Your browser doesn't support javascript.

Biblioteca Virtual em Saúde

Brasil

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Mobilidade funcional e função executiva em idosos diabéticos e não diabéticos / Functional mobility and executive function in elderly diabetics and non-diabetics

Alvarenga, Patrícia P; Pereira, Daniele S; Anjos, Daniela M. C.
Braz. j. phys. ther. (Impr.); 14(6): 491-496, nov.-dez. 2010. graf, tab
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-574781
CONTEXTUALIZAÇÃO Idosos diabéticos tendem a ter declínio da funcionalidade motora e a apresentar déficits cognitivos relacionados a processos mais complexos, como a função executiva, o que pode levar a um maior risco de quedas.

OBJETIVOS:

Comparar idosos com e sem diabetes tipo 2 quanto à mobilidade funcional, ao risco de quedas e à função executiva e verificar a correlação entre essas variáveis.

MÉTODOS:

Participaram do estudo 40 idosos da comunidade, divididos em dois grupos G1, idosos com diabetes tipo 2 e G2, idosos sem diabetes, sendo os grupos semelhantes quanto ao gênero, idade e índice de massa corporal. A mobilidade funcional e o risco de quedas foram avaliados pelo Timed Up and Go (TUG e TUGcognitivo), e a função executiva, pelo teste de fluência verbal (categoria animal).

RESULTADOS:

Os diabéticos apresentaram pior desempenho no teste de fluência verbal (G114,9±4,5; G217,7±5,6; p=0,031). Uma diferença estatisticamente significativa foi observada entre os grupos em relação à mobilidade funcional, sendo que o G1 apresentou pior desempenho no TUG (G110,5±1,8s; G28,9±1,9s; p=0,01) e noTUGcognitivo (G113,9±3,2s; G210,9±2,3s; p=0,004). Uma correlação siginificativa foi observada entre o TUGcognitivo e o teste de fluência verbal apenas no G1 (G1 Spearman's rho = -0,535; p=0,015; G2 Spearman's rho = -0,250; p=0,288).

CONCLUSÕES:

Os diabéticos apresentaram um pior desempenho nos testes de mobilidade funcional e de fluência verbal que os idosos sem a doença, sugerindo um maior risco de quedas para idosos diabéticos. A inclusão desses parâmetros de avaliação para diabéticos na prática clinica da fisioterapia é fundamental para preservar a funcionalidade e evitar quedas.
Biblioteca responsável: BR1.1
Selo DaSilva