Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 3 de 3
Filtrar
Mais filtros

Base de dados
Ano de publicação
Tipo de documento
Intervalo de ano de publicação
1.
Ciênc. rural (Online) ; 52(8): e20210308, 2022. ilus, graf, tab
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: biblio-1356137

Resumo

There is still no consensus regarding the best protocol for in vivo embryo production in sheep despite increasing studies in this area. Moreover, there is variability in the response of ewes to superovulation (SOV). An approach to mitigate this inconsistency is to initiate gonadotropin administration under favorable ovarian conditions. The present study compared three treatments in a crossover design: a traditional SOV protocol (TRAD) and "Day 0" D0 SOV protocol with (D0+GnRH), or without Lecilerin (D0-GnRH). Fifteen Santa Inês ewes received 200 mg of FSH at six decreasing doses and PGF2α with the fifth dose of FSH. They were naturally mated with fertile rams and subjected to surgical embryo collection. The number of viable embryos was similar among the different treatments (TRAD = 6.0 ± 4.7; D0-GnRH = 3.8 ± 6.4; D0+GnRH = 7.5 ± 6.5). Regardless of the treatment method, ewes with follicles ≤ 4 mm, at the first FSH dose, produced more viable embryos (9.6 ± 6.0, P < 0.05) compared to ewes that had follicles > 4 mm at the beginning of the SOV (2.9 ± 3.1, viable embryos). Both the TRAD and D0+GnRH groups had fewer animals with large follicles (> 4 mm) at the first FSH dose than the D0-GnRH group (P < 0.05). In conclusion, both the TRAD and D0+GnRH treatments induced a more favorable ovarian condition (follicles ≤ 4 mm) for adequate SOV; although, all three treatments exhibited similar efficacies in Santa Inês sheep.


Ainda não há consenso sobre qual é o protocolo mais apropriado para a produção in vivo de embriões em ovinos, apesar do crescente conhecimento. Uma abordagem para mitigar a variabilidade de resposta de ovelhas à superovulação (SOV) é iniciar a aplicação de gonadotrofinas em uma condição ovariana favorável. O presente estudo comparou três tratamentos em delineamento do tipo crossover: protocolo de SOV tradicional (TRAD) e "Dia 0" D0 SOV sem (D0-GnRH) ou com GnRH (D0+GnRH). Quinze ovelhas Santa Inês foram superovuladas com 200 mg de FSH em seis doses decrescentes e receberam PGF2α na quinta dose de FSH. As ovelhas foram submetidas a monta natural com carneiros férteis e os embriões colhidos por via cirúrgica. O número de embriões viáveis não diferiu entre os tratamentos (TRAD = 6,0 ± 4,7; D0-GnRH = 3,8 ± 6,4; D0+GnRH = 7,5 ± 6,5). Independentemente do tratamento, ovelhas com folículos ≤ 4 mm na primeira dose de FSH produziram mais embriões viáveis (9,6 ± 6,0; P < 0.05) quando comparadas aos animais que apresentavam folículos > 4 mm no início da SOV (2,9 ± 3,1 embriões viáveis). Os grupos TRAD e D0+GnRH apresentaram menor número de animais com folículos grandes (> 4 mm), no momento da primeira dose de FSH, quando comparados ao grupo D0-GnRH (P < 0,05). Em conclusão, os protocolos TRAD e D0+GnRH induziram uma condição ovariana mais favorável (folículos ≤ 4 mm) para a SOV. No entanto, os três tratamentos apresentaram eficiência semelhante em ovelhas Santa Inês.


Assuntos
Animais , Feminino , Superovulação , Ovinos/embriologia , Hormônio Liberador de Gonadotropina
2.
Semina Ci. agr. ; 42(1): 241-254, jan.-fev. 2021. tab, graf
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: vti-31230

Resumo

This study aimed to evaluate the cardiorespiratory and hemogasometric effects of epidural ketamine and its associations with morphine and xylazine in ewes submitted to transcervical cervix transposition with a hegar dilator. Ten Santa Inês breed ewes were studied in a cross over model study where three epidural protocols (GK = ketamine 2.0 mg kg-1; GKM = ketamine 2.0 mg kg-1 + morphine 0.1 mg kg-1; GKX = ketamine 2.0 mg kg-1 + xylazine 0.05 mg kg-1) were compared among each other and with a control treatment (GS= saline 1 mL/7.5 kg). The assessed variables were heart rate, respiratory frequency, ear temperature, non-invasive blood pressure and hemogasometric analysis. All parameters were assessed at baseline and then ewes were sedated with an association of acepromazine (0.1 mg kg -1) and diazepam (0.2 mg kg -1). Ten minutes after sedation all parameters were reassessed and afterwards the epidural injections were performed. Hemogasometry was repeated at 15 and 30 minutes after epidural and the other parameters assessed at 05, 15, 30, 45 and 60 minutes after epidural. GKX showed a slight respiratory depression with lower levels of PO2 and a compensatory increase in respiratory frequency. GKM presented the lower temperature mean. All protocols showed few cardiorespiratory effects when compared with control. Epidural with 2.0 mg kg-1 ketamine isolated was considered the best opti


Este estudo teve como objetivo avaliar os efeitos cardiorrespiratórios e hemogasométricos da cetamina peridural e suas associações com morfina e xilazina em ovelhas submetidas à manipulação uterina por via transcervical. Foram estudadas dez ovelhas da raça Santa Inês. Três protocolos epidurais foram avaliados: (GK = cetamina 2,0 mg kg−1, GKM = cetamina 2,0 mg kg−1 + morfina 0,1 mg kg−1, GKX = cetamina 2,0 mg kg−1 + xilazina 0,05 mg kg−1). Os três protocolos foram comparados entre si e com um tratamento controle (GS = solução salina 1 mL/7,5kg). As variáveis avaliadas foram frequência cardíaca, frequência respiratória, temperatura auricular, pressão arterial não-invasiva além da análise hemogasométrica. Todos os parâmetros foram avaliados no momento basal e em seguida as ovelhas foram sedadas com associação de acepromazina (0,1 mg kg−1) e diazepam (0,2 mg kg−1). Dez minutos após a sedação, todos os parâmetros foram novamente avaliados e foram realizadas as injeções peridurais. A hemogasometria foi repetida aos 15 e 30 minutos após a peridural e os outros parâmetros avaliados aos 05, 15, 30, 45, e 60 minutos após a peridural. O GKX mostrou sinais de hipoxemia com menores níveis de pO2 e um aumento compensatório na frequência respiratória. O GKM apresentou a média de temperatura mais baixa. Todos os protocolos apresentaram poucos efeitos cardiorrespiratórios em relação ao controle. O protocolo epidural com 2,0 mg kg−1 de cetamina foi considerado a melhor opção para procedimentos curtos como manipulações obstétricas em ovinos devido à estabilidade cardiorrespiratória quando comparado com os protocolos que utilizaram associações.(AU)


Assuntos
Animais , Ovinos/anatomia & histologia , Morfina , Xilazina , Ketamina , Reanimação Cardiopulmonar , Anestesia/veterinária
3.
Semina ciênc. agrar ; 42(1): 241-254, jan.-fev. 2021. tab, graf
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: biblio-1501917

Resumo

This study aimed to evaluate the cardiorespiratory and hemogasometric effects of epidural ketamine and its associations with morphine and xylazine in ewes submitted to transcervical cervix transposition with a hegar dilator. Ten Santa Inês breed ewes were studied in a cross over model study where three epidural protocols (GK = ketamine 2.0 mg kg-1; GKM = ketamine 2.0 mg kg-1 + morphine 0.1 mg kg-1; GKX = ketamine 2.0 mg kg-1 + xylazine 0.05 mg kg-1) were compared among each other and with a control treatment (GS= saline 1 mL/7.5 kg). The assessed variables were heart rate, respiratory frequency, ear temperature, non-invasive blood pressure and hemogasometric analysis. All parameters were assessed at baseline and then ewes were sedated with an association of acepromazine (0.1 mg kg -1) and diazepam (0.2 mg kg -1). Ten minutes after sedation all parameters were reassessed and afterwards the epidural injections were performed. Hemogasometry was repeated at 15 and 30 minutes after epidural and the other parameters assessed at 05, 15, 30, 45 and 60 minutes after epidural. GKX showed a slight respiratory depression with lower levels of PO2 and a compensatory increase in respiratory frequency. GKM presented the lower temperature mean. All protocols showed few cardiorespiratory effects when compared with control. Epidural with 2.0 mg kg-1 ketamine isolated was considered the best opti


Este estudo teve como objetivo avaliar os efeitos cardiorrespiratórios e hemogasométricos da cetamina peridural e suas associações com morfina e xilazina em ovelhas submetidas à manipulação uterina por via transcervical. Foram estudadas dez ovelhas da raça Santa Inês. Três protocolos epidurais foram avaliados: (GK = cetamina 2,0 mg kg−1, GKM = cetamina 2,0 mg kg−1 + morfina 0,1 mg kg−1, GKX = cetamina 2,0 mg kg−1 + xilazina 0,05 mg kg−1). Os três protocolos foram comparados entre si e com um tratamento controle (GS = solução salina 1 mL/7,5kg). As variáveis avaliadas foram frequência cardíaca, frequência respiratória, temperatura auricular, pressão arterial não-invasiva além da análise hemogasométrica. Todos os parâmetros foram avaliados no momento basal e em seguida as ovelhas foram sedadas com associação de acepromazina (0,1 mg kg−1) e diazepam (0,2 mg kg−1). Dez minutos após a sedação, todos os parâmetros foram novamente avaliados e foram realizadas as injeções peridurais. A hemogasometria foi repetida aos 15 e 30 minutos após a peridural e os outros parâmetros avaliados aos 05, 15, 30, 45, e 60 minutos após a peridural. O GKX mostrou sinais de hipoxemia com menores níveis de pO2 e um aumento compensatório na frequência respiratória. O GKM apresentou a média de temperatura mais baixa. Todos os protocolos apresentaram poucos efeitos cardiorrespiratórios em relação ao controle. O protocolo epidural com 2,0 mg kg−1 de cetamina foi considerado a melhor opção para procedimentos curtos como manipulações obstétricas em ovinos devido à estabilidade cardiorrespiratória quando comparado com os protocolos que utilizaram associações.


Assuntos
Animais , Anestesia/veterinária , Ketamina , Morfina , Ovinos/anatomia & histologia , Reanimação Cardiopulmonar , Xilazina
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA