Your browser doesn't support javascript.

Secretaria de Estado da Saúde - BVS

Rede de Informação e Conhecimento

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Multidrug resistance genes, including blaKPC and blaCTX-M-2, among Klebsiella pneumoniae isolated in Recife, Brazil / Genes de multirresistência, incluindo blaKPC e blaCTX-M-2, em Klebsiella pneumoniae isoladas em Recife, Brasil

Cabral, Adriane Borges; Melo, Rita de Cássia de Andrade; Maciel, Maria Amélia Vieira; Lopes, Ana Catarina Souza.
Rev. Soc. Bras. Med. Trop; 45(5): 572-578, Sept.-Oct. 2012. ilus, tab
Artigo Inglês | LILACS | ID: lil-656211

INTRODUÇÃO:

A prevalência de cepas de Klebsiella pneumoniae resistentes a cefalosporinas e carbapenêmicos está aumentando no Brasil, com sérias consequências em termos de desfechos dos pacientes e cuidados gerais.

MÉTODOS:

Este estudo caracterizou 24 isolados clínicos de K. pneumoniae provenientes de dois hospitais de Recife, Brasil, através do perfil de susceptibilidade a antimicrobianos, análise de genes de β-lactamase (blaTEM,blaSHV,blaCTX-MblaKPC,blaVIM, blaIMP,and blaSPM), perfil plasmidial e ERIC-PCR (Enterobacterial repetitive intergenic consensus-polymerase chain reaction).

RESULTADOS:

A análise da ERIC-PCR e do perfil plasmidial agrupou os isolados em 17 e 19 perfis, respectivamente. Seis isolados de um hospital apresentaram o mesmo padrão de ERIC-PCR, indicando disseminação clonal. Todos os isolados apresentaram blaSHV, 62,5% apresentaram blaCTX-M-2, 29% blaTEM e 41,7% blaKPC. Genes de metalo-β-lactamase blaVIM, blaIMP e blaSPM não foram detectados. Onze isolados foram identificados carreando, pelo menos, três dos genes de β-lactamase estudados, dentre estes, dois isolados continham blaSHV,blaTEM, blaCTX-M-2 e blaKPC simultaneamente.

CONCLUSÕES:

O acúmulo de genes de resistência em algumas cepas, observado nesse estudo, impõem limitações nas opções terapêuticas disponíveis para o tratamento de infecções causadas por K. pneumoniae em Recife, Brasil. Estes resultados devem alertar as autoridades médicas brasileiras para estabelecer rigorosos métodos para controlar eficientemente a disseminação de genes de resistência a antimicrobianos no ambiente hospitalar.
Biblioteca responsável: BR1.1
Selo DaSilva