Your browser doesn't support javascript.

RIPSA

Rede Interagencial de Informações para a Saúde

Sistematizando informação e construindo conhecimento para políticas de saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Fragilidade de idosos atendidos em ambulatório de geriatria segundo a escala visual de fragilidade / Frailty in older adults attending an outpatient geriatric clinic as measured by the visual scale of frailty

Cintra, Marco Túlio Gualberto; Guimarães, Felipe Ferreira; de Souza, Cislene Teixeira; Luz, Fernanda Silva Trindade; Murta, Érica Dias; Bicalho, Maria Aparecida Camargos; de Moraes, Edgar Nunes.
Geriatr., Gerontol. Aging (Impr.); 13(1): 17-23, jan-mar.2019.
Artigo em Português | LILACS-Express | ID: biblio-1005547
INTRODUÇÃO: Os instrumentos atualmente existentes para diagnóstico de fragilidade apresentam limitações relacionadas à incorporação exclusiva de métodos de avaliação da mobilidade, não incorporação de comorbidades e dicotomização em frágil e não frágil, prejudicando a adequada identificação do idoso frágil. OBJETIVO: Avaliar o perfil de fragilidade da população em serviço de atenção secundária de geriatria de Belo Horizonte, Brasil, segundo a Escala Visual de Fragilidade e descrever os cinco níveis de estado de saúde aventados quanto à funcionalidade, incapacidades e comorbidades. METODOLOGIA: Foram avaliados prontuários de pacientes atendidos entre fevereiro de 2011 e fevereiro de 2014 e foi realizada a classificação desses idosos segundo a Escala Visual de Fragilidade. As análises de variáveis contínuas foram realizadas pelo teste ANOVA ou Kruskal-Wallis e, para as variáveis categóricas, o teste do χ2, por meio do Statistical Packagefor the Social Sciences (SPSS®) 19.0. RESULTADOS: Foram avaliados 813 prontuários, entre esses pacientes, 5,2% foram considerados como robusto, 31% sob risco de fragilização, 24,6% como frágil, 34,8% como frágil de alta complexidade e 4,4% como frágil em fase final de vida. A análise das categorias de estado de saúde demonstrou associação entre essas categorias e o maior acometimento da funcionalidade e maior presença de incapacidades e comorbidades. CONCLUSÃO: A Escala Visual de Fragilidade demonstrou ser uma importante ferramenta na avaliação do estado de saúde dos idosos e indicou elevado nível de fragilidade na população estudada