Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 2 de 2
Filtrar
Mais filtros

Base de dados
Ano de publicação
Tipo de documento
Intervalo de ano de publicação
1.
Artigo em Português | LILACS-Express | VETINDEX | ID: biblio-1493022

Resumo

The effects of crude protein levels in commercial diets were evaluated on growing and finishing gilts performance. There were forty-eight commercial gilts with 30kg (growing phase) and 60kg (finishing phase) average live weights from free disease farm. The experimental design was a randomized blocks with six replications and two animals per experimental unit. The protein levels were 19.5, 18.0, 16.5, and 15.0% in growing and 18.0, 16.5, 15.0 and 13.5% in finishing phases. During growing phase it was observed a quadratic effect of protein levels on final weight, weight gain, phase length and the optimal estimate level was 17% crude protein. The economic evaluation indicated the diet with 18% crude protein for growing phase. The quadratic responses to protein level at finishing phase indicate practically the same protein levels (15.2 to 15.3% crude protein) at age with 95kg, final weight and carcass yield percentage. The greater economic gain occurred with gilts receiving 15.0% crude protein level from 60 to 95kg. Segregate gilts from commercial production system presented better performance when received diets with 17% crude protein from 30 to 60kg and 15% crude protein from 60 to 95kg.


Os efeitos da concentração proteica de dietas comerciais foram avaliados no desempenho de leitoas em crescimento e terminação. Foram utilizados 48 animais comerciais com pesos médios iniciais de 30kg (fase crescimento) e 60kg (fase de terminação), oriundos de granja livre de doenças. O delineamento experimental foi blocos ao acaso, com quatro tratamentos, seis repetições e dois animais por unidade experimental. Os níveis proteicos foram: 19,5; 18,0; 16,5 e 15,0% na fase de crescimento e 18,0; 16,5; 15,0 e 13,5% na fase de terminação. Durante a fase de crescimento houve efeito quadrático do nível proteico no peso final, ganho de peso e duração da fase e, estimou-se como ótimo 17,0% de proteína bruta. Entretanto, ao se considerar a avaliação econômica nesta fase, a melhor dieta foi a que continha 18% de proteína bruta. Na fase de terminação, as respostas quadráticas na idade aos 95kg, peso ao final da terminação e rendimento de carcaça sugeriram, praticamente, o mesmo nível de proteína (15,2 a 15,3%). Dos níveis estudados, 15,0% de proteína bruta permitiu maior retorno econômico dos 60 aos 95kg de peso vivo. Leitoas segregadas do sistema de produção comercial, tiveram melhor desempenho ao consumirem dietas com 17% de proteína bruta dos 30 aos 60kg e 15% de proteína bruta dos 60 aos 95kg.

2.
Artigo em Português | VETINDEX | ID: vti-712039

Resumo

The effects of crude protein levels in commercial diets were evaluated on growing and finishing gilts performance. There were forty-eight commercial gilts with 30kg (growing phase) and 60kg (finishing phase) average live weights from free disease farm. The experimental design was a randomized blocks with six replications and two animals per experimental unit. The protein levels were 19.5, 18.0, 16.5, and 15.0% in growing and 18.0, 16.5, 15.0 and 13.5% in finishing phases. During growing phase it was observed a quadratic effect of protein levels on final weight, weight gain, phase length and the optimal estimate level was 17% crude protein. The economic evaluation indicated the diet with 18% crude protein for growing phase. The quadratic responses to protein level at finishing phase indicate practically the same protein levels (15.2 to 15.3% crude protein) at age with 95kg, final weight and carcass yield percentage. The greater economic gain occurred with gilts receiving 15.0% crude protein level from 60 to 95kg. Segregate gilts from commercial production system presented better performance when received diets with 17% crude protein from 30 to 60kg and 15% crude protein from 60 to 95kg.


Os efeitos da concentração proteica de dietas comerciais foram avaliados no desempenho de leitoas em crescimento e terminação. Foram utilizados 48 animais comerciais com pesos médios iniciais de 30kg (fase crescimento) e 60kg (fase de terminação), oriundos de granja livre de doenças. O delineamento experimental foi blocos ao acaso, com quatro tratamentos, seis repetições e dois animais por unidade experimental. Os níveis proteicos foram: 19,5; 18,0; 16,5 e 15,0% na fase de crescimento e 18,0; 16,5; 15,0 e 13,5% na fase de terminação. Durante a fase de crescimento houve efeito quadrático do nível proteico no peso final, ganho de peso e duração da fase e, estimou-se como ótimo 17,0% de proteína bruta. Entretanto, ao se considerar a avaliação econômica nesta fase, a melhor dieta foi a que continha 18% de proteína bruta. Na fase de terminação, as respostas quadráticas na idade aos 95kg, peso ao final da terminação e rendimento de carcaça sugeriram, praticamente, o mesmo nível de proteína (15,2 a 15,3%). Dos níveis estudados, 15,0% de proteína bruta permitiu maior retorno econômico dos 60 aos 95kg de peso vivo. Leitoas segregadas do sistema de produção comercial, tiveram melhor desempenho ao consumirem dietas com 17% de proteína bruta dos 30 aos 60kg e 15% de proteína bruta dos 60 aos 95kg.

SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA