Your browser doesn't support javascript.

Repositório BVS

Documentos sobre a Biblioteca Virtual em Saúde

> Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Assessing the risk of bias in randomized controlled trials in the field of dentistry indexed in the Lilacs (Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde) database / Avaliação do risco de viés de ensaios controlados randomizados de odontologia indexados na base de dados Lilacs (Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde)

Ferreira, Christiane Alves; Loureiro, Carlos Alfredo Salles; Saconato, Humberto; Atallah, Álvaro Nagib.
Sao Paulo Med J; 129(2): 85-93, Mar. 2011. ilus, graf, tab
Artigo em Inglês | LILACS, Repositório BVS | ID: lil-587833

CONTEXTO E OBJETIVO:

Ensaios controlados randomizados (ECRs) bem conduzidos representam o mais alto nível de evidência quando a pergunta de pesquisa é sobre o efeito de intervenções terapêuticas ou preventivas. No entanto, o grau de controle de viés entre os ECRs apresenta grande variabilidade entre estudos. Por esta razão, com o aumento do interesse e produção das revisões sistemáticas e metanálises, foi necessário desenvolver metodologia suportada por evidência empírica, para incentivar e valorizar a produção de ECRs válidos e com baixo risco de viés. O objetivo deste trabalho foi realizar uma análise metodológica da área de odontologia quanto ao risco de viés de ECRs de acesso aberto, disponibilizados no banco de dados do Lilacs (Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde).TIPO DE ESTUDO E LOCAL: Trata-se de um estudo sobre metodologia conduzido na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) que avaliou o risco de viés dos ECRs, utilizando as seguintes dimensões: geração da sequência de alocação, sigilo da alocação, cegamento e dados sobre desfechos incompletos.

RESULTADOS:

Dos 4.503 artigos classificados somente 10 (0,22 por cento) estudos foram considerados verdadeiros ECR e, destes, somente um estudo foi classificado como sendo de baixo risco de viés. Os itens mais frequentemente controlados pelos autores dos ECR foram cegamento e dados sobre desfechos incompletos.

CONCLUSÃO:

A presença efetiva de viés enfraqueceu seriamente a confiança nos resultados dos estudos de odontologia avaliados, sendo pouco úteis para clínicos e gestores como suporte a processos de decisão.
Biblioteca responsável: BR1.1