Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 1 de 1
Filtrar
Mais filtros

Base de dados
Ano de publicação
Tipo de documento
Intervalo de ano de publicação
1.
Braz. j. biol ; 83: e272853, 2023. tab, graf, ilus
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: biblio-1505867

Resumo

The aim of this study was to determine the acute toxicity of the essential oils (EOs) of Aloysia triphylla, Lippia gracilis and Piper aduncum in juvenile tambaqui (Colossoma macropomum), and evaluate the possible histopathological alterations in their gills. For the acute toxicity tests, juvenile tambaqui (n=24/treatment) were distributed in six treatments with three replicates, which comprised the control and five EO concentrations of A. triphylla (60, 80, 100, 120 and 140 mg L-1), L. gracilis (35, 40, 45, 50 and 55 mg L-1) and P. aduncum (42.5, 45, 47.5, 50 and 52.5 mg L-1), with an exposure period of 4 h. The mortality rate and severity of damage to the tambaqui gills were proportional to the increase in the concentration of the EO, with LC50-4 h values estimated at 109.57 mg L -1 for A. triphylla, 41.63 mg L -1 for L. gracilis and 48.17 mg L -1 for P. aduncum. The main morphological damages observed in the gills of the tambaqui exposed to the three EOs, were Grade I: hypertrophy and hyperplasia of lamellar epithelial cells, lamellar fusion, epithelial detachment, capillary dilation and constriction, proliferation of chloride cells and mucosal cells and edema; in low frequency Grade II damage as epithelial rupture and lamellar aneurysm. Necrosis (Grade III damage) was observed only in gill lamellae exposed to P. aduncum EO (47.5, 50.0 and 52.5 mg L-1). Concentrations of EOs below LC50-4 h can be used sparingly, for short periods of exposure for the treatment of diseases in tambaqui breeding.


O objetivo deste estudo foi determinar a toxicidade aguda dos óleos essenciais (OEs) de Aloysia triphylla, Lippia gracilis e Piper aduncum em juvenis de tambaqui (Colossoma macropomum), e avaliar as possíveis alterações histopatológicas em suas brânquias. Para os testes de toxicidade aguda, juvenis de tambaqui (n=24/tratamento) foram distribuídos em 6 tratamentos, com três repetições, sendo o controle e cinco concentração do OE de A. triphylla (60, 80, 100, 120 e 140 mg L-1), L. gracilis (35, 40, 45, 50 e 55 mg L-1) e P. aduncum (42,5, 45, 47,5, 50 e 52,5 mg L-1), com exposição de 4 h. A taxa de mortalidade e a severidade dos danos nas brânquias de tambaqui foram proporcionais ao aumento da concentração do OE, com os valores de CL50-4 h estimados em 109,57 mg L-1 para A. triphylla, em 41,63 mg L-1 para L. gracilis e em 48,17 mg L-1 para P. aduncum. Os principais danos morfológicos observados nas brânquias de tambaqui, expostos aos três OEs, foram os de grau I: hipertrofia e hiperplasia das células do epitélio lamelar, fusão lamelar, descolamento epitelial, dilatação e constrição capilar, proliferação de células de cloreto e de células mucosas e edema; em baixa frequência os de grau II como ruptura epitelial e aneurisma lamelar. Necrose (dano de grau III) foi observado somente nas lamelas branquiais expostas ao OE de P. aduncum (47,5, 50,0 e 52,5 mg L-1). Concentrações do OEs abaixo dos valores de CL50-4 h podem ser utilizados com parcimônia, em curtos períodos de exposição para o tratamento de doenças na criação de tambaqui.


Assuntos
Animais , Óleos Voláteis/toxicidade , Piper/toxicidade , Lippia/toxicidade , Pesqueiros , Peixes
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA