Your browser doesn't support javascript.

Secretaria de Estado da Saúde - BVS

Rede de Informação e Conhecimento

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Padronização e implantação do teste de susceptibilidade aos fármacos de 2° linha para Mycobacterium tuberculosis: panorama da tuberculose extensivamente resistente no estado de São Paulo / Standardization and implantation of the susceptibility test for the drugs of 2nd line for Mycobacterium tuberculosis: panorama of the tuberculosis extensively resistant in the state of São Paulo

Gallo, Juliana Failde.
São Paulo; s.n; 2017. 129 p. mapas, graf, tab.
Tese Português | SES SP - Centro de Documentação/CCD | ID: ses-36050

Resumo

A resistência do Mycobacterium tuberculosis aos fármacos de 1º e 2ªlinha utilizados no tratamento da tuberculose (TB) é um problema de saúde pública. Em 2015, a Organização Mundial da Saúde estimou que 9,5% de todos os casos mundiais de TB multirresistente eram de TB extensivamente resistente (TBXDR). Este estudo teve como objetivo, padronizar o teste de susceptibilidade aos fármacos de 2ª linha pelo método BD BACTEC™MGIT™ 960 e descrever o panorama da TBXDR no estado de São Paulo nos anos de 2006 e 2011-2013. Dados clínicos, epidemiológicos e demográficos foram obtidos do sistema de notificação e acompanhamento de TB e os dados laboratoriais do Sistema de Informação e Gestão Hospitalar do Instituto Adolfo Lutz. Análises estatísticas foram realizadas com o auxílio do programa SPSS. O método BD BACTEC™ MGIT™ 960 demonstrou 100% de reprodutibilidade e foi validado por ensaio de proficiência. A prevalência de TBXDR em 2006, 2011, 2012 e 2013 foi de4,4%, 9,3%, 12% e 13,7% respectivamente. A ofloxacina foi o fármaco de 2ªlinha com maior porcentagem de resistência. Quanto aos fatores associados à TBXDR, a variável sexo, história anterior de TB, tipo de notificação e desfecho apresentaram diferenças estatisticamente significantes. A caracterização molecular demonstrou que 24 (63,1%) isolados de pacientes com TBXDR foram agrupados em nove grupos genéticos por RFLP-IS6110,e relações epidemiológicas foram observadas para onze pacientes (28,9%).Por meio da técnica de Spoligotyping foram observadas as famílias: Haarlem, T, LAM e X. O estudo possibilitou uma melhor compreensão do cenário da TBXDR no estado de São Paulo(AU).
Biblioteca responsável: BR91.2
Localização: BR92.1; W4, G172p
Selo DaSilva