Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
XML
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Cuidado em saúde e transfobia: percepções de travestis e transexuais de duas regiões do Rio de Janeiro: Maré e Cidade de Deus, sobre os serviços de saúde / Health care and transphobia: perceptions of transvestites and transsexuals from two regions of Rio de Janeiro: Maré and Cidade de Deus, on health services

Soares, Luciano Silveira.
Rio de Janeiro; s.n; 2018. 100 p.
Tese em Português | ENSP, FIOCRUZ | ID: ens-36629
O presente estudo é uma pesquisa qualitativa que analisa as percepções de travestis e transexuais residentes nas comunidades do Complexo de favelas da Maré e da Cidade de Deus sobre os serviços de saúde utilizados. Foram realizados grupos focais nas duas regiões com 19 participantes. Posteriormente foram realizadas mais quatro entrevistas individuais a fim de aprofundar algumas questões relacionadas a possíveis barreiras de acesso aos serviços de saúde, totalizando 23 participantes. As entrevistas foram analisadas a partir da análise temática de Bardin e os principais temas analisados se referem: às vivências de violências e violações de direitos nos serviços de saúde; às especificidades e necessidades em saúde; às sugestões do grupo investigado para serviços mais acessíveis. Foi possível verificar que o acesso de pessoas trans aos serviços de saúde, muitas vezes revela a intolerância e a baixa compreensão que profissionais de saúde possuem sobre as questões relacionadas à identidade de gênero e suas singularidades, comprometendo a integralidade e o cuidado em saúde prestado. A heteronormatividade inscrita nas práticas profissionais, assim como expressões de transfobia, vem contribuindo para múltiplas violências e vulnerabilidades que se sobrepõem a esse grupo. O não reconhecimento das expressões de gênero aliado à violação do direito ao uso do nome social, à falha no sigilo das informações pós-atendimento e à necessidade da psiquiatrização da sua identidade de gênero caracterizaram as principais barreiras de acesso aos serviços de saúde nas duas regiões pesquisadas. Destacam-se as formas resistência criadas por travestis e transexuais para conseguir driblar e lidar com os constantes episódios de violências psicológicas vivenciados nos serviços de saúde.
Biblioteca responsável: BR526.1
Localização: BR526.1; T303.3850867, S676c