Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 8 de 8
Filtrar
Mais filtros

Base de dados
Tipo de documento
Intervalo de ano de publicação
1.
Acta sci. vet. (Impr.) ; 35(3): 345-355, 2007.
Artigo em Português | LILACS-Express | VETINDEX | ID: biblio-1456571

Resumo

Atualmente, na medicina veterinária, os estudos envolvendo reprodução de eqüinos e principalmente a qualidade das fêmeas, que na maioria das vezes são consideradas como receptoras, são de extrema valia, devido a ganho de produção e qualidade de plantel dos criadores, sendo assim, teve-se por objetivo estudar o comportamento da artéria ovárica em éguas, ou seja, a sua ramificação e distribuição no parênquima ovariano, para dar subsídios a um melhor entendimento das manobras de melhoramento genético e produção, focando aspectos morfológicos e fisiológicos da vascularização e viabilidade deste órgão na reprodução animal. Foram utilizados 68 ovários (34 pares) de éguas adultas sem raça definida, com diferentes idades, obtidas no Frigorífico Pomar, município de Araguari, MG. Verificou-se que a artéria ovárica apresenta um trajeto longo, flexuoso e espiralado, alcançando a glândula por meio da margem mesovárica, próximo à extremidade uterina. Esta artéria mantém o sentido ora dorsal ora ventral, segue em direção à extremidade tubárica, contorna-a até atingir a fossa ovárica, e penetra na glândula somente após ter percorrido toda a sua superfície. A artéria ovárica apresentou dois arranjos vasculares: um com emissão de 2 a 62 ramos dorsais e 4 a 46 ramos ventrais, durante seu percurso na margem mesovárica em 51 preparações (75%) e no outro arranjo a artéria ovárica, na extremidade ute

2.
Braz. j. vet. res. anim. sci ; 38(4): 155-159, 2001.
Artigo em Português | VETINDEX | ID: vti-710418

Resumo

We worked with 6 tortoises, 3 females and 3 males of the species Geochelone carbonaria, in order to describe the main arteries, which vascularize the organs of the coelomic cavity. We observed that the left aorta lengthen three main branches in order to irrigate the organs of the animal"s cranial area, before it joins the right aorta to form the dorsal aorta, which is in charge of the nutrition of the caudal area of the animal, through several branches coming irregularly in quantity and origin.


Trabalhamos com 6 jabutis, 3 fêmeas e 3 machos da espécie Geochelone carbonaria, descrevendo as principais artérias responsáveis pela vascularização dos órgãos da cavidade celomática. Observamos que a aorta esquerda emite três ramos principais, para a irrigação dos órgãos da porção cranial do animal, antes de se unir com a aorta direita para formar a aorta dorsal, responsável pela irrigação da região caudal do animal, através de vários ramos que se apresentam variáveis quanto ao número e origem.

3.
Braz. j. vet. res. anim. sci ; 35(5): 201-204, 1998.
Artigo em Português | VETINDEX | ID: vti-710258

Resumo

The origin of the external uterine wall arterial blood vessels and its pattern in crossbred buffaloes fetuses was studied. Correlation between vessel numbers and the metric values of the uterus and fetus were made.


Neste trabalho é descrita a sistematização da origem e distribuição dos vasos sangüíneos que se dirigem à parede externa do útero de fetos da espécie bubalina, sem raça definida. Foram feitas também correlações entre o número de vasos e os valores métricos do útero e do feto.

4.
Braz. j. vet. res. anim. sci ; 29(1): 7-13, 1992.
Artigo em Português | VETINDEX | ID: vti-710696

Resumo

We have studied 35 pairs of spermatic cords of crossbred horses in order to establish the histological aspects of the following structures: testicular wrappers, arterial and venous vessels, intervascular tissues, as well as the arrangement of its vascular system and the length of the tract of testicular artery contained in it.


Utilizando 35 pares de funículos esperméticos de eqüinos sem raça definida, estudaram-se os aspectos histológicos dos envoltórios funiculares, dos vasos arteriais e venosos e dos tecidos intervasculares, assim como o seu arranjo vascular e o comprimento do segmento da artéria testicular nele contido.

5.
Braz. j. vet. res. anim. sci ; 31(2): 107-111, 1994.
Artigo em Português | VETINDEX | ID: vti-710786

Resumo

It were studied 60 hearts of crossbreed pigs to observe the frequency, width and localization of the myocardial bridges on the coronary arteries. The hearts had their coronary arteries injected with colored solution of Neoprene latex - 450 - and were fixed in formalin solution to posterior dissection. The results permited the following conclusions: -myocardial bridges occured in 36.36% of the examined hearts in number between one and three in the same hearts and it had been found a total number of 32 bridges: -the myocardial bridges width varied from 0.2 cm to 1.9 cm with an average of 0.75 cm: -myocardial bridges are more frequent in the medium (36.66%), dorsal (31.25%) and ventral (31.25%) portions of the studied hearts; -myocardial bridges occur predominantly on the right coronary artery branches (65.62%) than on the left coronary artery branches (34.37%).


Estudou-se em 60 corações de suínos sem raça definida, a frequência, a largura, a posição, a topografia e a vasculotopia das pontes de miocárdio, mediante injeção das artérias coronárias com solução de Neoprene látex 450, fixação em solução aquosa de formol e dissecção. Os resultados obtidos permitiram concluir que: -as pontes de miocárdio ocorrem em 36,36% das peças, em número de 1 a 3, tendo sido identificadas num total de 32; -a largura das pontes variou de 0,2 cm a 1,9 cm com média de 0,75 cm: -a topografia mais frequentemente observada foi na porção média (36,66%), dorsal (31,25%) e ventral (31,25%); -as pontes de miocárdio ocorrem com maior frequência sobre os ramos da artéria coronária direita (65,62%), do que sobre os ramos da artéria coronária esquerda (34,37%).

6.
Artigo em Português | VETINDEX | ID: vti-710516

Resumo

The Agouti (Dasyprocta aguti) is a wild rodent that, in the Northeast region of Brazil, is a species that is very used by the low-income population as an alternative protein source for human feeding. Thirty-one male Agouti were used, coming from the Universidade Federal do Piauí (UFPI) - Piauí State, and from Escola Superior de Agricultura de Mossoró (ESAM) - Rio Grande do Norte State - Brazil. The animals were divided in to age groups, from the birth to fourteen months old. The average diameter average of the nucleus was obtained by measuring 10 nuclei of the studied cellular type, in each testicle that was in the stage I of the seminiferous epithelium cycle. This was performed in animals that did not present an organized epithelium in well-defined periods due to the age, and measurements were made in transversal sections chosen only for the circular contour. The beginning of the asynchronism of the spermatogenic process was observed since the six months of age. The puberty of the Agouti Dasyprocta aguti was definitely established at nine months of age, because all the cellular types and free spermatozoa in the tubular lumen were present in a large extent of the testicular parenchyma.


A cutia (Dasyprocta aguti) é um roedor silvestre encontrado amplamente na região Nordeste do Brasil. É uma espécie muito utilizada pela população humana de baixa renda como fonte alternativa de proteína na alimentação. Foram utilizadas 31 cutias, machos, provenientes da Universidade Federal do Piauí, Estado do Piauí e da Escola Superior de Agricultura de Mossoró Estado do Rio Grande do Norte. Os animais foram divididos em grupos etários desde o nascimento até os 14 meses de idade. O diâmetro nuclear médio foi obtido pela medida de 10 núcleos do tipo celular estudado em cada testículo, no estágio 1 do ciclo do epitélio seminífero. Nos animais que não apresentaram o epitélio organizado em estágios bem definidos em virtude da idade, foram feitas medidas em secções transversais escolhidas somente pelo contorno circular. O início da assincronia do processo espermatogênico foi observado a partir dos seis meses de idade. A puberdade, na cutia Dasyprocta aguti, foi definitivamente estabelecida a partir dos nove meses de idade, pois estavam presentes todos os tipos celulares e espermatozóides liberados no lume tubular em grande parte do parênquima testicular.

7.
Acta sci. vet. (Online) ; 35(3): 345-355, 2007.
Artigo em Português | VETINDEX | ID: vti-733347

Resumo

Atualmente, na medicina veterinária, os estudos envolvendo reprodução de eqüinos e principalmente a qualidade das fêmeas, que na maioria das vezes são consideradas como receptoras, são de extrema valia, devido a ganho de produção e qualidade de plantel dos criadores, sendo assim, teve-se por objetivo estudar o comportamento da artéria ovárica em éguas, ou seja, a sua ramificação e distribuição no parênquima ovariano, para dar subsídios a um melhor entendimento das manobras de melhoramento genético e produção, focando aspectos morfológicos e fisiológicos da vascularização e viabilidade deste órgão na reprodução animal. Foram utilizados 68 ovários (34 pares) de éguas adultas sem raça definida, com diferentes idades, obtidas no Frigorífico Pomar, município de Araguari, MG. Verificou-se que a artéria ovárica apresenta um trajeto longo, flexuoso e espiralado, alcançando a glândula por meio da margem mesovárica, próximo à extremidade uterina. Esta artéria mantém o sentido ora dorsal ora ventral, segue em direção à extremidade tubárica, contorna-a até atingir a fossa ovárica, e penetra na glândula somente após ter percorrido toda a sua superfície. A artéria ovárica apresentou dois arranjos vasculares: um com emissão de 2 a 62 ramos dorsais e 4 a 46 ramos ventrais, durante seu percurso na margem mesovárica em 51 preparações (75%) e no outro arranjo a artéria ovárica, na extremidade ute

8.
Acta sci. vet. (Online) ; 35(3): 345-355, 2007.
Artigo em Português | VETINDEX | ID: vti-731768

Resumo

Atualmente, na medicina veterinária, os estudos envolvendo reprodução de eqüinos e principalmente a qualidade das fêmeas, que na maioria das vezes são consideradas como receptoras, são de extrema valia, devido a ganho de produção e qualidade de plantel dos criadores, sendo assim, teve-se por objetivo estudar o comportamento da artéria ovárica em éguas, ou seja, a sua ramificação e distribuição no parênquima ovariano, para dar subsídios a um melhor entendimento das manobras de melhoramento genético e produção, focando aspectos morfológicos e fisiológicos da vascularização e viabilidade deste órgão na reprodução animal. Foram utilizados 68 ovários (34 pares) de éguas adultas sem raça definida, com diferentes idades, obtidas no Frigorífico Pomar, município de Araguari, MG. Verificou-se que a artéria ovárica apresenta um trajeto longo, flexuoso e espiralado, alcançando a glândula por meio da margem mesovárica, próximo à extremidade uterina. Esta artéria mantém o sentido ora dorsal ora ventral, segue em direção à extremidade tubárica, contorna-a até atingir a fossa ovárica, e penetra na glândula somente após ter percorrido toda a sua superfície. A artéria ovárica apresentou dois arranjos vasculares: um com emissão de 2 a 62 ramos dorsais e 4 a 46 ramos ventrais, durante seu percurso na margem mesovárica em 51 preparações (75%) e no outro arranjo a artéria ovárica, na extremidade ute

SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA