Your browser doesn't support javascript.

Portal de Búsqueda de la BVS

Información y Conocimiento para la Salud

Home > Búsqueda > ()
XML
Imprimir Exportar

Formato de exportación:

Exportar

Email
Adicionar mas contactos
| |

A criatividade: um novo paradigma para a psicanálise freudiana

Roussillon, René.
Revista de Psicanálise, Porto Alegre; 27(2): 291-311, agosto 2020.
Artículo en Portugués | Bivipsil | ID: psa-1463
O autor estuda o conceito de criatividade de Winnicott, desenvolvido
em O brincar e a realidade, colocando-o em diálogo especialmente com
o sexual e com a sublimação presentes na metapsicologia de Freud.
Ressalta que, apesar do desenvolvimento de uma metapsicologia e da
habitual concepção de simplicidade não serem a priori a preocupação
de Winnicott, algo que uma primeira leitura de seus trabalhos pode
sugerir, há um rigor em Winnicott que se fundamenta na psicanálise
dita tradicional, embora busque, a partir da experiência clínica, abarcar
fenômenos psíquicos não descritos por ela. Tenta integrar a experiência
da alucinação em Freud, vivida auto-eroticamente na e pela ausência do
objeto, defendendo sua produção como fenômeno psíquico na presença
do objeto como espelhamento, onde o perceptual encontra o alucinatório
e confirma a concepção ilusória do criado-encontrado. Defende que, para
um adequado desenvolvimento deste processo, o objeto deve “sacrificar”
os próprios desejos e estados a partir de seu feminino puro e como um
Meio Maleável (M. Milner), podendo, assim, auxiliar na adequada inscrição
desses momentos informes vividos pelo infans, uma fecunda experiência
de estar só na presença do objeto. A partir de tal processo, poder-se-ia
entender o domínio/domesticação pulsional referido por Freud como um
tomar para si. Em um momento seguinte, com a descoberta do objeto
como outro-sujeito, será necessário que este se deixe usar, podendo ser
“destruído” e sobreviver sem represálias, constituindo, então, um processo
de destruído/perdido/encontrado. Assim, um movimento de jogo (play)
entre infans e objeto deverá estar sempre presente, desde a fase vivida
em processo ilusório, constituindo uma criatividade primária automática,
até a fase conduzida por moções pulsionais subjetivadas no contato com
o objeto outro-sujeito, constituindo uma criatividade voluntária

Asunto(s)

Psicoanálisis

Descriptores locales

Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre; SPPA; Winnicott; Freud; Metapsicologia; Criatividade; Relação de objeto.
Biblioteca responsable: UY113.1