Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 8 de 8
Filtrar
Mais filtros

Tipo de documento
Intervalo de ano de publicação
1.
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: vti-26357

Resumo

Abstract Occurrence of infection or exposure to Ehrlichia canis, Hepatozoon canis and Rickettsia spp. was detected in feral cats living in two fragments from Atlantic rainforest, in Natal, RN, Brazil, and in dogs living around the parks. While serum samples were collected from 155 animals (53 cats living in the parks; 29 dogs living in human homes around the parks; and 73 dogs living at an animal control center - ACC), spleen samples were collected from 20 dogs that were euthanized at ACC. Serum samples were analyzed to Rickettsia spp. and E. canis antibodies using the indirect immunofluorescence assay. Seventeen of the 102 dogs (17%) had E. canis antibodies and 13% (20/155) of all dogs and cats (i.e. 3% (3/102) of the dogs and 32% (17/53) of the cats) were seropositive for Rickettsia spp. antigens. The animals were therefore been exposed to R. amblyommatis or by a very closely related genotype. Among the 20 dog spleen samples analyzed, eight were PCR positive for E. canis and two for H. canis (GenBank accession number MG772657 and MG772658, respectively). In none of the spleen samples were obtained amplicons for Babesia spp. through PCR. This study provided the first evidence that Rickettsia of the spotted fever group is circulating among dogs and cats in Natal.


Resumo A ocorrência de infecção ou exposição para Ehrlichia canis, Hepatozoon canis e Rickettsia spp. foi determinada em gatos ferais que viviam em dois fragmentos da Mata Atlântica, localizados em Natal, RN, Brasil e em cães que viviam em torno dos parques e em outras regiões da cidade. Enquanto amostras de soro foram coletadas de 155 animais (53 gatos que viviam nos parques, 29 cães com domicilio em torno dos parques e 73 cães do Centro de Controle de Animais -CCA), fragmentos de baço foram coletados de 20 cães eutanasiados no CCA. A detecção de anticorpos nas amostras de soros coletadas contra Rickettsia spp. e E. canis foi realizada pela Reação de Imunofluorescência Indireta. Dezessete dos 102 cães (17%) apresentaram anticorpos anti E. canis e 13% (20/155) de todos os cães e gatos (ou seja, 3% (3/102) dos cães e 32% (17/53) dos gatos) foram soropositivos para antígenos de Rickettsia spp. Os animais foram considerados expostos à R. amblyommatis ou a um genótipo muito relacionado. Entre as 20 amostras de baço de cães analisadas, oito foram positivas para E. canis e duas para Hepatozoon canis (números de acesso ao Genbank MG772657 e MG772658, respectivamente). Nenhuma das amostras de baço produziram amplicons de Babesia spp. na PCR. Observou-se, pela primeira vez, a circulação de Rickettsia do grupo da febre maculosa em cães e gatos em Natal, RN.

2.
R. bras. Parasitol. Vet. ; 28(1): 151-156, jan.-mar. 2019. tab
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: vti-26083

Resumo

Occurrence of infection or exposure to Ehrlichia canis, Hepatozoon canis and Rickettsia spp. was detected in feral cats living in two fragments from Atlantic rainforest, in Natal, RN, Brazil, and in dogs living around the parks. While serum samples were collected from 155 animals (53 cats living in the parks; 29 dogs living in human homes around the parks; and 73 dogs living at an animal control center - ACC), spleen samples were collected from 20 dogs that were euthanized at ACC. Serum samples were analyzed to Rickettsia spp. and E. canis antibodies using the indirect immunofluorescence assay. Seventeen of the 102 dogs (17%) had E. canis antibodies and 13% (20/155) of all dogs and cats (i.e. 3% (3/102) of the dogs and 32% (17/53) of the cats) were seropositive for Rickettsia spp. antigens. The animals were therefore been exposed to R. amblyommatis or by a very closely related genotype. Among the 20 dog spleen samples analyzed, eight were PCR positive for E. canis and two for H. canis (GenBank accession number MG772657 and MG772658, respectively). In none of the spleen samples were obtained amplicons for Babesia spp. through PCR. This study provided the first evidence that Rickettsia of the spotted fever group is circulating among dogs and cats in Natal.(AU)


A ocorrência de infecção ou exposição para Ehrlichia canis, Hepatozoon canis e Rickettsia spp. foi determinada em gatos ferais que viviam em dois fragmentos da Mata Atlântica, localizados em Natal, RN, Brasil e em cães que viviam em torno dos parques e em outras regiões da cidade. Enquanto amostras de soro foram coletadas de 155 animais (53 gatos que viviam nos parques, 29 cães com domicilio em torno dos parques e 73 cães do Centro de Controle de Animais -CCA), fragmentos de baço foram coletados de 20 cães eutanasiados no CCA. A detecção de anticorpos nas amostras de soros coletadas contra Rickettsia spp. e E. canis foi realizada pela Reação de Imunofluorescência Indireta. Dezessete dos 102 cães (17%) apresentaram anticorpos anti E. canis e 13% (20/155) de todos os cães e gatos (ou seja, 3% (3/102) dos cães e 32% (17/53) dos gatos) foram soropositivos para antígenos de Rickettsia spp. Os animais foram considerados expostos à R. amblyommatis ou a um genótipo muito relacionado. Entre as 20 amostras de baço de cães analisadas, oito foram positivas para E. canis e duas para Hepatozoon canis (números de acesso ao Genbank MG772657 e MG772658, respectivamente). Nenhuma das amostras de baço produziram amplicons de Babesia spp. na PCR. Observou-se, pela primeira vez, a circulação de Rickettsia do grupo da febre maculosa em cães e gatos em Natal, RN.(AU)


Assuntos
Animais , Gatos , Cães , Ehrlichia canis/classificação , Eucoccidiida/classificação , Rickettsia/patogenicidade
3.
R. bras. Parasitol. Vet. ; 27(3): 420-422, jul.-set. 2018. mapas
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: vti-735134

Resumo

Espírito Santo state (southeastern Brazil) is considered an endemic area for spotted fever group rickettsioses. In February 2017, we received in our laboratory seven unfed Amblyomma ovale adult ticks collected by a farmer from his clothes and body (not attached) during a working day in the rural area of Ibiraçu municipality, Espírito Santo state. By polymerase chain reaction (PCR) analyses, targeting gltA and ompA rickettsial genes, the DNA of Rickettsia was detected in 6/7 (85.7%) A. ovale. In all cases, DNA sequencing of PCR products revealed that consensus sequences of both genes were 100% identical to gltA and ompA corresponding sequences of Rickettsia sp. strain Atlantic rainforest retrieved from GenBank. This study reports the first molecular detection of Rickettsia sp. strain Atlantic rainforest in A. ovale ticks from Espírito Santo state. Our findings indicate a new Brazilian state in the southeast region at risk of human infection with this tick-borne emerging rickettsial agent.(AU)


O estado do Espírito Santo (Sudeste do Brasil) é considerado área endêmica para riquetsioses do Grupo Febre Maculosa. Em fevereiro de 2017, recebemos em nosso laboratório sete carrapatos adultos Amblyomma ovale não ingurgitados, coletados por um fazendeiro nas suas roupas e corpo (não fixadas) durante um dia de trabalho, em área rural do municipio de Ibiraçu, estado do Espírito Santo. Por meio de reação em cadeia da polimerase (PCR), amplificando os genes riquetsiais gltA e ompA , foi detectado ADN de Rickettsia em 6/7 (85,7%) dos A. ovale . O sequenciamento dos produtos de PCR indicou que as sequências consenso de ambos genes foram 100% idênticos às sequências correspondentes dos genes gltA e ompA da Rickettsia sp. cepa Mata Atlântica recuperadas do GenBank. Este estudo relata a primeira detecção molecular da Rickettsia sp. cepa Mata Atlântica em carrapatos A. ovale do estado do Espírito Santo. Nossos resultados apontam um novo estado brasileiro da região Sudeste com risco de infecção humana por este agente rickettsial emergente transmitido por carrapatos.(AU)


Assuntos
Rickettsia , Ixodidae/parasitologia , Demografia , Floresta Úmida
4.
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: vti-20034

Resumo

Abstract Occurrence of infection or exposure to Ehrlichia canis, Hepatozoon canis and Rickettsia spp. was detected in feral cats living in two fragments from Atlantic rainforest, in Natal, RN, Brazil, and in dogs living around the parks. While serum samples were collected from 155 animals (53 cats living in the parks; 29 dogs living in human homes around the parks; and 73 dogs living at an animal control center - ACC), spleen samples were collected from 20 dogs that were euthanized at ACC. Serum samples were analyzed to Rickettsia spp. and E. canis antibodies using the indirect immunofluorescence assay. Seventeen of the 102 dogs (17%) had E. canis antibodies and 13% (20/155) of all dogs and cats (i.e. 3% (3/102) of the dogs and 32% (17/53) of the cats) were seropositive for Rickettsia spp. antigens. The animals were therefore been exposed to R. amblyommatis or by a very closely related genotype. Among the 20 dog spleen samples analyzed, eight were PCR positive for E. canis and two for H. canis (GenBank accession number MG772657 and MG772658, respectively). In none of the spleen samples were obtained amplicons for Babesia spp. through PCR. This study provided the first evidence that Rickettsia of the spotted fever group is circulating among dogs and cats in Natal.


Resumo A ocorrência de infecção ou exposição para Ehrlichia canis, Hepatozoon canis e Rickettsia spp. foi determinada em gatos ferais que viviam em dois fragmentos da Mata Atlântica, localizados em Natal, RN, Brasil e em cães que viviam em torno dos parques e em outras regiões da cidade. Enquanto amostras de soro foram coletadas de 155 animais (53 gatos que viviam nos parques, 29 cães com domicilio em torno dos parques e 73 cães do Centro de Controle de Animais -CCA), fragmentos de baço foram coletados de 20 cães eutanasiados no CCA. A detecção de anticorpos nas amostras de soros coletadas contra Rickettsia spp. e E. canis foi realizada pela Reação de Imunofluorescência Indireta. Dezessete dos 102 cães (17%) apresentaram anticorpos anti E. canis e 13% (20/155) de todos os cães e gatos (ou seja, 3% (3/102) dos cães e 32% (17/53) dos gatos) foram soropositivos para antígenos de Rickettsia spp. Os animais foram considerados expostos à R. amblyommatis ou a um genótipo muito relacionado. Entre as 20 amostras de baço de cães analisadas, oito foram positivas para E. canis e duas para Hepatozoon canis (números de acesso ao Genbank MG772657 e MG772658, respectivamente). Nenhuma das amostras de baço produziram amplicons de Babesia spp. na PCR. Observou-se, pela primeira vez, a circulação de Rickettsia do grupo da febre maculosa em cães e gatos em Natal, RN.

5.
Ciênc. rural (Online) ; 47(3): 1-4, 2017. tab
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: biblio-1479897

Resumo

Lowland Tapir ( Tapirus terrestris ) is the second largest South American land mammal. It is strictly herbivorous and its exposure to Toxoplasma gondii should be indicative of environmental contamination by oocysts.In the present study antibodies to T. gondii in 47 Brazilian tapirs maintained ex situ in 10 Brazilian and in one Paraguayan institution were sought in serum samples by the modified agglutination test (MAT ≥25). None of the animals presented clinical signs during the study. From 47 animals 35 (74.5%) were positive with titers of 25 in 8, 50 in 6, 100 in 12, 200 in 5, 400 in 1 and 800 in 3. One animal had samples collected on twice, and 19 were born in captivity. There was no association between occurrence of T. gondii antibodies and gender, and positive animals were reported in all institutions. The high occurrence of seropositive tapirs born ininstitutions (54.3%) confirmed the high exposure of these mammals to T. gondii in captivity. Only two cases ofabortion were reported, but it was not possible to correlate these abortions to T. gondii infection.


A anta brasileira ( Tapirus terrestris ) é o segundo maior mamífero terrestre da América do Sul. É estritamente herbívora e sua exposição ao Toxoplasma gondii indica contaminação ambiental por oocistos. No presente estudo, 47 antas brasileiras mantidas ex-situ, em 10 instituições brasileiras e em uma paraguaia, tiveram amostras de soro avaliadas para a presença de anticorpos para T. gondii pelo Teste de Aglutinação Modificada (MAT ≥25). Dos 47 animais, 35 (74,5%) foram positivos, com títulos de 25 em 8, 50 em 6, 100 em 12, 200 em 5, 400 em 1 e 800 em 3 animais. Um animal teve amostras coletadas em duas ocasiões e, 19 nasceram em cativeiro.Não houve associação entre ocorrência de anticorpos para T. gondii e gênero e, animais positivos foram encontrados em todas as instituições. A alta ocorrência de antas soropositivas nascidas nas instituições (54,3%) confirma a alta exposição desses mamíferos para T. gondii em cativeiro. Apenas dois casos de aborto foram relatados, porém, não foi possível correlacioná-los à infecção pelo T. gondii.


Assuntos
Animais , Anticorpos , Brasil , Paraguai , Perissodáctilos/imunologia , Toxoplasma , Estudos Transversais , Poluição Ambiental
6.
Artigo em Inglês | LILACS-Express | LILACS, VETINDEX | ID: biblio-1487720

Resumo

Abstract Occurrence of infection or exposure to Ehrlichia canis, Hepatozoon canis and Rickettsia spp. was detected in feral cats living in two fragments from Atlantic rainforest, in Natal, RN, Brazil, and in dogs living around the parks. While serum samples were collected from 155 animals (53 cats living in the parks; 29 dogs living in human homes around the parks; and 73 dogs living at an animal control center - ACC), spleen samples were collected from 20 dogs that were euthanized at ACC. Serum samples were analyzed to Rickettsia spp. and E. canis antibodies using the indirect immunofluorescence assay. Seventeen of the 102 dogs (17%) had E. canis antibodies and 13% (20/155) of all dogs and cats (i.e. 3% (3/102) of the dogs and 32% (17/53) of the cats) were seropositive for Rickettsia spp. antigens. The animals were therefore been exposed to R. amblyommatis or by a very closely related genotype. Among the 20 dog spleen samples analyzed, eight were PCR positive for E. canis and two for H. canis (GenBank accession number MG772657 and MG772658, respectively). In none of the spleen samples were obtained amplicons for Babesia spp. through PCR. This study provided the first evidence that Rickettsia of the spotted fever group is circulating among dogs and cats in Natal.


Resumo A ocorrência de infecção ou exposição para Ehrlichia canis, Hepatozoon canis e Rickettsia spp. foi determinada em gatos ferais que viviam em dois fragmentos da Mata Atlântica, localizados em Natal, RN, Brasil e em cães que viviam em torno dos parques e em outras regiões da cidade. Enquanto amostras de soro foram coletadas de 155 animais (53 gatos que viviam nos parques, 29 cães com domicilio em torno dos parques e 73 cães do Centro de Controle de Animais -CCA), fragmentos de baço foram coletados de 20 cães eutanasiados no CCA. A detecção de anticorpos nas amostras de soros coletadas contra Rickettsia spp. e E. canis foi realizada pela Reação de Imunofluorescência Indireta. Dezessete dos 102 cães (17%) apresentaram anticorpos anti E. canis e 13% (20/155) de todos os cães e gatos (ou seja, 3% (3/102) dos cães e 32% (17/53) dos gatos) foram soropositivos para antígenos de Rickettsia spp. Os animais foram considerados expostos à R. amblyommatis ou a um genótipo muito relacionado. Entre as 20 amostras de baço de cães analisadas, oito foram positivas para E. canis e duas para Hepatozoon canis (números de acesso ao Genbank MG772657 e MG772658, respectivamente). Nenhuma das amostras de baço produziram amplicons de Babesia spp. na PCR. Observou-se, pela primeira vez, a circulação de Rickettsia do grupo da febre maculosa em cães e gatos em Natal, RN.

7.
Ci. Rural ; 47(3): 1-4, 2017. tab
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: vti-686977

Resumo

Lowland Tapir ( Tapirus terrestris ) is the second largest South American land mammal. It is strictly herbivorous and its exposure to Toxoplasma gondii should be indicative of environmental contamination by oocysts.In the present study antibodies to T. gondii in 47 Brazilian tapirs maintained ex situ in 10 Brazilian and in one Paraguayan institution were sought in serum samples by the modified agglutination test (MAT ≥25). None of the animals presented clinical signs during the study. From 47 animals 35 (74.5%) were positive with titers of 25 in 8, 50 in 6, 100 in 12, 200 in 5, 400 in 1 and 800 in 3. One animal had samples collected on twice, and 19 were born in captivity. There was no association between occurrence of T. gondii antibodies and gender, and positive animals were reported in all institutions. The high occurrence of seropositive tapirs born ininstitutions (54.3%) confirmed the high exposure of these mammals to T. gondii in captivity. Only two cases ofabortion were reported, but it was not possible to correlate these abortions to T. gondii infection. (AU)


A anta brasileira ( Tapirus terrestris ) é o segundo maior mamífero terrestre da América do Sul. É estritamente herbívora e sua exposição ao Toxoplasma gondii indica contaminação ambiental por oocistos. No presente estudo, 47 antas brasileiras mantidas ex-situ, em 10 instituições brasileiras e em uma paraguaia, tiveram amostras de soro avaliadas para a presença de anticorpos para T. gondii pelo Teste de Aglutinação Modificada (MAT ≥25). Dos 47 animais, 35 (74,5%) foram positivos, com títulos de 25 em 8, 50 em 6, 100 em 12, 200 em 5, 400 em 1 e 800 em 3 animais. Um animal teve amostras coletadas em duas ocasiões e, 19 nasceram em cativeiro.Não houve associação entre ocorrência de anticorpos para T. gondii e gênero e, animais positivos foram encontrados em todas as instituições. A alta ocorrência de antas soropositivas nascidas nas instituições (54,3%) confirma a alta exposição desses mamíferos para T. gondii em cativeiro. Apenas dois casos de aborto foram relatados, porém, não foi possível correlacioná-los à infecção pelo T. gondii. (AU)


Assuntos
Animais , Anticorpos , Toxoplasma , Perissodáctilos/imunologia , Paraguai , Brasil , Poluição Ambiental , Estudos Transversais
8.
R. bras. Parasitol. Vet. ; 25(4): 536-539, Sept.-Dec. 2016. mapas
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: vti-744052

Resumo

Abstract The aim of this study was to determine the presence of antibodies to Neospora caninum and Toxoplasma gondii in serum samples of 187 dogs from 30 rural properties surrounding Córrego do Veado Biological Reserve, Espírito Santo State, Brazil. The Reserve is one of the last lowland Atlantic Forest remnants of the region, surrounded by agriculture farms and cattle pastures. The presence of IgG antibodies was determined by the Indirect Fluorescent Antibody Test for T. gondii (cut-off 1:16) and N. caninum (cut-off 1:50). Positive samples were diluted 2-fold until the last positive dilution. Antibodies to T. gondii were found in 77 (47.05%) dogs and antibodies to N. caninum in 22 dogs (11.76%) and one only dog was positive for both infections. No association between T. gondii and N. caninum infection and sex was observed (p>0.05). Control measures to prevent those infections in dogs that living surrounding the reserve and that had contact with wild animals are important to avoid the introduction of N. caninum in wild animals. This was the first study of frequency of occurrence of T. gondii and N. caninum in dogs from Espírito Santo, Brazil.(AU)


Resumo O objetivo deste estudo foi determinar a presença de anticorpos contra Neospora caninum e Toxoplasma gondii em amostras de soro de 187 cães de 30 propriedades rurais do entorno da Reserva Biológica Córrego do Veado, Espírito Santo, Brasil. A Reserva é um dos últimos remanescentes de Mata Atlântica da região, cercada por fazendas com agricultura e pastagens. A presença de anticorpos IgG foi determinada pela reação de imunofluorescência indireta para T. gondii (ponto de corte de 1:16) e para N. caninum (ponto de corte de 1:50). As amostras positivas foram diluídas na base dois e tituladas. Anticorpos para T. gondii foram encontrados em 77 (47,05%) cães e para N. caninum em 22 (11,76%). Um cão foi positivo para ambas as infecções. Não houve associação entre a infecção pelo T. gondii e N. caninum e o sexo (p>0,05). Medidas de controle, para prevenir essas infecções em cães que vivem no entorno da reserva e com possibilidade de contato com animais selvagens, são importantes para evitar a introdução de N. caninum nos animais selvagens. Este foi o primeiro relato da frequência de anticorpos contra estes coccídios em cães do Espírito Santo, Brasil.(AU)


Assuntos
Animais , Bovinos , Cães , Coccidiose/imunologia , Coccidiose/veterinária , Doenças do Cão/imunologia , Neospora/imunologia , Toxoplasma/imunologia , Toxoplasmose Animal/imunologia , Anticorpos Antiprotozoários/sangue , Brasil , Estudos Soroepidemiológicos
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA