Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 18 de 18
Filtrar
Mais filtros








Intervalo de ano de publicação
1.
Arq. bras. med. vet. zootec. (Online) ; 72(5): 1666-1674, Sept.-Oct. 2020. tab, ilus
Artigo em Português | LILACS, VETINDEX | ID: biblio-1131549

RESUMO

O objetivo deste estudo foi avaliar as alterações cardiorrespiratórias causadas pela medetomidina associada à cetamina, e o tempo de recuperação após aplicação intramuscular de atipamezole ou ioimbina em Puma concolor. Para isso, foi realizada a aplicação de medetomidina (100µg/kg) associada à cetamina (5mg/kg) em 11 onças-pardas, sendo os parâmetros cardiorrespiratórios registrados a cada 15 minutos, durante 90 minutos de avaliação. Em seguida, a anestesia foi revertida com aplicação intramuscular de ioimbina (0,4mg/kg; n=5) ou atipamezole (0,25mg/kg; n=6), sendo analisado o tempo até a recuperação. Dos parâmetros cardiorrespiratórios avaliados, houve diferença apenas na frequência respiratória (entre os momentos 60 e 90 minutos), estando esta, todavia, dentro do intervalo de referência para a espécie. Além disso, verificou-se tempo para decúbito esternal significativamente menor nos animais do grupo atipamezole (18±7 minutos), quando comparado ao grupo ioimbina (36±17 minutos), entretanto o tempo de recuperação completa foi estatisticamente igual entre os dois reversores analisados. Assim, a associação anestésica promoveu anestesia eficiente, segura e de rápida indução em onças-pardas, permitindo a imobilização dos animais durante os 90 minutos de avaliação, sem a ocorrência de complicações. Ao se comparar a reversão anestésica com atipamezole e ioimbina, observou-se equivalência dos fármacos no tempo de recuperação completa dos animais.(AU)


The aim of this study was to evaluate the cardiorespiratory changes caused by ketamine-associated medetomidine, and the recovery time after intramuscular application of atipamezole or yohimbine in Puma concolor. For this, the application of medetomidine (100µg/kg) associated with ketamine (5mg/kg) was performed in eleven brown ounces, and the cardiorespiratory parameters were recorded every 15 minutes during 90 minutes of evaluation. Afterwards, anesthesia was reversed with intramuscular application of yohimbine (0.4mg/kg; n=5) or atipamezole (0.25mg/kg; n=6), and time to recovery was analyzed. Of the cardiorespiratory parameters evaluated, there was a difference only in respiratory rate (between 60 and 90 minutes), however, within the reference range for the species. In addition, there was a significantly shorter time for sternal decubitus in the animals of the atipamezole group (18±7 minutes) when compared to the yohimbine group (36±17 minutes), however the complete recovery time was statistically equal between the two reversers analyzed. Thus, the anesthetic association promoted efficient, safe and fast induction anesthesia in puma, allowing the animals to be immobilized during the 90 minutes of evaluation without complications. Comparing anesthetic reversal with atipamezole and yohimbine, drug equivalence was observed in the complete recovery time of the animals.(AU)


Assuntos
Animais , Ioimbina/uso terapêutico , Medetomidina/administração & dosagem , Puma/fisiologia , Agonistas de Receptores Adrenérgicos alfa 2/uso terapêutico , Antagonistas de Receptores Adrenérgicos alfa 2/análise , Ketamina/administração & dosagem , Período de Recuperação da Anestesia
2.
Arq. bras. med. vet. zootec. (Online) ; 71(1): 127-136, jan.-fev. 2019. tab
Artigo em Inglês | LILACS, VETINDEX | ID: biblio-989357

RESUMO

The study aimed to determine the continuous rate infusion of tramadol associated with peri- and postoperative analgesia for orthopedic surgeries in dogs, as well as cardiorespiratory and adverse effects. Thirty dogs aged 4.2±1.2 years and weighing 15.1±0.9kg were enrolled in the study, premedicated intramuscularly with acepromazine (0.04mg kg-1) and tramadol (2mg kg-1); anesthesia was induced with propofol and maintained with isoflurane in oxygen. Three infusion rates were compared, comprising three experimental groups: G2: 2.0mg kg-1 h-1; G2.5: 2.5mg kg-1 h-1; and G3: 3.0mg kg-1 h-1. Surgery was initiated 15 minutes following the start of tramadol infusion. During anesthesia, animals were monitored in predefined time points: immediately after tracheal intubation and start of inhalation anesthesia (T0); surgical incision (TSI); final suture (TFS) and end of tramadol infusion (TEI), which was maintained for at least 120 minutes and prolonged according to the duration of surgery. Postoperative analgesia was evaluated through an interval pain scoring scale and the Melbourne pain scale. The mean time of tramadol infusion was greater than 120 minutes in all groups and no differences were found among them (141±27 minutes in G2, 137±27 minutes in G2.5 and 137±30 minutes in G3). Perioperative analgesia was regarded as short and did not correlate with infusion rates. Tramadol infusion provided adequate analgesia with cardiorespiratory stability Analgesia was not dose-dependent, however, and residual postoperative effects were short-lasting, which warrants proper postoperative analgesia following tramadol infusion. Additional studies are required using higher infusion rates and standardized nociceptive stimulation in order to determine how doses influence tramadol analgesia and whe therthereis a limit to its effect in dogs.(AU)


Objetivou-se determinar a infusão de taxa contínua de tramadol associada à analgesia peri e pós-operatória para cirurgias ortopédicas em cães, além de efeitos cardiorrespiratórios e adversos. Foram utilizados 30 cães, com idade média de 4,2±1,2 anos e pesos médios de 15,1±0,9kg, pré-medicados por via intramuscular com acepromazina (0,04mg/kg) e tramadol (2mg/kg). A anestesia foi induzida com propofol e mantida com isoflurano em oxigênio. Foram comparadas três taxas de infusão, compreendendo três grupos experimentais: G2: 2,0mg/kg; G2,5: 2,5mg/kg1; e G3: 3,0mg/kg. A cirurgia começou 15 minutos após o início da infusão de tramadol. Durante a anestesia, os animais foram monitorados nos seguintes momentos: imediatamente após a intubação traqueal e o início da anestesia inalatória (T0); incisão cirúrgica (TSI); final de sutura (TFS) e final da infusão de tramadol (TEI), que foi mantida por, pelo menos, 120 minutos e prolongada de acordo com a duração da cirurgia. A analgesia pós-operatória foi avaliada por escalas de pontuação de dor, conforme a escala intervalar de avaliação de dor e a escala de contagem variável de avaliação de dor da Universidade de Melbourne, a cada uma hora. O tempo médio de infusão de tramadol foi maior que 120 minutos em todos os grupos, e não foram encontradas diferenças entre elas (141±27 minutos em G2, 137±27 minutos em G2,5 e 137±30 minutos em G3). A analgesia perioperatória foi adequada na maioria dos indivíduos e a pós-operatória foi considerada curta, não correlacionada àquelas com diferentes taxas de infusão. A infusão de tramadol nas taxas estudadas produziu analgesia adequada com estabilidade cardiorrespiratória. A analgesia não foi dose dependente, no entanto os efeitos residuais pós-operatórios foram considerados curtos, o que determina a necessidade de analgesia adequada após infusão contínua de tramadol. Estudos adicionais que utilizam taxas mais elevadas de infusão de tramadol e estimulação nociceptiva padrão são necessários para determinar em que medida as doses influenciam a analgesia de tramadol e se há um limite nos seus efeitos nos cães.(AU)


Assuntos
Animais , Cães , Tramadol/análise , Cães/cirurgia , Anestesia Geral/estatística & dados numéricos
3.
Arq. bras. med. vet. zootec. (Online) ; 71(1): 127-136, jan.-fev. 2019. tab
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: vti-21347

RESUMO

The study aimed to determine the continuous rate infusion of tramadol associated with peri- and postoperative analgesia for orthopedic surgeries in dogs, as well as cardiorespiratory and adverse effects. Thirty dogs aged 4.2±1.2 years and weighing 15.1±0.9kg were enrolled in the study, premedicated intramuscularly with acepromazine (0.04mg kg-1) and tramadol (2mg kg-1); anesthesia was induced with propofol and maintained with isoflurane in oxygen. Three infusion rates were compared, comprising three experimental groups: G2: 2.0mg kg-1 h-1; G2.5: 2.5mg kg-1 h-1; and G3: 3.0mg kg-1 h-1. Surgery was initiated 15 minutes following the start of tramadol infusion. During anesthesia, animals were monitored in predefined time points: immediately after tracheal intubation and start of inhalation anesthesia (T0); surgical incision (TSI); final suture (TFS) and end of tramadol infusion (TEI), which was maintained for at least 120 minutes and prolonged according to the duration of surgery. Postoperative analgesia was evaluated through an interval pain scoring scale and the Melbourne pain scale. The mean time of tramadol infusion was greater than 120 minutes in all groups and no differences were found among them (141±27 minutes in G2, 137±27 minutes in G2.5 and 137±30 minutes in G3). Perioperative analgesia was regarded as short and did not correlate with infusion rates. Tramadol infusion provided adequate analgesia with cardiorespiratory stability Analgesia was not dose-dependent, however, and residual postoperative effects were short-lasting, which warrants proper postoperative analgesia following tramadol infusion. Additional studies are required using higher infusion rates and standardized nociceptive stimulation in order to determine how doses influence tramadol analgesia and whe therthereis a limit to its effect in dogs.(AU)


Objetivou-se determinar a infusão de taxa contínua de tramadol associada à analgesia peri e pós-operatória para cirurgias ortopédicas em cães, além de efeitos cardiorrespiratórios e adversos. Foram utilizados 30 cães, com idade média de 4,2±1,2 anos e pesos médios de 15,1±0,9kg, pré-medicados por via intramuscular com acepromazina (0,04mg/kg) e tramadol (2mg/kg). A anestesia foi induzida com propofol e mantida com isoflurano em oxigênio. Foram comparadas três taxas de infusão, compreendendo três grupos experimentais: G2: 2,0mg/kg; G2,5: 2,5mg/kg1; e G3: 3,0mg/kg. A cirurgia começou 15 minutos após o início da infusão de tramadol. Durante a anestesia, os animais foram monitorados nos seguintes momentos: imediatamente após a intubação traqueal e o início da anestesia inalatória (T0); incisão cirúrgica (TSI); final de sutura (TFS) e final da infusão de tramadol (TEI), que foi mantida por, pelo menos, 120 minutos e prolongada de acordo com a duração da cirurgia. A analgesia pós-operatória foi avaliada por escalas de pontuação de dor, conforme a escala intervalar de avaliação de dor e a escala de contagem variável de avaliação de dor da Universidade de Melbourne, a cada uma hora. O tempo médio de infusão de tramadol foi maior que 120 minutos em todos os grupos, e não foram encontradas diferenças entre elas (141±27 minutos em G2, 137±27 minutos em G2,5 e 137±30 minutos em G3). A analgesia perioperatória foi adequada na maioria dos indivíduos e a pós-operatória foi considerada curta, não correlacionada àquelas com diferentes taxas de infusão. A infusão de tramadol nas taxas estudadas produziu analgesia adequada com estabilidade cardiorrespiratória. A analgesia não foi dose dependente, no entanto os efeitos residuais pós-operatórios foram considerados curtos, o que determina a necessidade de analgesia adequada após infusão contínua de tramadol. Estudos adicionais que utilizam taxas mais elevadas de infusão de tramadol e estimulação nociceptiva padrão são necessários para determinar em que medida as doses influenciam a analgesia de tramadol e se há um limite nos seus efeitos nos cães.(AU)


Assuntos
Animais , Cães , Tramadol/análise , Cães/cirurgia , Anestesia Geral/estatística & dados numéricos
4.
Arq. bras. med. vet. zootec. (Online) ; 70(2): 479-485, mar.-abr. 2018. ilus, tab
Artigo em Português | VETINDEX | ID: vti-19177

RESUMO

Objetivou-se relatar a utilização do neurolocalizador para bloqueio do plexo braquial bilateral em tamanduá-mirim (Tamandua tetradactyla). O animal, pesando 5kg, atendido pelo Centro de Reabilitação de Animais Silvestres, foi encaminhado ao Hospital Veterinário da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul para realização de exames complementares, sendo, posteriormente, encaminhado para cirurgia de osteossíntese de úmero e rádio/ulna esquerdo e colocação de fio de cerclagem em olécrano direito. O paciente foi pré-medicado com cetamina S (5mg/kg) + midazolam (0,15mg/kg), indução anestésica com propofol (5mg/kg) e manutenção anestésica com isoflurano, com o auxílio de máscara. Os parâmetros cardiovasculares e respiratórios foram monitorados durante todo o procedimento. Realizou-se o bloqueio do plexo braquial em ambos os membros utilizando-se estimulador de nervos periféricos. Os anestésicos locais empregados foram lidocaína 2% sem vasoconstritor (3mg/kg) + ropivacaína 0,75% sem vasoconstritor (1mg/kg). O bloqueio foi realizado primeiramente no membro torácico direito, e, após realização do procedimento cirúrgico, o mesmo bloqueio foi realizado no membro contralateral. O paciente teve recuperação tranquila ausente de vocalização e expressão álgica, e a soltura ocorreu após 120 dias.(AU)


The aim of this study was to report the use of the neurolocalizer for blocking the bilateral brachial plexus in tamanduá-mirin. The subject weighing 5kg was attended by the Center for the Rehabilitation of Wild Animals and referred to the Veterinary Hospital of the Federal University of Mato Grosso do Sul for complementary tests. Through the examinations, the need to perform humerus and left radius/ulna osteosynthesis and cerclagem placement on right olecranon was established. For surgery performance, the patient was pre-medicated with ketamine S (5mg/kg-1) associated to midazolam (0.15mg/kg-1) via intramuscular and intravenous propofol (5mg/kg-1) was used for induction. The anesthetic maintenance was performed with isoflurane, provided by an oxygen mask. Cardiovascular and respiratory parameters were monitored throughout the procedure. Brachial plexus block was performed in both limbs using peripheral nerve stimulator. The local anesthetics used were lidocaine without vasoconstrictor (3mg/kg-1) plus 0.75% ropivacaine without vasoconstrictor (1mg/kg-1). Blocking was first performed on the right thoracic limb followed by the surgical procedure. The same blockage was performed on the contralateral limb. The patient had a smooth recovery, without vocalization and pain. The release to its natural habitat occurred after 120 days.(AU)


Assuntos
Animais , Xenarthra/anormalidades , Xenarthra/anatomia & histologia , Nervos Periféricos , Bloqueio Nervoso
5.
Arq. bras. med. vet. zootec. (Online) ; 70(2): 479-485, mar.-abr. 2018. ilus, tab
Artigo em Português | LILACS, VETINDEX | ID: biblio-910564

RESUMO

Objetivou-se relatar a utilização do neurolocalizador para bloqueio do plexo braquial bilateral em tamanduá-mirim (Tamandua tetradactyla). O animal, pesando 5kg, atendido pelo Centro de Reabilitação de Animais Silvestres, foi encaminhado ao Hospital Veterinário da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul para realização de exames complementares, sendo, posteriormente, encaminhado para cirurgia de osteossíntese de úmero e rádio/ulna esquerdo e colocação de fio de cerclagem em olécrano direito. O paciente foi pré-medicado com cetamina S (5mg/kg) + midazolam (0,15mg/kg), indução anestésica com propofol (5mg/kg) e manutenção anestésica com isoflurano, com o auxílio de máscara. Os parâmetros cardiovasculares e respiratórios foram monitorados durante todo o procedimento. Realizou-se o bloqueio do plexo braquial em ambos os membros utilizando-se estimulador de nervos periféricos. Os anestésicos locais empregados foram lidocaína 2% sem vasoconstritor (3mg/kg) + ropivacaína 0,75% sem vasoconstritor (1mg/kg). O bloqueio foi realizado primeiramente no membro torácico direito, e, após realização do procedimento cirúrgico, o mesmo bloqueio foi realizado no membro contralateral. O paciente teve recuperação tranquila ausente de vocalização e expressão álgica, e a soltura ocorreu após 120 dias.(AU)


The aim of this study was to report the use of the neurolocalizer for blocking the bilateral brachial plexus in tamanduá-mirin. The subject weighing 5kg was attended by the Center for the Rehabilitation of Wild Animals and referred to the Veterinary Hospital of the Federal University of Mato Grosso do Sul for complementary tests. Through the examinations, the need to perform humerus and left radius/ulna osteosynthesis and cerclagem placement on right olecranon was established. For surgery performance, the patient was pre-medicated with ketamine S (5mg/kg-1) associated to midazolam (0.15mg/kg-1) via intramuscular and intravenous propofol (5mg/kg-1) was used for induction. The anesthetic maintenance was performed with isoflurane, provided by an oxygen mask. Cardiovascular and respiratory parameters were monitored throughout the procedure. Brachial plexus block was performed in both limbs using peripheral nerve stimulator. The local anesthetics used were lidocaine without vasoconstrictor (3mg/kg-1) plus 0.75% ropivacaine without vasoconstrictor (1mg/kg-1). Blocking was first performed on the right thoracic limb followed by the surgical procedure. The same blockage was performed on the contralateral limb. The patient had a smooth recovery, without vocalization and pain. The release to its natural habitat occurred after 120 days.(AU)


Assuntos
Animais , Xenarthra/anormalidades , Xenarthra/anatomia & histologia , Bloqueio Nervoso , Nervos Periféricos
6.
Arq. bras. med. vet. zootec ; 68(6): 1613-1620, nov.-dez. 2016. tab, ilus
Artigo em Português | LILACS, VETINDEX | ID: biblio-827943

RESUMO

O objetivo deste trabalho foi descrever os achados eletrocardiográficos de 11 onças- pardas (Puma concolor). Os animais foram sedados com 0,15mg/kg de detomidina associado a 5mg/kg de cetamina e mantidos anestesiados com sevoflurano (GSEVO, n=6) ou isoflurano (GISO, n=5). A frequência cardíaca foi de 95 ± 13bpm. As alterações observadas nos animais no GSEVO foram: atrial standtill com condução ventricular, episódios isolados de contração ventricular prematura, bloqueio atrioventricular de primeiro grau, diminuição da amplitude do complexo QRS, onda S profunda e aumento da amplitude da onda T. No grupo GISO, observou-se bloqueio de ramo direito do feixe de His, bloqueio atrioventricular de primeiro grau e aumento da amplitude da onda T. Arritmias não puderam ser associadas ao uso dos anestésicos inalatórios devido à não sensibilização do miocárdio às catecolaminas. Achados como o BAV de primeiro grau pode ter ocorrido devido ao uso de agonistas alfa-2 adrenérgicos. Este estudo aumentou o conhecimento sobre as alterações eletrocardiográficas em onças-pardas anestesiadas, entretanto mais estudos são necessários para correlacionar estes achados ao uso de agentes anestésicos.(AU)


The aim of this study was to describe electrocardiographic findings in pumas (Puma concolor). The animals were sedated with 0.15mg/kg of detomidine plus 5mg/kg of ketamine and anesthetized with sevoflurane (GSEVO, n=6), or isoflurane (GISO, n=5). The heart rate was 95 ± 13bpm. The changes observed on GSEVO animals were: atrial standstill with ventricular conduction, isolated episodes of ventricular premature contraction, atrioventricular blockage of first degree, reduction of the amplitude of the QRS complexes, deep S wave, and increase of the amplitude of the T wave. In the GISO group a right bundle branch block of the His bundle, atrioventricular blockage of first degree and of the amplitude of the T wave. Arrhythmias couldn´t be related to the use of inhalant anesthesia due to the lack of myocardial awareness to catecholamines. Findings such as atrioventricular block in first degree may have occurred due to the use of alfa-2 adrenergic agonists. This study improved the knowledge about electrocardiographic alterations in anesthetized pumas, however further studies are required to correlate these findings to the use of anesthetic agents.(AU)


Assuntos
Animais , Anestesia por Inalação/veterinária , Eletrocardiografia , Frequência Cardíaca/efeitos dos fármacos , Puma , Anestesia Geral/veterinária , Isoflurano
7.
Arq. bras. med. vet. zootec. (Online) ; 68(6): 1613-1620, nov.-dez. 2016. tab, ilus
Artigo em Português | VETINDEX | ID: vti-17246

RESUMO

O objetivo deste trabalho foi descrever os achados eletrocardiográficos de 11 onças- pardas (Puma concolor). Os animais foram sedados com 0,15mg/kg de detomidina associado a 5mg/kg de cetamina e mantidos anestesiados com sevoflurano (GSEVO, n=6) ou isoflurano (GISO, n=5). A frequência cardíaca foi de 95 ± 13bpm. As alterações observadas nos animais no GSEVO foram: atrial standtill com condução ventricular, episódios isolados de contração ventricular prematura, bloqueio atrioventricular de primeiro grau, diminuição da amplitude do complexo QRS, onda S profunda e aumento da amplitude da onda T. No grupo GISO, observou-se bloqueio de ramo direito do feixe de His, bloqueio atrioventricular de primeiro grau e aumento da amplitude da onda T. Arritmias não puderam ser associadas ao uso dos anestésicos inalatórios devido à não sensibilização do miocárdio às catecolaminas. Achados como o BAV de primeiro grau pode ter ocorrido devido ao uso de agonistas alfa-2 adrenérgicos. Este estudo aumentou o conhecimento sobre as alterações eletrocardiográficas em onças-pardas anestesiadas, entretanto mais estudos são necessários para correlacionar estes achados ao uso de agentes anestésicos.(AU)


The aim of this study was to describe electrocardiographic findings in pumas (Puma concolor). The animals were sedated with 0.15mg/kg of detomidine plus 5mg/kg of ketamine and anesthetized with sevoflurane (GSEVO, n=6), or isoflurane (GISO, n=5). The heart rate was 95 ± 13bpm. The changes observed on GSEVO animals were: atrial standstill with ventricular conduction, isolated episodes of ventricular premature contraction, atrioventricular blockage of first degree, reduction of the amplitude of the QRS complexes, deep S wave, and increase of the amplitude of the T wave. In the GISO group a right bundle branch block of the His bundle, atrioventricular blockage of first degree and of the amplitude of the T wave. Arrhythmias couldn´t be related to the use of inhalant anesthesia due to the lack of myocardial awareness to catecholamines. Findings such as atrioventricular block in first degree may have occurred due to the use of alfa-2 adrenergic agonists. This study improved the knowledge about electrocardiographic alterations in anesthetized pumas, however further studies are required to correlate these findings to the use of anesthetic agents.(AU)


Assuntos
Animais , Eletrocardiografia , Puma , Anestesia por Inalação/veterinária , Frequência Cardíaca , Anestesia Geral/veterinária , Isoflurano
8.
Arq. bras. med. vet. zootec ; 67(4): 951-960, July-Aug. 2015. tab
Artigo em Inglês | LILACS | ID: lil-759224

RESUMO

The aim of this study was to assess the cardiopulmonary, analgesic, adverse effects, serum concentration of cortisol and plasma levels of levobupivacaine and morphine in bitches undergoing propofol anesthesia and epidural analgesia with levobupivacaine alone or combined with morphine. This was a randomized 'blinded' prospective clinical study using 32 adult bitches weighing 9.8±4.1kg that were admitted for elective ovariohysterectomy. Twenty minutes after administration of acepromazine and midazolam, anesthesia was induced with propofol (4mg kg-1) and maintained by a continuous rate infusion (CRI). Each animal was randomly assigned to one of four epidural groups: GL = levobupivacaine alone (0.33mg kg-1); GLM0.1 = levobupivacaine and morphine (0.1mg kg-1); GLM0.15 = levobupivacaine and morphine (0.15mg kg-1); and GLM0.2 = levobupivacaine and morphine (0.2mg kg-1)...


Objetivou-se avaliar os efeitos cardiovasculares, analgésico, adversos, a concentração sérica de cortisol e os níveis plasmáticos de levobupivacaína e morfina em cadelas submetidas à infusão contínua de propofol e analgesia peridural com levobupivacaína isolada ou associada à morfina. Para tanto, realizou-se um estudo clínico prospectivo randomizado com 32 cadelas adultas pesando 9,8 ± 4,1kg, que foram submetidas à ovário-histerectomia eletiva. Vinte minutos após a administração de acepromazina e midazolam, os animais foram induzidos com propofol (4mg/kg) e mantidos por uma infusão contínua (CRI) do mesmo fármaco. Cada animal foi alocado aleatoriamente em um dos quatro grupos: GL = levobupivacaína isolada (0,33mg/kg); GLM0,1 = levobupivacaína + morfina (0,1mg/kg); GLM0,15 = levobupivacaína + morfina (0,15mg/kg) e GLM0,2 = levobupivacaína + morfina (0,2mg/kg)...


Assuntos
Animais , Cães , Anestesia Epidural/efeitos adversos , Anestesia Epidural/veterinária , Hidrocortisona/efeitos adversos , Morfina/efeitos adversos , Propofol/administração & dosagem , Propofol/análise , Anestésicos Locais , Analgésicos Opioides/análise , Analgésicos Opioides/efeitos adversos , Ovariectomia/veterinária
9.
Arq. bras. med. vet. zootec. (Online) ; 67(4): 951-960, July-Aug. 2015. tab
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: vti-324254

RESUMO

The aim of this study was to assess the cardiopulmonary, analgesic, adverse effects, serum concentration of cortisol and plasma levels of levobupivacaine and morphine in bitches undergoing propofol anesthesia and epidural analgesia with levobupivacaine alone or combined with morphine. This was a randomized 'blinded' prospective clinical study using 32 adult bitches weighing 9.8±4.1kg that were admitted for elective ovariohysterectomy. Twenty minutes after administration of acepromazine and midazolam, anesthesia was induced with propofol (4mg kg-1) and maintained by a continuous rate infusion (CRI). Each animal was randomly assigned to one of four epidural groups: GL = levobupivacaine alone (0.33mg kg-1); GLM0.1 = levobupivacaine and morphine (0.1mg kg-1); GLM0.15 = levobupivacaine and morphine (0.15mg kg-1); and GLM0.2 = levobupivacaine and morphine (0.2mg kg-1). Variables obtained during anesthesia were heart rate, respiratory rate, systolic, mean and diastolic arterial blood pressures, oxyhemoglobin saturation, inspired oxygen fraction, end-tidal carbon dioxide tension, blood gases, serum cortisol, and plasma levels of levobupivacaine and morphine. The onset and duration times of the blockade were recorded. Arterial pressures were significantly increased in all groups at the times of ovarian pedicle clamping. There was a decrease in pH, together with an increase in both PaO2and PaCO2 over time. Serum cortisol levels were increased in TESu compared to TB, T30 and TR. Limb spasticity, muscle tremors, opisthotonos and diarrhea were observed in some animals during propofol infusion and ceased with the end of CRI. Reactions happened at different moments and lasted for different periods of time in each individual. Epidural with levobupivacaine alone or combined with morphine allowed for ovariohysterectomy to be performed under low propofol infusion rates, with minimal changes in cardiovascular variables and in serum cortisol levels. Adverse effects were observed in very few animals in each group.(AU)


Objetivou-se avaliar os efeitos cardiovasculares, analgésico, adversos, a concentração sérica de cortisol e os níveis plasmáticos de levobupivacaína e morfina em cadelas submetidas à infusão contínua de propofol e analgesia peridural com levobupivacaína isolada ou associada à morfina. Para tanto, realizou-se um estudo clínico prospectivo randomizado com 32 cadelas adultas pesando 9,8 ± 4,1kg, que foram submetidas à ovário-histerectomia eletiva. Vinte minutos após a administração de acepromazina e midazolam, os animais foram induzidos com propofol (4mg/kg) e mantidos por uma infusão contínua (CRI) do mesmo fármaco. Cada animal foi alocado aleatoriamente em um dos quatro grupos: GL = levobupivacaína isolada (0,33mg/kg); GLM0,1 = levobupivacaína + morfina (0,1mg/kg); GLM0,15 = levobupivacaína + morfina (0,15mg/kg) e GLM0,2 = levobupivacaína + morfina (0,2mg/kg). As variáveis obtidas durante a anestesia foram FC, f, PAS, PAM e PAD, SaO2, FiO2, EtCO2, gases sanguíneos, cortisol sérico e os níveis plasmáticos de levobupivacaína e morfina. Foram analisados, ainda, os períodos de latência e a duração dos bloqueios. As pressões arteriais aumentaram significativamente em todos os grupos nos momentos de ligadura dos pedículos ovarianos. Houve uma diminuição do pH, em conjunto com um aumento da PaO2 e da PaCO2 ao longo do tempo. Os níveis séricos de cortisol aumentaram. Espasticidade de membros, tremores musculares, opistótono e diarreia foram observados em alguns animais. Tais reações aconteceram em diferentes momentos e duraram diferentes períodos de tempo em cada indivíduo. A anestesia peridural com levobupivacaína isolada ou associada à morfina permitiu ovário-histerectomia em cadelas sob infusão de propofol, com mínimas alterações nas variáveis cardiovasculares e nos níveis de cortisol sérico e com baixo índice de efeitos adversos.(AU)


Assuntos
Animais , Cães , Morfina/efeitos adversos , Hidrocortisona/efeitos adversos , Propofol/administração & dosagem , Propofol/análise , Anestesia Epidural/efeitos adversos , Anestesia Epidural/veterinária , Ovariectomia/veterinária , Analgésicos Opioides/efeitos adversos , Analgésicos Opioides/análise , Anestésicos Locais
10.
Arq. bras. med. vet. zootec ; 65(4): 1024-1032, Aug. 2013. graf
Artigo em Inglês | LILACS | ID: lil-684457

RESUMO

Subarachnoid infusion of most contrast mediums and the steps involved in performing a cervical myelography have adverse affects that can discourage its use in the radiographic diagnosis of spinal cord diseases. Thus, the cardiovascular and respiratory alterations associated with neck flexion, subarachnoid puncture, and cerebrospinal fluid drainage during subarachnoid infusion of ioversol (320mgI/mL) in dogs under general anesthesia using isoflurane were evaluated. The dogs received subarachnoid infusion of autologous cerebrospinal fluid kept at 38°C - control group (GC); ioversol 0.3mL/kg at 25°C (GI25) and ioversol 0.3mL/kg heated to 38°C (GI38). Each dog had its heart rate (HR), systolic arterial pressure (SAP), diastolic arterial pressure (DAP), respiratory rate (RR), oxyhemoglobin saturation (SaO2) and electrocardiography readings (PR and QT intervals) recorded. Group comparisons showed no statistical difference regarding neck positioning, subarachnoid puncture, and subarachnoid infusion of contrast medium on HR, RR and SaO2, cardiac rhythm or conduction. However, isoflurane significantly increased PR and QT intervals. Based on these findings, it is concluded that the steps involved in cervical myelography and the use of ioversol 320mgI/mL at 0.3mL/kg (25ºC and 38ºC) during cervical myelography did not result in relevant cardiovascular and respiratory alterations, except for an elevation in arterial pressure after injection of ioversol.


Os efeitos adversos provocados pela infusão subaracnoidea de meios de contraste e da mielografia cervical podem desencorajar sua aplicação como alternativa para o diagnóstico radiológico de doenças da medula espinhal. Assim, avaliaram-se os efeitos cardiovascular e respiratório dos procedimentos técnicos necessários à mielografia cervical e da infusão subaracnoidea do ioversol - 320mgI/mL - em cães anestesiados com isofluorano. Foi realizada infusão do líquido cefalorraquidiano autólogo mantido a 38°C - grupo-controle (GC); infusão do ioversol 0,3mL/kg a 25°C (GI25); e infusão do ioversol 0,3mL/kg aquecido a 38°C (GI38). Estudaram-se: pressões arteriais sistólica (PAS) e diastólica (PAD), frequências cardíaca (FC) e respiratória (FR), saturação de oxi-hemoglobina (SaO2) e medidas eletrocardiográficas (intervalos PR e QT). Não houve influência significativa do posicionamento, da punção ou da infusão subaracnoidea do ioversol sobre FC, FR, SaO2, ritmo e condução cardíaca, entretanto o isofluorano aumentou significativamente os intervalos PR e QT. Concluiu-se que a mielografia cervical com ioversol 320mgI/mL, nas temperaturas de 25ºC e 38ºC e na dose de 0,3mL/kg, não causa arritmias cardíacas nem alterações cardiovasculares e respiratórias relevantes, exceto elevação da pressão arterial após a injeção do contraste.


Assuntos
Animais , Cães , Arritmias Cardíacas/complicações , Mielografia , Pressão Arterial/fisiologia , Cães/classificação
11.
Arq. bras. med. vet. zootec ; 65(4): 1024-1032, Aug. 2013. graf
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: vti-9789

RESUMO

Subarachnoid infusion of most contrast mediums and the steps involved in performing a cervical myelography have adverse affects that can discourage its use in the radiographic diagnosis of spinal cord diseases. Thus, the cardiovascular and respiratory alterations associated with neck flexion, subarachnoid puncture, and cerebrospinal fluid drainage during subarachnoid infusion of ioversol (320mgI/mL) in dogs under general anesthesia using isoflurane were evaluated. The dogs received subarachnoid infusion of autologous cerebrospinal fluid kept at 38°C - control group (GC); ioversol 0.3mL/kg at 25°C (GI25) and ioversol 0.3mL/kg heated to 38°C (GI38). Each dog had its heart rate (HR), systolic arterial pressure (SAP), diastolic arterial pressure (DAP), respiratory rate (RR), oxyhemoglobin saturation (SaO2) and electrocardiography readings (PR and QT intervals) recorded. Group comparisons showed no statistical difference regarding neck positioning, subarachnoid puncture, and subarachnoid infusion of contrast medium on HR, RR and SaO2, cardiac rhythm or conduction. However, isoflurane significantly increased PR and QT intervals. Based on these findings, it is concluded that the steps involved in cervical myelography and the use of ioversol 320mgI/mL at 0.3mL/kg (25ºC and 38ºC) during cervical myelography did not result in relevant cardiovascular and respiratory alterations, except for an elevation in arterial pressure after injection of ioversol.(AU)


Os efeitos adversos provocados pela infusão subaracnoidea de meios de contraste e da mielografia cervical podem desencorajar sua aplicação como alternativa para o diagnóstico radiológico de doenças da medula espinhal. Assim, avaliaram-se os efeitos cardiovascular e respiratório dos procedimentos técnicos necessários à mielografia cervical e da infusão subaracnoidea do ioversol - 320mgI/mL - em cães anestesiados com isofluorano. Foi realizada infusão do líquido cefalorraquidiano autólogo mantido a 38°C - grupo-controle (GC); infusão do ioversol 0,3mL/kg a 25°C (GI25); e infusão do ioversol 0,3mL/kg aquecido a 38°C (GI38). Estudaram-se: pressões arteriais sistólica (PAS) e diastólica (PAD), frequências cardíaca (FC) e respiratória (FR), saturação de oxi-hemoglobina (SaO2) e medidas eletrocardiográficas (intervalos PR e QT). Não houve influência significativa do posicionamento, da punção ou da infusão subaracnoidea do ioversol sobre FC, FR, SaO2, ritmo e condução cardíaca, entretanto o isofluorano aumentou significativamente os intervalos PR e QT. Concluiu-se que a mielografia cervical com ioversol 320mgI/mL, nas temperaturas de 25ºC e 38ºC e na dose de 0,3mL/kg, não causa arritmias cardíacas nem alterações cardiovasculares e respiratórias relevantes, exceto elevação da pressão arterial após a injeção do contraste.(AU)


Assuntos
Animais , Cães , Arritmias Cardíacas/complicações , Pressão Arterial/fisiologia , Mielografia , Cães/classificação
12.
Vet Comp Orthop Traumatol ; 25(6): 445-52, 2012.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-23111655

RESUMO

OBJECTIVES: To evaluate bone healing in an experimental radial ostectomy in dogs treated with autologous platelet-rich plasma (PRP), through histological, densitometric, radiographic studies, as well as expression of growth factors in the ostectomy gap. METHODS: Twenty-one dogs were randomly divided into either a control or a PRP group. All underwent unilateral ostectomy of the radius to generate a gap of 2.0 mm, that was stabilized with external skeletal fixation. The ostectomy gap was either filled with PRP or left empty as a control. The radiographic and densitometric studies were performed after surgery, then at intervals until 60 days during the post-surgery period. Histological and immunohistochemical evaluations were performed at seven or 60 days post-surgery. Analyses were performed using a statistical analysis system, and the level of significance was set at p <0.05. RESULTS: The median radiographic healing score in the PRP group increased significantly between day 0 and day 60. Furthermore, at 60 days, the median healing score and the proportion of healed ostectomies in the control group (score 1; 1/6 healed) and the PRP group (score 5; 4/5 healed) were significantly different. There were differences between groups in radiographic and densitometric values at days 45 and 60. The histological evaluation showed advanced bone healing at 60 days in the PRP group and signs of delayed union in the control group. CLINICAL RELEVANCE: Platelet-rich plasma can be used as an adjuvant therapy because it may promote better bone healing of a radial ostectomy treated with external skeletal fixation in dogs.


Assuntos
Osso e Ossos/fisiologia , Consolidação da Fratura/fisiologia , Implantes Experimentais/veterinária , Fator de Crescimento Derivado de Plaquetas/metabolismo , Fator de Crescimento Transformador beta1/metabolismo , Fator de Crescimento Transformador beta2/metabolismo , Implantes Absorvíveis/veterinária , Animais , Fenômenos Biomecânicos , Cães , Feminino , Membro Anterior , Masculino , Fator de Crescimento Derivado de Plaquetas/genética , Plasma Rico em Plaquetas , Fator de Crescimento Transformador beta1/genética , Fator de Crescimento Transformador beta2/genética
13.
Arq. bras. med. vet. zootec ; 64(3): 568-576, June 2012. ilus
Artigo em Português | LILACS-Express | LILACS | ID: lil-640119

RESUMO

Realizou-se a observação comportamental de nove cães terapeutas (oito da raça Labrador Retriever e um Golden Retriever), dosaram-se cortisol sérico e salivar, aferiram-se a temperatura retal, a pressão arterial sistólica e as frequências cardíaca e respiratória nos seguintes momentos: M0 (média de três avaliações do cão em repouso) e em M1, M2 e M3 (imediatamente antes, imediatamente após e decorridas 24h das atividades de terapia assistida por animais - TAA), respectivamente. Não houve diferença significativa quanto às características estudadas (P>0,05), exceto pela temperatura, que foi mais elevada em M1 e M2 do que em M0 (P=0,009). A avaliação comportamental, realizada de maneira descritiva, não apresentou alteração negativa. Houve diferença significativa quanto à concentração de cortisol sérico entre os momentos M1 e M3 (P=0,071), e não ocorreu diferença da concentração do cortisol salivar entre os quatro momentos (P=0,746). As alterações observadas foram atribuídas à contenção e à manipulação dos animais e não desencadearam desconforto físico ou estresse dignos de nota em cães.


Behavioral observation of nine therapist dogs (eight Labrador Retrievers and one Golden Retriever) was performed and serum and salivar cortisol dosage, rectal temperature, systolic blood pressure and heart and respiratory rates were measured and evaluated at the following moments: M0 (average of three evaluations of the dog at rest) and M1, M2 e M3 (immediately before, at the end and 24 hours after the AAT activities, respectively). There was no significant difference in the parameters between the moments (P>0.05) except for temperature, which was higher in M1 and M2 than M0 (P=0.009). The behavioral assessment was conducted in a descriptive way and didn't present a negative effect. There was significant difference when comparing the serum cortisol levels between M1 and M3 (P=0.0712). There wasn't asignificant difference in salivary cortisol levels when comparing the values of the four moments (P=0.7458). The observed alterations are probably related to the containment and handling of animals, demonstrating that the therapy doesn't have a negative effect on dogs.

14.
Arq. bras. med. vet. zootec ; 64(3): 568-576, 2012. ilus
Artigo em Português | VETINDEX | ID: vti-1341

RESUMO

Realizou-se a observação comportamental de nove cães terapeutas (oito da raça Labrador Retriever e um Golden Retriever), dosaram-se cortisol sérico e salivar, aferiram-se a temperatura retal, a pressão arterial sistólica e as frequências cardíaca e respiratória nos seguintes momentos: M0 (média de três avaliações do cão em repouso) e em M1, M2 e M3 (imediatamente antes, imediatamente após e decorridas 24h das atividades de terapia assistida por animais - TAA), respectivamente. Não houve diferença significativa quanto às características estudadas (P>0,05), exceto pela temperatura, que foi mais elevada em M1 e M2 do que em M0 (P=0,009). A avaliação comportamental, realizada de maneira descritiva, não apresentou alteração negativa. Houve diferença significativa quanto à concentração de cortisol sérico entre os momentos M1 e M3 (P=0,071), e não ocorreu diferença da concentração do cortisol salivar entre os quatro momentos (P=0,746). As alterações observadas foram atribuídas à contenção e à manipulação dos animais e não desencadearam desconforto físico ou estresse dignos de nota em cães.(AU)


Behavioral observation of nine therapist dogs (eight Labrador Retrievers and one Golden Retriever) was performed and serum and salivar cortisol dosage, rectal temperature, systolic blood pressure and heart and respiratory rates were measured and evaluated at the following moments: M0 (average of three evaluations of the dog at rest) and M1, M2 e M3 (immediately before, at the end and 24 hours after the AAT activities, respectively). There was no significant difference in the parameters between the moments (P>0.05) except for temperature, which was higher in M1 and M2 than M0 (P=0.009). The behavioral assessment was conducted in a descriptive way and didn't present a negative effect. There was significant difference when comparing the serum cortisol levels between M1 and M3 (P=0.0712). There wasn't asignificant difference in salivary cortisol levels when comparing the values of the four moments (P=0.7458). The observed alterations are probably related to the containment and handling of animals, demonstrating that the therapy doesn't have a negative effect on dogs.(AU)


Assuntos
Humanos , Animais , Cães , Comportamento Animal , Terapia de Relaxamento , Estresse Mecânico , Pressão Arterial , Terapias Complementares/métodos , Testes Hematológicos/veterinária , Saliva/química
15.
Ars vet ; 28(3): 144-147, 2012.
Artigo em Português | VETINDEX | ID: vti-764973

RESUMO

Os defeitos congênitos têm se tornado mais frequentes na rotina clínica de grandes animais. A atresia anal é um defeito congênito já relatado em diversas espécies, e normalmente associado a outras malformações, como fístula uretrorretal e pseudo-hermafroditismo, fístula retovaginal, bolsa escrotal acessória, difalia, agenesia renal, fusão renal e ureteral e malformações esqueléticas. Objetivou-se relatar o caso de um bezerro da raça Nelore apresentando múltiplos defeitos congênitos. Algumas alterações observadas no presente caso diferiram das citadas na literatura, sendo a principal a falha na formação de estruturas na linha média ventral do animal. O exame radiográfico foi de grande importância para a confirmação do diagnóstico, e principalmente para a avaliação do comprometimento de outras estruturas. Devido à presença de múltiplas malformações, o prognóstico era desfavorável quanto à vida e função do animal, sendo indicada a eutan&aa

16.
Ars Vet. ; 28(3): 144-147, 20120000.
Artigo em Inglês, Português | VETINDEX | ID: vti-12149

RESUMO

Os defeitos congênitos têm se tornado mais frequentes na rotina clínica de grandes animais. A atresia anal é um defeito congênito já relatado em diversas espécies, e normalmente associado a outras malformações, como fístula uretrorretal e pseudo-hermafroditismo, fístula retovaginal, bolsa escrotal acessória, difalia, agenesia renal, fusão renal e ureteral e malformações esqueléticas. Objetivou-se relatar o caso de um bezerro da raça Nelore apresentando múltiplos defeitos congênitos. Algumas alterações observadas no presente caso diferiram das citadas na literatura, sendo a principal a falha na formação de estruturas na linha média ventral do animal. O exame radiográfico foi de grande importância para a confirmação do diagnóstico, e principalmente para a avaliação do comprometimento de outras estruturas. Devido à presença de múltiplas malformações, o prognóstico era desfavorável quanto à vida e função do animal, sendo indicada a eutanásia, razão pela qual se conclui que os casos de atresia anal devem ser investigados mais profundamente, na busca por defeitos concomitantes que possam inviabilizar a vida e/ou produtividade do animal.(AU)


Congenital malformations have become more frequent in large animal clinics. Anal atresia is a congenital malformation that has been previously reported in several species and it is normally associated with other malformations, such as urethrorectal fistula, pseudohermaphoroditism, rectovaginal fistula, accessory scrotum, diphallia, renal agenesis, renal and ureteral fusion and skeletal malformations as well. This case report describes the multiple congenital malformations of a Nellore calf. Some of the malformations observed in this case were different from those reported in the literature, especially the failure in the formation of ventral midline structures of the animal. Radiographic examination was of great importance for the diagnosis and especially to assess the involvement of other structures. Due to multiple malformations and the poor prognosis, the calf was euthanized and it was concluded that cases of anal atresia must be further investigated for associated problems that could risk life or productivity of the animal.(AU)


Assuntos
Animais , Bovinos , Anormalidades Congênitas/genética , Anormalidades Congênitas/veterinária
17.
Arq. bras. med. vet. zootec ; 62(4): 806-811, Aug. 2010. tab
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-562045

RESUMO

Avaliaram-se os períodos de latência e de duração do efeito do butorfanol associado à ropivacaína aplicados pela via peridural e a possibilidade de uso dessa associação como protocolo anestésico para realização de ovariossalpingo-histerectomia (OSH) em cadelas. Utilizaram-se 16 cadelas pré-medicadas com acepromazina e midazolam compondo dois grupos: no grupo 1 (n=8) aplicou-se ropivacaína isolada (0,3mL/kg) e no grupo 2 (n=8), butorfanol (0,1mg/kg) e ropivacaína (até o volume de 0,3mL/kg), pela via peridural. Consideraram-se nove momentos (M): M0 - animal sem anestesia, M1 - 15 minutos após medicação pré-anestésica; M2 - 30 minutos após a aplicação peridural; M3, M4 e M5 - correspondentes ao início do procedimento e ao pinçamento dos pedículos esquerdo e direito, respectivamente; M6 - ligadura da cérvix uterina; e M7 e M8 - início da laparorrafia e fim da sutura de pele, respectivamente. Foram avaliados os períodos de latência e ação do bloqueio, além da viabilidade de realização do procedimento cirúrgico por meio do bloqueio efetuado. O que recebeu ropivacaína + butorfanol apresentou sedação pronunciada e permitiu a realização de OSH em 75 por cento dos animais, sem indução anestésica. Não houve diferença entre os grupos quanto aos períodos de latência e duração. A associação do butorfanol à ropivacaína proporcionou bloqueio anestésico compatível com a realização de OSH e período de latência curto, com duração de efeito suficiente para o procedimento cirúrgico.


The periods of latency and duration of butorphanol associated with ropivacaine used via epidural, and this combination as anesthetic protocol for carrying out ovariosalpingohysterectomy (OSH) in bitches were evaluated. Sixteen animals pre-medicated with acepromazine and midazolam were used composing two groups that received: 1 (n=8) ropivacaine (0.3mL/kg) and 2 (n=8) butorphanol (0.1mg/kg) and ropivacaine (up to the volume of 0.3ml/kg) via epidural. Nine moments were studied: M1 - 15 minutes after pre-anesthetic medication; M2 - 30 minutes after the epidural medication; M3, M4, and M5 - at the beginning of surgery and at clamping left and right pedicles, respectively; M6 - at ligation of the uterine cervix; and M7 and M8 - at laparorhaphy and end of skin suture, respectively. Periods of latency and blocking the action of random double-covert manner were evaluated as well as the feasibility of carrying out the surgery performed by the blockade. It was observed that the group receiving ropivacaine + butorphanol allowed the execution of OSH in 75 percent of animals without the need for anesthesia. There was no statistical difference between the periods of latency and duration. It was concluded that the combination of butorphanol to ropivacaine provides, in bitches, block compatible with the implementation of OSH with short period of latency and duration of effect sufficient for the surgical procedure.


Assuntos
Animais , Feminino , Cães , Anestesia Epidural/veterinária , Butorfanol/administração & dosagem , Anestesiologia , Histerectomia/veterinária
18.
Arq. bras. med. vet. zootec ; 62(4): 806-811, ago. 2010. tab
Artigo em Português | VETINDEX | ID: vti-5881

RESUMO

Avaliaram-se os períodos de latência e de duração do efeito do butorfanol associado à ropivacaína aplicados pela via peridural e a possibilidade de uso dessa associação como protocolo anestésico para realização de ovariossalpingo-histerectomia (OSH) em cadelas. Utilizaram-se 16 cadelas pré-medicadas com acepromazina e midazolam compondo dois grupos: no grupo 1 (n=8) aplicou-se ropivacaína isolada (0,3mL/kg) e no grupo 2 (n=8), butorfanol (0,1mg/kg) e ropivacaína (até o volume de 0,3mL/kg), pela via peridural. Consideraram-se nove momentos (M): M0 - animal sem anestesia, M1 - 15 minutos após medicação pré-anestésica; M2 - 30 minutos após a aplicação peridural; M3, M4 e M5 - correspondentes ao início do procedimento e ao pinçamento dos pedículos esquerdo e direito, respectivamente; M6 - ligadura da cérvix uterina; e M7 e M8 - início da laparorrafia e fim da sutura de pele, respectivamente. Foram avaliados os períodos de latência e ação do bloqueio, além da viabilidade de realização do procedimento cirúrgico por meio do bloqueio efetuado. O que recebeu ropivacaína + butorfanol apresentou sedação pronunciada e permitiu a realização de OSH em 75 por cento dos animais, sem indução anestésica. Não houve diferença entre os grupos quanto aos períodos de latência e duração. A associação do butorfanol à ropivacaína proporcionou bloqueio anestésico compatível com a realização de OSH e período de latência curto, com duração de efeito suficiente para o procedimento cirúrgico.(AU)


The periods of latency and duration of butorphanol associated with ropivacaine used via epidural, and this combination as anesthetic protocol for carrying out ovariosalpingohysterectomy (OSH) in bitches were evaluated. Sixteen animals pre-medicated with acepromazine and midazolam were used composing two groups that received: 1 (n=8) ropivacaine (0.3mL/kg) and 2 (n=8) butorphanol (0.1mg/kg) and ropivacaine (up to the volume of 0.3ml/kg) via epidural. Nine moments were studied: M1 - 15 minutes after pre-anesthetic medication; M2 - 30 minutes after the epidural medication; M3, M4, and M5 - at the beginning of surgery and at clamping left and right pedicles, respectively; M6 - at ligation of the uterine cervix; and M7 and M8 - at laparorhaphy and end of skin suture, respectively. Periods of latency and blocking the action of random double-covert manner were evaluated as well as the feasibility of carrying out the surgery performed by the blockade. It was observed that the group receiving ropivacaine + butorphanol allowed the execution of OSH in 75 percent of animals without the need for anesthesia. There was no statistical difference between the periods of latency and duration. It was concluded that the combination of butorphanol to ropivacaine provides, in bitches, block compatible with the implementation of OSH with short period of latency and duration of effect sufficient for the surgical procedure.(AU)


Assuntos
Animais , Feminino , Cães , Butorfanol/administração & dosagem , Anestesia Epidural/veterinária , Anestesiologia , Histerectomia/veterinária
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA