Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Gender differences and psychotropic polypharmacy in psychiatric patients in Brazil: a cross-sectional analysis of the PESSOAS Project / Diferenças de gênero e polifarmácia psicotrópica em pacientes psiquiátricos no Brasil: uma análise transversal do Projeto PESSOAS / Diferencias de género y polifarmacia psicotrópica en pacientes psiquiátricos en Brasil: un análisis transversal del Proyecto PESSOAS

Costa, Juliana de Oliveira; Ceccato, Maria das Graças Braga; Melo, Ana Paula Souto; Acurcio, Francisco de Assis; Guimarães, Mark Drew Crosland.
Cad Saude Publica; 33(4): e00168915, 2017. tab
Artigo em Inglês | LILACS | ID: biblio-839685
Resumo: Os autores tiveram como objetivo estimar a prevalência da polifarmácia psicotrópica e fatores associados entre pacientes psiquiátricos brasileiros, segundo o gênero. Foram obtidos dados sociodemográficos, comportamentais e clínicos por meio de entrevistas presenciais e prontuários médicos de 2.475 pacientes. A polifarmácia psicotrópica foi definida como o uso de dois ou mais medicamentos psicotrópicos, e foi constatada em 85,7% dos homens (IC95%: 83,6%-87,6%) e 84,9% das mulheres (IC95%: 82,8%-86, 8%; p > 0,05). A média de medicamentos psicotrópicos por paciente foi 2,98 ± 1,23, e as combinações mais comuns incluíam os antipsicóticos. A análise multivariada mostrou que, para ambos os gêneros, internação hospitalar prévia, doença psiquiátrica grave, múltiplos diagnósticos psiquiátricos e número insuficiente de profissionais na unidade de saúde foram associados à polifarmácia psicotrópica. Entretanto, fatores como cuidados hospitalares, uso de drogas não-psicotrópicas, condições de vida instáveis e tabagismo atual variaram de acordo com o gênero. A polifarmácia psicotrópica foi uma prática comum nessa amostra nacional. Os resultados evidenciam a necessidade de diretrizes nacionais para o manejo de pacientes com transtornos mentais, considerando a diferença entre gêneros e a gravidade da doença, para reduzir a carga da polifarmácia nessa população de pacientes.
Biblioteca responsável: BR1.1