Your browser doesn't support javascript.
loading
Show: 20 | 50 | 100
Results 1 - 12 de 12
Filter
1.
Brasília; CONITEC; jun. 2022.
Non-conventional in Portuguese | BRISA/RedTESA | ID: biblio-1390647

ABSTRACT

Contexto: Mielofibrose é uma neoplasia maligna rara que pode se desenvolver como doença primária, sendo uma doença mieloproliferativa crônica caracterizada pela falha da medula óssea e proliferação clonal de células mieloides associada com excesso de fibras de reticulina e/ou colágeno, e algum grau de atipia no megacariócito. O quadro clínico pode evoluir com esplenomegalia, anemia, sintomas constitucional (fadiga, sudorese noturna, febre), caquexia, dor óssea, infarto esplênico, prurido, trombose e sangramentos. A incidência na União Europeia e EUA é de 0,3 casos por 100.000 habitantes. Não há dados epidemiológicos robustos no Brasil. Ruxolitinibe é um inibidor seletivo das Janus Quinases associadas (JAKs) ­ JAK1 e JAK2. A desregulação da via JAK-STAT tem sido associada a vários tipos de câncer e aumento da proliferação e sobrevida de células malignas. TECNOLOGIA: Ruxolitinibe. PERGUNTA: O uso de ruxolitinibe no tratamento da mielofibrose risco intermediário-2 ou alto (classificação IPSS), em adultos, com contagem plaquetária acima de 100.000/mm3 é eficaz e seguro quando comprado ao placebo ou à melhor terapia disponível? EVIDÊN


Subject(s)
Humans , Hematopoietic Stem Cell Transplantation/adverse effects , Primary Myelofibrosis/complications , Primary Myelofibrosis/drug therapy , Janus Kinase Inhibitors/therapeutic use , Unified Health System , Brazil , Cost-Benefit Analysis/economics
2.
s.l; CONETEC; 17 feb. 2022.
Non-conventional in Spanish | LILACS, BRISA/RedTESA | ID: biblio-1358988

ABSTRACT

INTRODUCCIÓN: Baricitinib es un fármaco de la familia de los inhibidores de la Janus quinasa (JAK), que interfieren con la fosforilación de las proteínas transductoras de señales y activadoras de la transcripción (STAT) (16,17) que están involucradas en funciones celulares vitales, incluidas la señalización, el crecimiento y la supervivencia de las células. Estos inhibidores de cinasas se proponen como tratamientos para la COVID-19 porque pueden prevenir la fosforilación de proteínas clave involucradas en la transducción de señales que conducen a la activación e inflamación inmunitarias (p. ej., la respuesta celular a citocinas proinflamatorias como la interleucina [IL]-6). OBJETIVO: El objetivo del presente informe es evaluar parámetros de eficacia, seguridad, conveniencia y recomendaciones disponibles acerca del empleo de baricitinib para el tratamiento de pacientes con COVID-19 en Argentina. MÉTODOS: Teniendo en cuenta la velocidad con la que la información relacionada a la pandemia aparece y se modifica (link), se desarrolló un protocolo sustentado en proyectos que resume activamente la evidencia científica a medida que la misma se hace disponible. Con este fin se utilizó la plataforma Love de Epistemonikos para identificar revisiones sistemáticas "vivas". Se seleccionaron aquellas con una calidad metodológica apropiada evaluada a través de la herramienta AMSTAR-2, y que a su vez llevaran un proceso de actualización frecuente.(22) De cada una de las revisiones sistemáticas identificadas se extractaron los efectos de la intervención sobre los desenlaces priorizados como importantes o críticos y la certeza en dichos efectos. Para la priorización de los desenlaces se adoptó una perspectiva desde el paciente considerando sus potenciales preferencias. La selección se realizó por consenso entre los autores y supervisores del informe considerando los resultados de múltiples ejercicios de priorización publicados, realizados en el marco del desarrollo de distintas guías de práctica clínica.(23­26) Se seleccionaron "mortalidad", "ingreso en asistencia ventilatoria mecánica", "tiempo hasta resolución de síntomas", "hospitalización", "eventos adversos graves" como desenlaces críticos. Adicionalmente, se extractaron datos relacionados con efectos de subgrupo potencialmente relevantes para la toma de decisión, con especial énfasis en el tiempo de evolución, la severidad de la enfermedad y el estado de vacunación. En los casos en que no fue reportado por las revisiones sistemáticas incluidas, se calculó el efecto absoluto de las intervenciones en pacientes vacunados, tomando el riesgo basal reportado para pacientes no vacunados multiplicado por un riesgo relativo de 0,1 según el efecto de la vacunación observado en distintos estudios y sistemas de vigilancia.(27­30) Para confeccionar las conclusiones en el efecto de las intervenciones evaluadas sobre los desenlaces priorizados, utilizamos lineamientos publicados, específicamente desarrollados a tal fin. RESULTADOS: Se identificaron tres revisiones sistemáticas que cumplieron con los criterios de inclusión del presente informe y reportaron resultados. Se identificaron 3 ECA que incluyeron 2659 pacientes en los que baricitinib se comparó con el tratamiento estándar en pacientes con COVID-19. Los resultados de tres ECCA muestran que, en pacientes con enfermedad de moderada a crítica, el baricitinib probablemente reduce la mortalidad y mejora el tiempo de resolución de los síntomas sin aumentar los eventos adversos severos. La certeza en la evidencia es moderada por riesgo de sesgo. CONCLUSIONES: El cuerpo de la evidencia muestra que baricitinib podría reducir la mortalidad y probablemente reduce la necesidad y la duración de de ventilación mecánica (certeza moderada ⨁⨁⨁◯). Probablemente reduce además el tiempo hasta la mejoría clínica y es probable que no tenga efecto sobre los eventos adversos serios (certeza moderada ⨁⨁⨁◯). La tecnología está autorizada para su comercialización por la Administración Nacional de Medicamentos, Alimentos y Tecnología Médica (ANMAT) de nuestro país, para el tratamiento de personas con artritis reumatoide, mientras que su uso para el tratamiento de personas con coronavirus se encuentra fuera de prospecto. Aunque la forma de administración oral es simple, el costo comparativo estimado es elevado y no se conoce la disponibilidad del laboratorio para responder la demanda sin afectar la equidad en su distribución. Las guías de práctica clínica basadas en evidencia identificadasrecomiendan a favor de su uso en personas con enfermedad grave o crítica.


Subject(s)
Humans , Janus Kinase Inhibitors/therapeutic use , SARS-CoV-2/drug effects , COVID-19/drug therapy , Argentina , Efficacy , Cost-Benefit Analysis
3.
Lima; IETSI; dic. 2021.
Non-conventional in Spanish | BRISA/RedTESA | ID: biblio-1355044

ABSTRACT

ANTECEDENTES: En el marco de la metodología ad hoc para evaluar solicitudes de tecnologías sanitarias, aprobada mediante Resolución de Institución de Evaluación de Tecnologías en Salud e Investigación N° 111-IETSI-ESSALUD-2021, se ha elaborado el presente dictamen, el cual expone la evaluación de la eficacia y seguridad de baricitinib en pacientes adultos con artritis reumatoide activa, moderada a severa con respuesta inadecuada o intolerancia a dos fármacos antirreumáticos modificadores de la enfermedad (FARME) anti-TNF y un FARME anti-CD20. Mediante la Nota N° 264-GHNERM-ESSALUD-2020, la Dra. Claudia Selene Mora Trujillo, médico especialista en reumatología del Hospital Nacional Edgardo Rebagliati Martins, siguiendo la Directiva N° 003-IETSI-ESSALUD-2016, envía al Instituto de Evaluación de Tecnologías en Salud e Investigación - IETSI la solicitud de uso fuera del petitorio del producto baricitinib. Con el objetivo de hacer precisiones respecto a los componentes de la pregunta PICO inicial, se llevó a cabo una reunión técnica con el médico especialista en reumatología, Dr. Víctor Román Pimentel Quiroz, además de los representantes del equipo técnico del IETSI. METODOLOGÍA: Se llevó a cabo una búsqueda bibliográfica amplia y exhaustiva con el objetivo de identificar la mejor evidencia disponible sobre la eficacia y seguridad de baricitinib para el tratamiento de pacientes adultos con artritis reumatoide activa, moderada a severa con respuesta inadecuada o intolerancia a dos FARME anti-TNF y un FARME anti-CD20. RESULTADOS: Luego de la búsqueda bibliográfica hasta noviembre de 2021 se identificaron: tres guías de práctica clínica (GPC) (EULAR, Sociedad de Reumatología de Hong Kong y Colegio Mexicano de Reumatología), cinco evaluaciones de tecnologías sanitarias (ETS) (NICE, CADTH, SMC, HAS y CONITEC), una revisión sistemática con metaanálisis en red (Bae S-C et al., 2018), un ECA fase III (Genovese et al., 2016) y un estudio observacional (Iwamoto et al., 2018). Los desenlaces de interés fueron: respuesta clínica (escala ACR 20/50/70), actividad de la enfermedad y remisión (DAS28-VSG/DAS28-PCR/SDAI/CDAI), respuesta radiográfica (mTSS), respuesta de la función física (HAQ-DI), eventos adversos y calidad de vida. CONCLUSIÓN: Por lo expuesto, el Instituto de Evaluación de Tecnologías en Salud e Investigación-IETSI no aprueba el uso de baricitinib en pacientes adultos con artritis reumatoide activa, moderada a severa con respuesta inadecuada o intolerancia a dos FARME anti-TNF y un FARME anti-CD20, como producto farmacéutico no incluido en el Petitorio Farmacológico de EsSalud. Se recomienda a los especialistas que, en caso de identificar nueva evidencia que responda a la población de la PICO de interés, envíen sus propuestas para ser evaluadas en el marco de la Directiva N° 003-IETSI-ESSALUD-2016.


Subject(s)
Humans , Arthritis, Rheumatoid/drug therapy , Antigens, CD20/adverse effects , Janus Kinase Inhibitors/therapeutic use , Tumor Necrosis Factor Inhibitors/adverse effects , Health Evaluation , Efficacy
4.
Québec; INESSS; 22 déc. 2021.
Non-conventional in French | BRISA/RedTESA | ID: biblio-1359042

ABSTRACT

CONTEXTE Le présent document ainsi que les constats qu'il énonce ont été rédigés en réponse à une interpellation du ministère de la Santé et des Services sociaux dans le contexte de la crise sanitaire liée à la maladie à coronavirus (COVID-19) au Québec. L'objectif est de réaliser une recension des données publiées et de mobiliser les savoirs clés afin d'informer les décideurs publics et les professionnels de la santé et des services sociaux. Bien que les constats reposent sur un repérage exhaustif des données scientifiques publiées, sur l'évaluation de la qualité méthodologique des études et sur une appréciation du niveau de preuve scientifique par paramètre clinique d'intérêt ainsi que sur la consultation de cliniciens avec différentes spécialités et expertises, le processus ne repose pas entièrement sur les normes habituelles à l'INESSS. Dans les circonstances d'une telle crise de santé publique, l'INESSS reste à l'affût de toutes nouvelles données, qu'elles soient de nature scientifique ou contextuelle, susceptibles de lui faire modifier cette réponse. PRÉSENTATION DE LA DEMANDE: La COVID-19 est une maladie causée par le virus SARS-CoV-2 qui infecte préférentiellement les cellules qui expriment à leur surface l'enzyme de conversion de l'angiotens


Subject(s)
Humans , Janus Kinase Inhibitors/therapeutic use , SARS-CoV-2/drug effects , COVID-19/drug therapy , Health Evaluation , Cost-Benefit Analysis
5.
Brasília; CONITEC; set. 2021.
Non-conventional in Portuguese | BRISA/RedTESA | ID: biblio-1442464

ABSTRACT

A TECNOLOGIA: Descrição da tecnologia: O tofacitinibe é um agente imunossupressor disponível no mercado sob o nome comercial Xeljanz® que atua inibindo de forma seletiva e reversível as enzimas Janus quinase (JAK). As JAK são enzimas que participam da transdução de sinais intracelulares gerados a partir da interação de diferentes citocinas e fatores de crescimento com os seus respectivos receptores de membrana. Essas vias de sinalização são ativadas em diferentes processos celulares, como na hematopoiese, inflamação e resposta imunológica. As JAK atuam por meio de fosforilação e consequente ativação de seus substratos, em especial, os ativadores de transcrição (STAT), que são responsáveis pela ativação da expressão de diferentes genes. A via de sinalização JAK-STAT3 está envolvida na transdução intracelular do sinal da interleucina 6 (IL-6), uma importante citocina pró-inflamatória. Condição clínica: A COVID-19 é uma doença infectocontagiosa causada pelo coronavírus SARS-CoV-2, identificado inicialmente na cidade de Wuhan, China, em dezembro de 2019. O SARS-CoV-2 pertence ao subgênero Sarbecovírus da família Coronaviridae, sendo um dos sete coronavírus conhecidos por infectar humanos. Em março de 2020, considerando o aumento exponencial de casos mundialmente, a Organização Mundial da Saúde declarou a COVID-19 como uma pandemia. Até o início de agosto de 2021, o número de casos confirmados da doença alcançou cerca de 200 milhões e, nesse período, foram registradas mais de 4,2 milhões de mortes em decorrência da doença em todo o mundo. O primeiro caso da doença confirmado no Brasil aconteceu em fevereiro de 2020. Desde então, até o início de agosto de 2021, foram registrados mais de 20 milhões de casos e cerca de 560 mil óbitos por COVID-19 no país. INFORMAÇÕES REGULATÓRIAS: Informações sobre registro: O tofacitinibe foi desenvolvido pela empresa Pfizer e lançado em 2012 nos Estados Unidos, com indicação inicial para o tratamento da artrite reumatoide15. Posteriormente, o medicamento foi aprovado no Japão (2013) e na União Europeia (2017). No Brasil, o primeiro registro concedido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para uso do tofacitinibe aconteceu em dezembro de 2014, o qual foi renovado em setembro de 2019, e inclui as indicações para o tratamento da artrite reumatoide, artrite psoríaca e colite ulcerativa. PANORAMA DE DESENVOLVIMENTO: Estratégia de busca: A estratégia de busca foi composta por duas etapas. A primeira objetivou identificar estudos clínicos registrados acerca do uso do tofacitinibe para tratamento da COVID-19. As seguintes bases foram consultadas no período de 10 a 28 de julho de 2021, com atualização das buscas em 25 de agosto de 2021: ClinicalTrials.gov29 , International Clinical Trials Registry Platform (ICTRP)30 , German Clinical Trials Register31 , European Union Clinical Trials Register32 , Australian New Zealand Clinical Trials Registry33 , Cochrane COVID-19 Study Register34 , Chinese Clinical Trial Registry35 , CADTH Ongoing Trials for Drugs in the Prevention and Treatment of COVID-1936 , Registro Brasileiro de Ensaios Clínicos (REBEC)37 e na base de estudos registrados na Anvisa para prevenção ou tratamento de COVID-1938 . As bases Integrity39 e Cortellis40 foram consultadas no dia 30 de julho de 2021. CONSIDERAÇÕES FINAIS: Diferentes fármacos da classe dos inibidores de Janus quinase (JAK) vêm sendo estudados como potenciais tratamentos para a COVID-19 por inibirem a fosforilação de proteínas-chave envolvidas nas cascatas de sinalização que modulam a ativação das respostas imunológica e inflamatória. Dentre esses, o tofacitinibe, disponibilizado comercialmente pelo nome Xeljanz®, é um inibidor seletivo reversível das JAKs capaz de inibir preferencialmente as vias de sinalização JAK3 ou JAK1, com seletividade funcional sobre os receptores de citocinas que sinalizam por meio de pares de JAK2, o que resulta na modulação da resposta imunológica e inflamatória. Ao todo, existem sete ensaios de fase 2 e 3 em andamento ou concluídos com o objetivo de avaliar a eficácia e segurança do tofacitinibe no tratamento de pacientes adultos hospitalizados com COVID-19. Apenas dois destes já possuem resultados publicados: o ensaio randomizado STOP-COVID (NCT04469114), financiado pela empresa Pfizer e realizado no Brasil, e o ensaio clínico não randomizado TOFA-COV-2 (NCT04750317) realizado na Rússia. No primeiro, que incluiu 289 participantes, verificou-se uma redução significativa do risco de óbito ou insuficiência respiratória dentre aqueles que receberam tofacitinibe associado ao tratamento padrão comparado ao grupo tratado com placebo e tratamento padrão (RR: 0,63; IC 95%: 0,41 a 0,97). Já no estudo TOFA-COV-2, que inclui 384 participantes, não foi observada diferença significativa entre os grupos 'tratamento padrão e tofacitinibe' versus 'tratamento padrão' para os mesmos desfechos, tanto para pacientes com saturação de oxigênio normal no início do estudo como para aqueles com saturação abaixo de 93%. O tofacitinibe apresenta registro sanitário em diversos países com indicação para tratamento da artrite reumatoide, artrite psoríaca e colite ulcerativa, incluindo o Brasil, onde está contemplado nos PCDTs do Ministério da Saúde para as mesmas indicações. No entanto, até a data desta consulta não foram identificados autorização de uso emergencial ou registro do tofacitinibe para tratamento de pacientes com COVID-19 em nenhuma das fontes consultadas. No momento, a Anvisa analisa a solicitação de autorização temporária de uso emergencial do tofacitinibe para tratamento da COVID-19 apresentada pela empresa Pfizer, porém a deliberação final da agência sobre o pleito ainda não foi divulgada. Considerando que as evidências disponíveis sobre a eficácia e segurança do tofacitinibe para tratamento de pacientes com COVID-19 ainda são escassas, diferentes agências reguladoras como o National Institute of Health (NIH), dos Estados Unidos, e o National Health and Medical Research Council (NHMRC), da Austrália, recomendam que o uso do medicamento para esta indicação ocorra somente no contexto de ensaios clínicos. Alertam, ainda, sobre o risco de eventos adversos associados ao uso do tofacitinibe já conhecidos, como o aumento do risco de infecções graves e de trombose. Diversos estudos clínicos ainda estão em andamento, de forma que à medida que seus resultados forem disponibilizados, novas evidências poderão subsidiar futuras avaliações sobre a eficácia e segurança do uso do tofacitinibe para o tratamento da COVID-19.


Subject(s)
Humans , Janus Kinase Inhibitors/therapeutic use , SARS-CoV-2/drug effects , COVID-19 Drug Treatment/instrumentation , Immunosuppressive Agents/therapeutic use , Brazil , Efficacy , Cost-Benefit Analysis , Technological Development and Innovation Projects
6.
Brasília; CONITEC; 2021.
Non-conventional in Portuguese | BRISA/RedTESA | ID: biblio-1442631

ABSTRACT

A TECNOLOGIA: Descrição da tecnologia: O baricitinibe, disponibilizado comercialmente pelo nome Olumiant®, é um inibidor seletivo reversível das enzimas Janus quinase (JAK) 1 e 2. JAK são enzimas que participam da transdução dos sinais intracelulares, que são gerados a partir da interação de diferentes citocinas e fatores de crescimento com os seus respectivos receptores de membrana. Essas vias de sinalização são ativadas em diferentes processos celulares, como na hematopoiese, inflamação e resposta imunológica. As JAK atuam por meio de fosforilação e consequente ativação de seus substratos, em especial, os ativadores de transcrição (STAT), que são responsáveis pela ativação da expressão de diferentes genes. A via de sinalização JAK-STAT3 está envolvida na transdução intracelular do sinal da interleucina 6 (IL-6), uma importante citocina pró-inflamatória. Condição clínica: A COVID-19 é uma infecção respiratória aguda, causada pelo coronavírus SARS-CoV-2, que foi descoberto em amostras de lavado broncoalveolar obtidas de pacientes com pneumonia de causa desconhecida na cidade de Wuhan, China, em dezembro de 2019. O SARS-CoV-2 pertence ao subgênero Sarbecovírus da família Coronaviridae, sendo um dos sete coronavírus conhecidos por infectar humanos. INFORMAÇÕES REGULATÓRIAS: Informações sobre registro: O baricitinibe foi desenvolvido pela Incyte e licenciado para a Eli Lilly and Company, Estados Unidos (EUA). Foi lançado em 2017 nos EUA e Reino Unido, com indicação para o tratamento da artrite reumatoide. No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) concedeu o registro do bariticinibe em novembro de 2018 para a mesma indicação. Em março de 2020, a CONITEC recomendou a incorporação do medicamento no SUS, sendo incluído no Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas do Ministério da Saúde para tratamento da artrite reumatóide. O medicamento também consta na lista de terapias aprovadas para artrite no cenário internacional em mais de 70 países, a exemplo da União Europeia, onde também tem indicação aprovada para o tratamento de dermatite atópica moderada a grave em pacientes adultos candidatos à terapia sistêmica. PANORAMA DE DESENVOLVIMENTO: Estratégia de busca: A estratégia de busca foi composta por duas etapas. A primeira objetivou identificar estudos clínicos registrados acerca do uso do baricitinibe para tratamento da COVID-19. As seguintes bases foram consultadas no período de 15 a 25 de abril de 2021, e com atualização das buscas em 2 de junho de 2021: ClinicalTrials.gov, International Clinical Trials Registry Platform (ICTRP), German Clinical Trials Register, European Union Clinical Trials Register, Australian New Zealand Clinical Trials Registry, Cochrane COVID-19 Study Register, Chinese Clinical Trial Registry, CADTH Ongoing Trials for Drugs in the Prevention and Treatment of COVID-19, Registro Brasileiro de Ensaios Clínicos (REBEC) e na base de estudos registrados na ANVISA para prevenção ou tratamento de COVID-19. As bases Integrity e Cortellis também foram consultadas no dia 20 de abril de 2021. A estratégia de busca incluiu o termo referente ao medicamento ('baricitinib'), seu nome comercial ('olumiant'), seu código (LY3009104), bem como sua variação na língua portuguesa ('baricitinibe') para as bases nacionais. Foram incluídos ensaios clínicos, randomizados ou não, a partir da fase 2, em que o baricitinibe tenha sido utilizado para o tratamento da COVID-19. Não houve restrição quanto ao idioma. CONSIDERAÇÕES FINAIS: O baricitinibe, disponibilizado comercialmente pelo nome Olumiant®, é um inibidor seletivo reversível da JAK 1 e JAK 2. É capaz de inibir a via de sinalização JAK-STAT3 e, consequentemente, modular a produção de citocinas pró-inflamatórias, como a IL-6. Em novembro de 2020, a agência reguladora americana FDA autorizou o uso emergencial do baricitinibe, em associação com o antiviral rendesivir (Veklury®), para o tratamento de crianças (≥ 2 anos) e adultos hospitalizados com COVID-1920, sob suplementação de oxigênio, ventilação mecânica invasiva ou oxigenação por membrana extracorpórea (ECMO). O uso emergencial do baricitinibe em associação ao rendesivir também foi autorizado no Japão. Não foi identificada autorização de uso emergencial do baricitinibe em monoterapia. Essas autorizações basearam-se nos resultados do ensaio clínico randomizado, duplo-cego e controlado por placebo (NCT04401579), conduzido pelo National Institute of Allergy and Infectious Diseases (NIAID) e denominado Adaptive Covid-19 Treatment Trial (ACTT-2). Até o momento, esse é o único ensaio sobre o baricitinibe com resultados completos publicados após revisão por pares. Os resultados do estudo ACTT-2 sugerem que a combinação de baricitinibe e rendesivir foi superior ao uso do rendesivir em monoterapia, tanto na redução do tempo de recuperação como na aceleração da melhora no estado clínico. A redução do tempo para recuperação foi moderada, de apenas um dia em relação aos pacientes que usaram somente rendesivir. No entanto, pacientes que requerem oxigênio de alto fluxo ou ventilação mecânica não invasiva durante a hospitalização parecem se beneficiar mais do tratamento combinado de baracitinibe e rendesivir, com uma redução no tempo de recuperação de 18 para 10 dias. A taxa de mortalidade e a evolução para ventilação mecânica foi significativamente menor no grupo tratado com a combinação baricitinibe e rendesivir em comparação ao rendesivir em monoterapia. No início de maio de 2021, foram publicados no formato de preprint os resultados do estudo COV-BARRIER (NCT04421027), o primeiro ensaio clínico randomizado que avaliou a eficácia e a segurança do baricitinibe combinado à dexametasona ou a qualquer outro tipo de terapia padrão para a COVID-19. Observou-se que o baricitinibe em combinação à terapia padrão não reduziu o desfecho de progressão da doença, mas demonstrou redução significativa da mortalidade em 28 e 60 dias de seguimento. Desta forma, os achados do estudo COV-BARRIER e do estudo ACCT-2 sugerem que o baricitinibe apresenta efeitos sinérgicos com outros tipos de terapia padrão, incluindo rendesivir e dexametasona. Diversos ensaios clínicos sobre o uso do baricitinibe em monoterapia ou associado a outros medicamentos estão em andamento. As evidências geradas a partir desses estudos poderão subsidiar futuras avaliações sobre a eficácia e segurança do uso do baricitinibe para o tratamento da COVID-19.


Subject(s)
Humans , Janus Kinase Inhibitors/therapeutic use , SARS-CoV-2/drug effects , COVID-19 Drug Treatment/instrumentation , Brazil , Efficacy , Cost-Benefit Analysis , Technological Development and Innovation Projects
7.
Brasília; s.n; 12 ago. 2020.
Non-conventional in Portuguese | BRISA/RedTESA, PIE, LILACS | ID: biblio-1117983

ABSTRACT

O Informe Diário de Evidências é uma produção do Ministério da Saúde que tem como objetivo acompanhar diariamente as publicações científicas sobre tratamento farmacológico e vacinas para a COVID-19. Dessa forma, são realizadas buscas estruturadas em bases de dados biomédicas, referentes ao dia anterior desse informe. Não são incluídos estudos pré-clínicos (in vitro, in vivo, in silico). A frequência dos estudos é demonstrada de acordo com a sua classificação metodológica (revisões sistemáticas, ensaios clínicos randomizados, coortes, entre outros). Para cada estudo é apresentado um resumo com avaliação da qualidade metodológica. Essa avaliação tem por finalidade identificar o grau de certeza/confiança ou o risco de viés de cada estudo. Para tal, são utilizadas ferramentas já validadas e consagradas na literatura científica, na área de saúde baseada em evidências. Cabe ressaltar que o documento tem caráter informativo e não representa uma recomendação oficial do Ministério da Saúde sobre a temática. Foram encontrados 13 artigos e 10 protocolos.


Subject(s)
Humans , Pneumonia, Viral/drug therapy , Coronavirus Infections/drug therapy , Betacoronavirus/drug effects , Technology Assessment, Biomedical , Ivermectin/therapeutic use , Immunoglobulins/therapeutic use , BCG Vaccine/therapeutic use , Colchicine/therapeutic use , Cross-Sectional Studies , Cohort Studies , Azithromycin/therapeutic use , Ritonavir/therapeutic use , Lopinavir/therapeutic use , Janus Kinase Inhibitors/therapeutic use , Telmisartan/therapeutic use , Hydroxychloroquine/therapeutic use
8.
Brasília; s.n; 30 jun. 2020. 30 p.
Non-conventional in Portuguese | LILACS, BRISA/RedTESA, PIE, Inca | ID: biblio-1117603

ABSTRACT

O Informe Diário de Evidências é uma produção do Ministério da Saúde que tem como objetivo acompanhar diariamente as publicações científicas sobre tratamento farmacológico e vacinas para a COVID-19. Dessa forma, são realizadas buscas estruturadas em bases de dados biomédicas, referente ao dia anterior desse informe. Não são incluídos estudos pré-clínicos (in vitro, in vivo, in silico). A frequência dos estudos é demonstrada de acordo com a sua classificação metodológica (revisões sistemáticas, ensaios clínicos randomizados, coortes, entre outros). Para cada estudo é apresentado um resumo com avaliação da qualidade metodológica. Essa avaliação tem por finalidade identificar o grau de certeza/confiança ou o risco de viés de cada estudo. Para tal, são utilizadas ferramentas já validadas e consagradas na literatura científica, na área de saúde baseada em evidências. Cabe ressaltar que o documento tem caráter informativo e não representa uma recomendação oficial do Ministério da Saúde sobre a temática. Foram encontrados 14 artigos e 31 protocolos.


Subject(s)
Humans , Pneumonia, Viral/drug therapy , Coronavirus Infections/drug therapy , Betacoronavirus/drug effects , Technology Assessment, Biomedical , Vitamin D/therapeutic use , Ivermectin/therapeutic use , Immunoglobulins/therapeutic use , Prednisone/therapeutic use , BCG Vaccine/therapeutic use , Influenza Vaccines/therapeutic use , Azithromycin/therapeutic use , Antirheumatic Agents/therapeutic use , Ritonavir/therapeutic use , Hydroxymethylglutaryl-CoA Reductase Inhibitors/therapeutic use , Interleukin 1 Receptor Antagonist Protein/therapeutic use , Lopinavir/therapeutic use , Janus Kinase Inhibitors/therapeutic use , Glucocorticoids/therapeutic use , Hydroxychloroquine/therapeutic use , Hydroxyurea/therapeutic use , Immunosuppressive Agents/therapeutic use
9.
s.l; s.n; 1 maio 2020.
Non-conventional in Portuguese | LILACS, BRISA/RedTESA | ID: biblio-1099519

ABSTRACT

CONTEXTO: Revisão sistemática rápida desenvolvida pelo NATS do Hospital Sírio-Libanês, em colaboração com o NATS do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, durante a epidemia da COVID-19 no Brasil. OBJETIVOS: Identificar, avaliar sistematicamente e sumarizar as melhores evidências científicas disponíveis sobre a eficácia, efetividade e segurança dos inibidores das Janus Associated Kinases (JAKs) no tratamento e profilaxia da COVID-19. MÉTODOS: Revisão sistemática rápida (rapid review methodology). Foram realizadas buscas eletrônicas nas bases MEDLINE (via PubMed), Embase, Cochrane COVID-19 Study Register, WHO (base específica para COVID 19), Opengrey, medRXiv e bioRxiv, ClinicalTrials.gov em 28/04/2020. As referências encontradas foram triadas por dois avaliadores, de forma independente, em duas etapas. RESULTADOS: Após o processo de seleção, nove estudos clínicos em andamento foram incluídos. Estes estudos avaliam quatro tipos de inibidores das JAKs, envolvendo um total de 507 participantes. Não foram identificados estudos clínicos com resultados disponíveis no momento. CONCLUSÃO: Com base na ausência de evidências advindas de estudos clínicos, a eficácia e a segurança dos inibidores das JAKs em pacientes com COVID-19 são altamente incertas, o que impede a recomendação do seu uso de rotina na prática clínica.


Subject(s)
Humans , Pneumonia, Viral/drug therapy , Coronavirus Infections/drug therapy , Betacoronavirus/drug effects , Janus Kinase Inhibitors/therapeutic use , Technology Assessment, Biomedical , Cost-Benefit Analysis
10.
Brasília; s.n; 5 maio 2020. 19 p.
Non-conventional in Portuguese | LILACS, BRISA/RedTESA, PIE | ID: biblio-1097405

ABSTRACT

Essa é uma produção do Departamento de Ciência e Tecnologia (Decit) da Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde (SCTIE) do Ministério da Saúde (Decit/SCTIE/MS), que tem como missão promover a ciência e tecnologia e o uso de evidências científicas para a tomada de decisão do SUS, tendo como principal atribuição o incentivo ao desenvolvimento de pesquisas em saúde no Brasil, de modo a direcionar os investimentos realizados em pesquisa pelo Governo Federal às necessidades de saúde pública. Informar sobre as principais evidências científicas descritas na literatura internacional sobre tratamento farmacológico para a COVID-19. Além de resumir cada estudo identificado, o informe apresenta também uma avaliação da qualidade metodológica e a quantidade de artigos publicados, de acordo com a sua classificação metodológica (revisões sistemáticas, ensaios clínicos randomizados, entre outros). Foram encontrados 10 artigos e 20 protocolos.


Subject(s)
Humans , Pneumonia, Viral/drug therapy , Coronavirus Infections/drug therapy , Betacoronavirus/drug effects , Chloroquine/therapeutic use , Interferons/therapeutic use , Adrenal Cortex Hormones/therapeutic use , Azithromycin/therapeutic use , Ritonavir/therapeutic use , Drug Combinations , Lopinavir/therapeutic use , Janus Kinase Inhibitors/therapeutic use , Hydroxychloroquine/therapeutic use , Immunotherapy/instrumentation , Medicine, Chinese Traditional/instrumentation
11.
Brasília; CONITEC; fev. 2020.
Non-conventional in Portuguese | BRISA/RedTESA | ID: biblio-1123200

ABSTRACT

INTRODUÇÃO: A Artrite Reumatoide (AR) é uma doença crônica, sem cura, de causa autoimune e com maior prevalência em mulheres. É caracterizada pela inflamação das articulações, principalmente das mãos e dos pés, que repercute na forma de dores, inchaço, dificuldades de movimentação e fadiga, além de risco aumentado para doenças cardiovasculares. O diagnóstico é realizado a partir de exames clínicos e complementares. O Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da AR (2019) inclui anti-inflamatórios não esteroidais, glicocorticoides, imunossupressores, medicamentos modificadores do curso da doença (MMCD) sintéticos (metotrexato, sulfassalazina, leflunomida, hidroxicloroquina, cloroquina), MMCD sintético alvo específico (tofacitinibe), MMCD biológicos anti-TNF (adalimumabe, certolizumabe pegol, etanercepte, infliximabe e golimumabe); e MMCD biológicos não anti-TNF (abatacepte, rituximabe e tocilizumabe). PERGUNTA: Em pacientes adultos com AR estabelecida, moderada a grave, que apresentaram resposta insuficiente ou intolerância a um ou mais MMCDs não biológicos e biológicos, o uso de baricitinibe (Olumiant®) proporciona benefício clínico (eficácia e segurança) comparáveis aos MMCDs biológicos e tofacitinibe? TECNOLOGIA: Baricitinibe (Olumiant®), 2mg ou 4mg. EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS: Baricitinibe foi comparado a adalimumabe em ECR e a tofacitinibe em meta-análise em rede. Baricitinibe demonstrou similaridade ao adalimumabe nos desfechos ACR50 e fadiga, e superioridade na avaliação global pelo paciente e diminuição da dor, com qualidade alta da evidência, com até 16 semanas de acompanhamento. Nos desfechos de segurança, não foram identificadas diferenças entre baricitinibe e adalimumabe nos desfechos de óbito e infecções graves, com qualidade baixa da evidência, com acompanhamento de 52 semanas. Baricitinibe demonstrou maior frequência de eventos adversos graves comparado a adalimumabe, com seguimento de 52 semanas e qualidade moderada da evidência. Baricitinibe demonstrou similaridade ao tofacitinibe nos desfechos ACR20 e eventos adversos graves, com seguimento entre 3 e 6 meses, e qualidade moderada da evidência. Não foram identificados ECR ou estudos observacionais que comparassem baricitinibe aos demais medicamentos oferecidos pelo SUS na mesma etapa de tratamento. AVALIAÇÃO ECONÔMICA: O demandante propõe o preço de R$ 1.020,07 para 30 comprimidos de 2mg ou 4mg de baricitinibe. Foi apresentada estimativa de custo por respondedor, comparando baricitinibe e adalimumabe, e custo-minimização, comparando baricitinibe aos MMCD biológicos e não biológicos disponíveis no SUS. O horizonte temporal foi de 2 anos e adotou-se a perspectiva do SUS, incluindo apenas os custos médicos diretos de aquisição dos medicamentos. Os dados de número de doses e custos unitários foram atualizados pela Secretaria-Executiva da Conitec. Nos dois primeiros anos de tratamento, baricitinibe apresentaria o custo de R$ 24.821,70. A partir do segundo ano de tratamento, o custo anual do baricitinibe seria superior ao do tofacitinibe (R$11.071,67), atualmente com o menor custo de tratamento. AVALIAÇÃO DE IMPACTO ORÇAMENTÁRIO: A análise apresentada pelo demandante considera o número de pacientes com AR com tratamento atual pelo SUS, com projeção de crescimento linear para os anos seguintes. A proposta de participação de mercado do baricitinibe é de 2%, 6%, 10%, 12% e 15% nos cinco anos após a incorporação, com migração homogênea de pacientes a partir dos medicamentos já incorporados. Após atualização dos dados de custo dos medicamentos, a diferença com a incorporação do baricitinibe seria de economia acumulada em R$35.299.956 em cinco anos. Esses valores estão potencialmente superestimados. Os benefícios econômicos da incorporação do baricitinibe podem ser inferiores ou ausentes. MONITORAMENTO DO HORIZONTE TECNOLÓGICO: Foram localizados cinco medicamentos para o tratamento da AR ativa moderada a grave com resposta insuficiente ou intolerância a um ou mais MMCDs não biológicos e biológicos, em fase 3 de desenvolvimento clínico. Dentre eles, dois apresentam via de administração oral (upadacitinibe e filgotinibe). RECOMENDAÇÃO PRELIMINAR: Considerou-se que baricitinibe não demonstrou superioridade clínica ou econômica comparada aos medicamentos disponíveis que justifiquem sua incorporação no SUS. Assim, a CONITEC em 07/11/2019, recomendou não incorporação no SUS do baricitinibe (Olumiant®) para o tratamento de pacientes com artrite reumatoide estabelecida, moderada ou grave, com resposta insuficiente ou intolerância a um ou mais medicamentos modificadores do curso da doença não biológicos e biológicos. CONSULTA PÚBLICA: Foram recebidas 143 contribuições técnico-científicas e 748 contribuições de experiência ou opinião, incluindo, entre eles, a empresa demandante e a associação de pacientes com AR (GrupAR/EncontrAR). O conteúdo das contribuições foi principalmente sobre: 1) pacientes que permanecem com atividade elevada da doença, mesmo após utilização das opções de tratamento disponíveis no SUS; 2) necessidade de aumentar o número de terapias disponíveis; 3) comodidade logística e posológica, com potencial aumento da adesão; e 4) nova proposta de preço para incorporação, de R$ 30,33 por comprimido e custo anual de tratamento de R$ 11.071,67, equivalente ao do tofacitinibe, que apresenta o menor custo de tratamento atualmente. Discussões e referências adicionais foram incorporadas ao relatório. A CONITEC entendeu que houve argumentação suficiente para alterar sua recomendação inicial. RECOMENDAÇÃO FINAL: Os membros da CONITEC em 05/02/2020 deliberaram por recomendar a incorporação no SUS do baricitinibe (Olumiant®) para o tratamento de pacientes com artrite reumatoide estabelecida, moderada ou grave, com resposta insuficiente ou intolerância a um ou mais medicamentos modificadores do curso da doença não biológicos e biológicos, condicionada a reavaliação do conjunto de medicamentos disponíveis nas mesmas etapas de tratamento com base em avaliação econômica. Foi assinado o Registro de Deliberação nº 501/2020. DECISÃO: Incorporar o baricitinibe para pacientes com artrite reumatoide ativa, moderada a grave, no âmbito do Sistema Único de Saúde ­ SUS, conforme a Portaria nº 8, publicada no Diário Oficial da União nº 49, seção 1, página 187, em 12 de março de 2020.


Subject(s)
Humans , Arthritis, Rheumatoid/drug therapy , Janus Kinase Inhibitors/therapeutic use , Technology Assessment, Biomedical , Unified Health System , Brazil , Cost-Benefit Analysis/economics
12.
Brasília; CONITEC; dez. 2019.
Non-conventional in Portuguese | BRISA/RedTESA | ID: biblio-1444300

ABSTRACT

A Doença: A artrite idiopática juvenil é a doença reumática crônica mais comum na infância. Caracteriza-se por um conjunto heterogêneo de condições clínicas que ocorre antes dos 16 anos de idade e tem duração de pelo menos seis semanas. A AIJ tem frequência variável de acordo com a região geográfica ou etnia. A incidência geral estimada é de 1-22 novos casos a cada 100 mil indivíduos e a prevalência é de 7-150 casos a cada 100 mil indivíduos. Os dados epidemiológicos sobre frequência da doença no Brasil são escassos. De acordo com um estudo realizado no município de São Paulo, realizado com 6 a 12 anos de idade, a prevalência de AIJ foi de 0,34 a cada 1.000 crianças. A AIJ se subdivide em sete categorias de acordo com os critérios de classificação da International League of Associations for Rheumatology (ILAR): AIJ sistêmica, oligoartrite, poliartrite com fator reumatoide positivo ou negativo, artrite psoriásica, artrite associada à entesite e artrite indiferenciada, que apresentam manifestações clínicas distintas. TRATAMENTO: Atualmente, o tratamento não medicamentoso baseia-se na educação do paciente e de sua família, associado a apoio psicológico, fisioterapia e terapia ocupacional. O tratamento medicamentoso envolve a prescrição de glicocorticoides, anti-inflamatórios não esteroidais (AINES), medicamentos modificadores do curso da doença (MMCD) sintéticos e biológicos e imunossupressores. A versão mais recente do Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticasa para a classificação, diagnóstico e tratamento da AIJ no SUS foi publicada pela Portaria Conjunta SAES/SCTIE n 5 de 16/03/2020. (informação atualizada neste documento em 28/07/2020. ESTRATÉGIA DE BUSCA: Para localizar os medicamentos em fase de pesquisa clínica para a AIJ, foram consultados o sítio eletrônico do ClinicalTrials.gov e a base de dados Cortellis™, da Clarivate Analytics, utilizando-se os termos "Juvenile Idiopathic Arthritis". Consideraram-se tecnologias a partir de fase III de pesquisa clínica, testadas em pacientes com AIJ e sem registro no Brasil (tecnologias novas). Em seguida, utilizando-se os códigos de registro dos estudos clínicos no ClinicalTrials.gov, dos medicamentos identificados na primeira etapa da pesquisa, foram consultadas as bases de dados MEDLINE via PubMed, Lilacs via Bireme e Embase a fim de localizar os resultados publicados dos estudos clínicos. Além disso, também foi realizada uma busca complementar por resultados desses estudos publicados em anais de congressos científicos. Para todas as bases, foram utilizados apenas termos referentes à tecnologia, tais como: "anakinra", "Kineret", "baricitinib", "Olumia", "certolizumab pegol", "Cimzia", "golimumab", "Simponi", "tofacitinib", "Xeljanz" e "Juvenile Idiopathic Arthritis", sem a utilização de desfechos ou população, no intuito de aumentar a sensibilidade da busca inicial. Por fim, com o objetivo de complementar as informações, foram consultados os sítios eletrônicos das seguintes instituições: Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), European Medicines Agency (EMA) e Food and Drug Administration (FDA). MEDICAMENTOS EM FASE DE PESQUISA CLÍNICA: Certolizumabe Pegol (Cimzia®). Golimumabe (Simponi®). Inibidor da Janus Quinase (JAK): Baricitinibe (Olumiant®). Tofacitinibe (Xeljanz®). Antagonista do receptor de Interleucina-1 Anakinra (Kineret®). CONCLUSÕES: Dentre as cinco tecnologias abordadas neste estudo de MHT, nenhuma está registrada no Brasil para AIJ e apenas três apresentam dados preliminares quanto à sua eficácia e segurança (anakinra, golimumabe e certolizumabe pegol). Os estudos que avaliaram o tofacitinibe e baricitinibe ainda estão em andamento e não foram encontrados resultados publicados. O anakinra, comparado ao placebo, esteve associado a maior frequência de resposta ACR 30, com redução do número de articulações acometidas no primeiro mês de tratamento, embora tenha sido associado à ocorrência de episódios infecciosos graves. O estudo apresentou amostra pequena (24 participantes) e o tempo da fase duplo-cega foi de apenas um mês, insuficiente para determinar características de pacientes que poderiam predizer a reposta ao tratamento. Além disso, 41,7% dos pacientes descontinuaram o tratamento ou apresentaram eventos adversos graves durante a segunda fase do estudo. As razões para descontinuidade do anakinra foram a ocorrência de eventos adversos (33,3%), percepção de falta de eficácia (33,3%) e por exacerbação da doença (33,3%). O certolizumabe pegol resultou em resposta ACR30 na maioria dos participantes em 16 semanas de uso e na inativação da doença em 2,6% a 9,4% dos pacientes após 24 semanas. Deve-se ressaltar que foi necessário reajuste de dose ao longo do estudo devido a concentrações plasmáticas superiores às planejadas com a dose inicial proposta. O uso de certolizumabe pegol pode estar associado a maior risco de linfoma ou outras neoplasias malignas em crianças e adolescentes e de infecções oportunistas. O golimumabe esteve associado a maior proporção de pacientes com resposta ACR30 e inativação da doença em 6 semanas quando comparado ao placebo. Entretanto, não houve diferença entre os grupos quanto à remissão clínica, além de estar relacionado a maior risco para infecções graves. De modo geral, anakinra, certolizumabe pegol e golimumabe foram mais eficazes quando comparadas ao placebo, entretanto, estiveram associados a maior risco de infecções graves e oportunistas. Deve-se ressaltar que os estudos para estes medicamentos ainda são incipientes e, para todas as tecnologias consideradas neste MHT, existem estudos em andamento para avaliar sua segurança e eficácia.


Subject(s)
Humans , Child , Adolescent , Arthritis, Juvenile/drug therapy , Interleukin 1 Receptor Antagonist Protein/therapeutic use , Antibodies, Monoclonal, Humanized/therapeutic use , Certolizumab Pegol/therapeutic use , Janus Kinase Inhibitors/therapeutic use , Brazil , Efficacy , Cost-Benefit Analysis , Technological Development and Innovation Projects
SELECTION OF CITATIONS
SEARCH DETAIL