Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 2 de 2
Filtrar
Mais filtros

Base de dados
Ano de publicação
Intervalo de ano de publicação
1.
Ciênc. rural (Online) ; 53(5): e20210786, 2023. graf
Artigo em Inglês | LILACS-Express | VETINDEX | ID: biblio-1384601

Resumo

ABSTRACT: The continuous use of synthetic insecticides for controlling the arboviral vector Aedes aegypti has led to the natural selection of mosquito populations resistant to different chemical groups. Thus, plant-derived compounds have emerged as a viable alternative for vectorcontrol. This study determined whether the crude methanolic extract (CME) from leaves of Clibadium surinamense has larvicidal activity against Ae. aegypti. Third- and fourth-instar Ae. Aegyptilarvae were kept in recipients containing 99 mL of water and 1mL of ethanol-diluted CMEat concentrations of 250, 500, 750, and 1000 ppm. The control group contained 99 mL of water and 1 mL of ethanol. Three trials were performed in triplicate for each group.After 24 hours of treatment, the LC50 and LC90 values were determined to be 283 and 430 ppm, respectively, according to one-way analysis of variance. In conclusion, we have demonstrated for the first time that the CME from leaves of C. surinamense show larvicidal activity against Ae. aegypti under laboratory conditions.


RESUMO: O uso contínuo de inseticidas sintéticos para o controle do mosquito vetor de arbovírus, Aedes aegypti, tem levado à seleção natural de populações resistentes a diferentes grupos químicos. Assim, compostos derivados de plantas surgiram como uma alternativa viável para o controle desses vetores. Desse modo, este estudo foi realizado para determinar se o extrato metanólico bruto (CME) das folhas de Clibadium surinamense possui atividade larvicida contra Ae. aegypti. Para isso, Larvas de terceiro e quarto instar de Ae. aegypti foram mantidas em recipientes contendo 99 mL de água e 1 mL de CME diluído em etanol nas concentrações de 250, 500, 750 e 1000 ppm. O grupo controle continha 99 mL de água e 1 mL de etanol. Três ensaios foram realizados em triplicata para cada grupo. Após 24 horas de observação, de acordo com a análise de variância de uma via,os valores de CL50 e CL90 foram de 283 e 430 ppm, respectivamente. Em conclusão, demonstramos pela primeira vez que o CME das folhas de C. surinamense apresenta atividade larvicida contra Ae. aegypti em condições de laboratório.

2.
Ciênc. rural (Online) ; 53(5): 1-7, 2023. ilus
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: biblio-1412855

Resumo

The continuous use of synthetic insecticides for controlling the arboviral vector Aedes aegypti has led to the natural selection of mosquito populations resistant to different chemical groups. Thus, plant-derived compounds have emerged as a viable alternative for vectorcontrol. This study determined whether the crude methanolic extract (CME) from leaves of Clibadium surinamense has larvicidal activity against Ae. aegypti. Third- and fourth-instar Ae. Aegyptilarvae were kept in recipients containing 99 mL of water and 1mL of ethanol-diluted CMEat concentrations of 250, 500, 750, and 1000 ppm. The control group contained 99 mL of water and 1 mL of ethanol. Three trials were performed in triplicate for each group.After 24 hours of treatment, the LC50 and LC90 values were determined to be 283 and 430 ppm, respectively, according to one-way analysis of variance. In conclusion, we have demonstrated for the first time that the CME from leaves of C. surinamense show larvicidal activity against Ae. aegypti under laboratory conditions.


O uso contínuo de inseticidas sintéticos para o controle do mosquito vetor de arbovírus, Aedes aegypti, tem levado à seleção natural de populações resistentes a diferentes grupos químicos. Assim, compostos derivados de plantas surgiram como uma alternativa viável para o controle desses vetores. Desse modo, este estudo foi realizado para determinar se o extrato metanólico bruto (CME) das folhas de Clibadium surinamense possui atividade larvicida contra Ae. aegypti. Para isso, Larvas de terceiro e quarto instar de Ae. aegypti foram mantidas em recipientes contendo 99 mL de água e 1 mL de CME diluído em etanol nas concentrações de 250, 500, 750 e 1000 ppm. O grupo controle continha 99 mL de água e 1 mL de etanol. Três ensaios foram realizados em triplicata para cada grupo. Após 24 horas de observação, de acordo com a análise de variância de uma via,os valores de CL50 e CL90 foram de 283 e 430 ppm, respectivamente. Em conclusão, demonstramos pela primeira vez que o CME das folhas de C. surinamense apresenta atividade larvicida contra Ae. aegypti em condições de laboratório.


Assuntos
Extratos Vegetais , Controle Biológico de Vetores , Asteraceae , Aedes , Larvicidas
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA