Your browser doesn't support javascript.

Portal de Búsqueda de la BVS

Información y Conocimiento para la Salud

Home > Búsqueda > ()
XML
Imprimir Exportar

Formato de exportación:

Exportar

Email
Adicionar mas contactos
| |

O método de observação de bebês Esther Bick, a psicanálise de crianças e adolecentes: ateliê privilegiado para a psicanálise contemporânea

Dorado de Lisondo, Alicia Beatriz.
Psicanálise, Porto Alegre; 9(2): 321-340, 2007.
Artículo en Portugués | Bivipsil | ID: psa-7857
A psicanálise de crianças e adolescentes e o Método de OB Esther Bick (1962) permitem iluminar as reformulações teóricas e técnicas das novas doenças da alma. Nelas, o denominador comum são as falhas ou a falta de representação. As contribuições mais preciosas são: I) permitir a compreensão da essência do Método Psicanalítico e suas conseqüências na tekné, o que explicita o valor do setting metapsicológico muito além do setting folclórico; II) permitir a compreensão metapsicológica dos EMP (Estados Mentais Primitivos); III) permitiruma nova compreensão da função do analista, muito além da sua função interpretativa; IV) permitir a compreensão das para transferências; V) oferecer novas idéias para a formação de todo analista. M. Klein criauma nova técnica que pressupõe uma nova metapsicologia. Nela: a) oanalista alcança o paciente no nível de estruturação em que ele está; b) o paciente pode ser aquilo que ele é. O analista se debruça criativamente sobre o mundo infantil, em lugar de “puxar” o paciente para que alcance dos pressupostos técnico-teóricostradicionais; c) nas entrelinhas, admite-se que haja uma gênese na construção da subjetividade; d) às vezes, a mente precisa ser construída; e) a conquista da linguagem é critério de término de uma análise, e não critério de analisabilidade.(AU)
Biblioteca responsable: BR1712.1
Ubicación: BR1712.1