Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 1 de 1
Filtrar
Mais filtros

Base de dados
Ano de publicação
Tipo de documento
Intervalo de ano de publicação
1.
Ci. Rural ; 48(1)2018. tab, graf
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: vti-734866

Resumo

The thermal threshold and thermal requirements of Neopamera bilobata were determined, and the number of generations that this species may produce in the main strawberry-producing regions of Brazil was estimated. In a climate chamber (70±10% RH and 12h photophase) at 16, 19, 22, 25, 28, or 30±1°C, the development of 120 eggs was monitored until the adult stage, at each temperature. Nymphs were maintained in individual cages and fed on strawberry fruits of the cultivar Aromas. The mean duration and viability of the egg and nymph stages were calculated by estimating the lower and upper developmental thresholds and the thermal constant, and this information was used to estimate the number of generations per year in different strawberry-producing regions of Brazil. The egg-to-adult duration decreased as temperatures increased, up to 28°C (93.4, 83.2, 43.9, and 31.4 days at 19, 22, 25, and 28°C, respectively). Viability of nymphs was highest between 22 and 28°C. At 30°C, the egg-to-adult duration increased (36 days), while the viability decreased (11.11%). The lower egg-to-adult developmental threshold was 15.2°C and the thermal constant was 418.4 degree-days. Calculating the number of generations indicated that the largest number (5.1 generations yr-1) was obtained for the municipality of Jaboti, Paraná, and the smallest for Caxias do Sul, Rio Grande do Sul (1.9 generations yr-1). Our findings demonstrated that important strawberry-producing regions in Brazil are suitable for the development of N. bilobata.(AU)


A temperatura base e as exigências térmicas de Neopamera bilobata foram determinadas sendo estimado o número de gerações que a espécie realiza nas principais regiões produtoras de morango no Brasil. Em uma câmara climatizada (UR 70±10% e fotofase de 12h) nas temperaturas de 16, 19, 22, 25, 28 ou 30±1°C, o desenvolvimento de 120 ovos por temperatura foi monitorado até a fase adulta. As ninfas foram individualmente mantidas em gaiolas alimentando-as com frutos de morangueiro da cultivar Aromas. A duração média e a viabilidade da fase de ovo e de ninfa foi calculada estimando-se os valores de temperatura base inferior, temperatura base superior, constante térmica e número provável de gerações anuais que o percevejo completa em diferentes regiões produtoras de morangueiro do Brasil. A duração do desenvolvimento ovo-adulto de N. bilobata diminui com a elevação da temperatura até 28°C (93,4; 83,2; 43,9 e 31,4 dias para 19, 22, 25 e 28°C, respectivamente) apresentando maior viabilidade da fase de ninfa entre 22 a 28°C. A 30°C, a duração da fase ovo-adulto aumentou (36 dias), enquanto a viabilidade diminuiu (11,11%). A temperatura base inferior para o desenvolvimento ovo-adulto foi de 15,2°C e a constante térmica de 418,4 graus dia. O maior número de gerações (5,1 gerações/ano) foi obtido para a cidade de Jaboti, PR, e o menor para Caxias do Sul, RS (1,9 gerações/ano). Os valores estimados demonstram que as regiões de importância na produção do morangueiro no Brasil são aptas ao desenvolvimento de N. bilobata.(AU)


Assuntos
Animais , Hemípteros/crescimento & desenvolvimento , Fragaria , Temperatura , Brasil
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA