Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 4 de 4
Filtrar
Mais filtros

Base de dados
Ano de publicação
Tipo de documento
Intervalo de ano de publicação
1.
Ci. Rural ; 48(4): 1-9, Apr. 2018. tab, graf
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: vti-16940

Resumo

This study aimed to evaluate the effects of the co-feeding period (C) on the survival and growth of larvae of nishikigoi Cyprinus carpio, during the weaning period from live to inert food. A total of 1680 larvae with initial weight of 1.33 ± 0.12mg and initial length of 6.0 ± 0.33mm were used. The inert diet used was a commercial ration with 55% crude protein and the live food was the newly hatched nauplii of Artemia franciscana. The experiment was conducted following a completely randomized design with six treatments and four replications. Treatments constituted of: a) LF = supply of live food throughout the experimental period; b) C4 = 6 days of live food + 4 days of co-feeding (inert diet and live food) + 16 days of inert diet; c) C8 = 6 days of live food + 8 days of co-feeding + 12 days of inert diet; d) C12 = 6 days of live food + 12 days of co-feeding + 8 days of inert diet; e) IF = supply with inert diet throughout the experimental period; and f) F = fasting. Our results showed that the co-feeding period influences the survival and growth of the larvae. Survival in the treatment with the longest co-feeding period showed an improvement of over 70% when compared to the shortest period. Further, we noted a doubling of the juvenile weight after 26 days of age. There was a quadratic effect for all parameters, with maximum points ranging between 19.4 and 22.6 days of supply of live food. We concluded that the supply of commercial feed as exclusive food is unworkable in nishikigoi larviculture.(AU)


Com o objetivo de avaliar os efeitos do período de co-alimentação (C) na sobrevivência e crescimento de larvas de nishikigoi Cyprinus carpio, durante o período de transição de alimentos vivos (AV) para dieta inerte (DI), foram utilizados um total de 1680 larvas com peso inicial de 1,33 ± 0,12mg e comprimento inicial de 6,0 ± 0,33mm. Para a dieta inerte foi utilizada uma ração comercial com 55% de proteína bruta e como alimento vivo, nauplios recém eclodidos de Artemia franciscana. O experimento foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado com seis tratamentos e quatro repetições. Os tratamentos foram constituídos por: LF = suprimento de alimento vivo ao longo de todo período experimental; C4 = 6 dias de alimento vivo + 4 dias de co-alimentação (dieta inerte e alimento vivo) + 16 dias de dieta inerte; C8 = 6 dias de alimento vivo + 8 dias de co-alimentação + 12 dias de dieta inerte; C12 = 6 dias de alimento vivo + 12 dias de co-alimentação + 8 dias de dieta inerte; ID = dieta inerte durante todo o período experimental, J = jejum. O período de co-alimentação influencia a sobrevivência e o crescimento das larvas melhorando mais de 70% a sobrevida entre os períodos de co-alimentação mais longos e curtos testados. Além disso, foi verificado um aumento de duas vezes o peso juvenil após 26 dias de idade. Houve um efeito quadrático para todos os parâmetros, com pontos máximos variando entre 19,4 e 22,6 dias de suprimento de alimentos vivos. Também é possível concluir que o fornecimento de alimentação comercial, como alimento exclusivo, é inviável na larvicultura de nishikigoi.(AU)


Assuntos
Animais , Carpas/crescimento & desenvolvimento , Larva/crescimento & desenvolvimento , Ração Animal , Fenômenos Fisiológicos da Nutrição Animal
2.
Ciênc. rural (Online) ; 48(4): 1-9, 2018. tab, graf
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: biblio-1480104

Resumo

This study aimed to evaluate the effects of the co-feeding period (C) on the survival and growth of larvae of nishikigoi Cyprinus carpio, during the weaning period from live to inert food. A total of 1680 larvae with initial weight of 1.33 ± 0.12mg and initial length of 6.0 ± 0.33mm were used. The inert diet used was a commercial ration with 55% crude protein and the live food was the newly hatched nauplii of Artemia franciscana. The experiment was conducted following a completely randomized design with six treatments and four replications. Treatments constituted of: a) LF = supply of live food throughout the experimental period; b) C4 = 6 days of live food + 4 days of co-feeding (inert diet and live food) + 16 days of inert diet; c) C8 = 6 days of live food + 8 days of co-feeding + 12 days of inert diet; d) C12 = 6 days of live food + 12 days of co-feeding + 8 days of inert diet; e) IF = supply with inert diet throughout the experimental period; and f) F = fasting. Our results showed that the co-feeding period influences the survival and growth of the larvae. Survival in the treatment with the longest co-feeding period showed an improvement of over 70% when compared to the shortest period. Further, we noted a doubling of the juvenile weight after 26 days of age. There was a quadratic effect for all parameters, with maximum points ranging between 19.4 and 22.6 days of supply of live food. We concluded that the supply of commercial feed as exclusive food is unworkable in nishikigoi larviculture.


Com o objetivo de avaliar os efeitos do período de co-alimentação (C) na sobrevivência e crescimento de larvas de nishikigoi Cyprinus carpio, durante o período de transição de alimentos vivos (AV) para dieta inerte (DI), foram utilizados um total de 1680 larvas com peso inicial de 1,33 ± 0,12mg e comprimento inicial de 6,0 ± 0,33mm. Para a dieta inerte foi utilizada uma ração comercial com 55% de proteína bruta e como alimento vivo, nauplios recém eclodidos de Artemia franciscana. O experimento foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado com seis tratamentos e quatro repetições. Os tratamentos foram constituídos por: LF = suprimento de alimento vivo ao longo de todo período experimental; C4 = 6 dias de alimento vivo + 4 dias de co-alimentação (dieta inerte e alimento vivo) + 16 dias de dieta inerte; C8 = 6 dias de alimento vivo + 8 dias de co-alimentação + 12 dias de dieta inerte; C12 = 6 dias de alimento vivo + 12 dias de co-alimentação + 8 dias de dieta inerte; ID = dieta inerte durante todo o período experimental, J = jejum. O período de co-alimentação influencia a sobrevivência e o crescimento das larvas melhorando mais de 70% a sobrevida entre os períodos de co-alimentação mais longos e curtos testados. Além disso, foi verificado um aumento de duas vezes o peso juvenil após 26 dias de idade. Houve um efeito quadrático para todos os parâmetros, com pontos máximos variando entre 19,4 e 22,6 dias de suprimento de alimentos vivos. Também é possível concluir que o fornecimento de alimentação comercial, como alimento exclusivo, é inviável na larvicultura de nishikigoi.


Assuntos
Animais , Carpas/crescimento & desenvolvimento , Larva/crescimento & desenvolvimento , Ração Animal , Fenômenos Fisiológicos da Nutrição Animal
3.
Semina ciênc. agrar ; 38(3): 1451-1460, maio-jun. 2017. tab, graf
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: biblio-1500773

Resumo

This study aimed to evaluate the influence propolis extract inclusion to the feed mixture for juvenile angelfish (Pterophyllum scalare) on larval performance and transport. Levels of propolis extract inclusion consisted of 0, 300, 600, 900, and 1200 mg.kg-1 of feed. After 14 days of hatching, unmetamorphosed larvae with a total length of 18.4 mm and 0.11 g initial weight were used. Six-hundred larvae were divided into 20 experimental units, totalizing 30 larvae each. Experimental units consisted of polythene containers with independent water input and output and a level controller. Each unit was controlled for maintenance of 40 L water within a recirculation system. After offering feed containing propolis extract, five fish from each experimental unit were packed in bags for transportation only with atmospheric air, without pure oxygen addition. The bags were filled with 300 mL water on a 2:1 basis of air and water respectively. The total transport time was considered until the death of the third fish in package. At the end of the experiment, data underwent statistical analysis through Statistical Analysis System (SAS, 2001). Results showed there was no significant difference (P<0.05) neither for any of the studied zootechnical variables (standard length, total length, height, and weight) nor for the transport of juveniles. In conclusion, propolis extract addition to angelfish feed was ineffective for larval performance and for transportation of juveniles, at the levels tested here.


Este estudo teve como objetivo avaliar a influência da inclusão de extrato de própolis na mistura de ração para juvenis de acará bandeira (Pterophyllum scalare) no desempenho larval e transporte. Os níveis de inclusão de extrato de própolis consistiam em 0, 300, 600, 900 e 1200 mg.kg-1 de alimento. Após 14 dias de incubação, utilizaram-se larvas não metamorfoseadas com um comprimento total de 18,4 mm e 0,11 g de peso inicial. Seiscentas larvas foram divididas em 20 unidades experimentais, totalizando 30 larvas cada. As unidades experimentais consistiram em recipientes de polietileno com entrada e saída independentes de água e um controlador de nível. Cada unidade foi controlada mantendo-se o volume de 40 L de água, compondo um sistema de recirculação. Após a oferta de alimento contendo extrato de própolis, cinco peixes de cada unidade experimental foram acondicionados em sacos para transporte somente com ar atmosférico, sem adição de oxigênio puro. Os sacos foram cheios com 300 ml de água na proporção 2:1 de ar e água, respectivamente. O tempo total de transporte foi considerado até a morte do terceiro peixe na embalagem. No final do experimento, os dados foram submetidos à análise estatística através do Statistical Analysis System (SAS, 2001). Os resultados mostraram que não houve diferença significativa (P<0.05) nem para nenhuma das variáveis zootécnicas estudadas (comprimento padrão, comprimento total, altura e peso) nem para o transporte de juvenis. Em conclusão, a adição de extrato de própolis para a alimentação de acará bandeira foi ineficaz para o desempenho larval e para o transporte de juvenis, nos níveis aqui testados.


Assuntos
Animais , Larva/crescimento & desenvolvimento , Perciformes/crescimento & desenvolvimento , Própole/análise , Própole/efeitos adversos
4.
Semina Ci. agr. ; 38(3): 1451-1460, maio-jun. 2017. tab, graf
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: vti-13792

Resumo

This study aimed to evaluate the influence propolis extract inclusion to the feed mixture for juvenile angelfish (Pterophyllum scalare) on larval performance and transport. Levels of propolis extract inclusion consisted of 0, 300, 600, 900, and 1200 mg.kg-1 of feed. After 14 days of hatching, unmetamorphosed larvae with a total length of 18.4 mm and 0.11 g initial weight were used. Six-hundred larvae were divided into 20 experimental units, totalizing 30 larvae each. Experimental units consisted of polythene containers with independent water input and output and a level controller. Each unit was controlled for maintenance of 40 L water within a recirculation system. After offering feed containing propolis extract, five fish from each experimental unit were packed in bags for transportation only with atmospheric air, without pure oxygen addition. The bags were filled with 300 mL water on a 2:1 basis of air and water respectively. The total transport time was considered until the death of the third fish in package. At the end of the experiment, data underwent statistical analysis through Statistical Analysis System (SAS, 2001). Results showed there was no significant difference (P<0.05) neither for any of the studied zootechnical variables (standard length, total length, height, and weight) nor for the transport of juveniles. In conclusion, propolis extract addition to angelfish feed was ineffective for larval performance and for transportation of juveniles, at the levels tested here.(AU)


Este estudo teve como objetivo avaliar a influência da inclusão de extrato de própolis na mistura de ração para juvenis de acará bandeira (Pterophyllum scalare) no desempenho larval e transporte. Os níveis de inclusão de extrato de própolis consistiam em 0, 300, 600, 900 e 1200 mg.kg-1 de alimento. Após 14 dias de incubação, utilizaram-se larvas não metamorfoseadas com um comprimento total de 18,4 mm e 0,11 g de peso inicial. Seiscentas larvas foram divididas em 20 unidades experimentais, totalizando 30 larvas cada. As unidades experimentais consistiram em recipientes de polietileno com entrada e saída independentes de água e um controlador de nível. Cada unidade foi controlada mantendo-se o volume de 40 L de água, compondo um sistema de recirculação. Após a oferta de alimento contendo extrato de própolis, cinco peixes de cada unidade experimental foram acondicionados em sacos para transporte somente com ar atmosférico, sem adição de oxigênio puro. Os sacos foram cheios com 300 ml de água na proporção 2:1 de ar e água, respectivamente. O tempo total de transporte foi considerado até a morte do terceiro peixe na embalagem. No final do experimento, os dados foram submetidos à análise estatística através do Statistical Analysis System (SAS, 2001). Os resultados mostraram que não houve diferença significativa (P<0.05) nem para nenhuma das variáveis zootécnicas estudadas (comprimento padrão, comprimento total, altura e peso) nem para o transporte de juvenis. Em conclusão, a adição de extrato de própolis para a alimentação de acará bandeira foi ineficaz para o desempenho larval e para o transporte de juvenis, nos níveis aqui testados.(AU)


Assuntos
Animais , Perciformes/crescimento & desenvolvimento , Própole/efeitos adversos , Própole/análise , Larva/crescimento & desenvolvimento
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA