin Group. The Injury Group and the Injury + Vanillin Group animals were submitted to nerve injury by compression of the sciatic nerve; the Vanillin Group and Injury + Vanillin Group, were treated daily with oral doses of vanillin (150mg/kg) from the 3rd to the 21st day after induction of nerve injury. At the end of the experiment, the tibialis anterior and soleus muscles were dissected and processed for light microscopy and submitted to morphological analysis.

RESULTS:

The nerve compression promoted morphological changes, typical of denervation, and the treatment with vanillin was responsible for different responses in the studied muscles. For the tibialis anterior, there was an increase in the number of satellite cells, central nuclei and fiber atrophy, as well as fascicular disorganization. In the soleus, only increased vascularization was observed, with no exacerbation of the morphological alterations in the fibers.

CONCLUSION:

The treatment with vanillin promoted increase in intramuscular vascularization for the muscles studied, with pro-inflammatory potential for tibialis anterior, but not for soleus muscle.

OBJETIVO:

Avaliar a ação da vanilina (Vanilla planifolia) sobre a morfologia dos músculos tibial anterior e sóleo após lesão nervosa periférica.

MÉTODOS:

Ratos Wistar foram divididos em quatro grupos, com sete animais cada, sendo Grupo Controle, Grupo Vanilina, Grupo Lesão e Grupo Lesão + Vanilina. Os animais dos Grupos Lesão e Grupo Lesão + Vanilina foram submetidos à lesão nervosa por meio da compressão do nervo isquiático, e os Grupos Vanilina e Grupo Lesão + Vanilina foram tratados diariamente com doses orais de vanilina (150mg/kg) do 3o ao 21o dia após a indução da lesão nervosa. Ao término do experimento, os músculos tibial anterior e sóleo foram dissecados e seguiram o processamento de rotina em microscopia de luz, para posterior análise morfológica.

RESULTADOS:

A compressão nervosa promoveu alterações morfológicas características de denervação, sendo que o tratamento com vanilina foi responsável por respostas distintas nos músculos estudados. Para o tibial anterior, houve aumento do número de células satélites, núcleos centrais e atrofia das fibras, bem como desorganização fascicular. Já no sóleo, houve apenas aumento da vascularização, sem exacerbação das alterações morfológicas nas fibras.

CONCLUSÃO:

O tratamento com vanilina promoveu o aumento da vascularização intramuscular para os músculos estudados, com potencial pró-inflamatório para o tibial anterior, o que não ocorreu no músculo sóleo.