Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 5 de 5
Filtrar
Mais filtros

Base de dados
Ano de publicação
Tipo de documento
Intervalo de ano de publicação
1.
Ciênc. anim. bras. (Impr.) ; 8(3): 545-558, 2007.
Artigo em Português | LILACS-Express | VETINDEX | ID: biblio-1474075

Resumo

Ultrasonography is an efficient method for evalu-ating the internal structure of the liver and it gives datum about size, shape and parenchymal disorders. Although the visualization and differentiation of hepatic and portal veins are possible, theirs identification is arduous and the ultrasonographic differentiation of the livers lobes has not been described yet. The aim of this study was the ul-trasonographic identification of the canine livers lobes, describing its anatomic landmarkers. Ultrasound scans of the liver were applied to 86 adult dogs. Hepatic and por-tal veins examination of 10 normal dogs and 5 dogs with right vein congestion were made. A vynil vascular cast of hepatic and portal veins was obteined. In order to study segmentation, 70 dogs (including 10 cadavers) had pre-determinated livers regions examined sonographically, which were certificated by color ink guided injection and further necropsy in the cadavers. The results of the pre-sent research are helpful to determinate the canine livers lobes. As most hepatic and portal veins are difficult to be sonographically identified in dogs, segmentation based on the vascular distribution pattern proved to be useless for their determination, althought when identified, these ves-sels are helpful to determinate the lobe.KEY-WORDS: Anatomy, dogs, live, ultrasound, veins.


O exame ultra-sonográfico mostra-se um método eficaz para a avaliação do fígado fornecendo dados sobre o seu tamanho, forma e alterações do parênquima. Embora a visualização e a diferenciação entre as veias hepáticas e os vasos portais sejam possíveis, são de difícil identificação anatômica, não havendo descrição literária de nenhum método que permita determinar os lobos. O objetivo desta pesquisa foi a identificação dos lobos hepáticos de cães, por meio de ultra-sonografia, descrevendo estruturas que sirvam como pontos de referência. Foram utilizados 86 cães, 15 para a identificação dos vasos pela ultra-sonografia (10 hígidos e 5 que apresentaram congestão venosa direita) e 70 animais para o exame hepático de regiões predeterminadas. A comprovação da região hepática visibilizada deu-se por meio de injeção guiada de tinta colorida e posterior necrópsia em 10 cadáveres, sendo que um deles foi utilizado para obtenção de molde vascular em vinil. Este trabalho permite concluir que o emprego da segmentação da região abdominal cranial auxilia na determinação dos lobos, dando referências mais precisas para a localização de lesões no parênquima hepático. Muitas veias hepáticas e portais, apesar de difícil identificação, auxiliam a determinar o lobo.PALAVRAS-CHAVES: Anatomia, cães, fígado, ultra-sonografia, veias.

2.
Acta sci. vet. (Impr.) ; 35(3): 345-355, 2007.
Artigo em Português | LILACS-Express | VETINDEX | ID: biblio-1456571

Resumo

Atualmente, na medicina veterinária, os estudos envolvendo reprodução de eqüinos e principalmente a qualidade das fêmeas, que na maioria das vezes são consideradas como receptoras, são de extrema valia, devido a ganho de produção e qualidade de plantel dos criadores, sendo assim, teve-se por objetivo estudar o comportamento da artéria ovárica em éguas, ou seja, a sua ramificação e distribuição no parênquima ovariano, para dar subsídios a um melhor entendimento das manobras de melhoramento genético e produção, focando aspectos morfológicos e fisiológicos da vascularização e viabilidade deste órgão na reprodução animal. Foram utilizados 68 ovários (34 pares) de éguas adultas sem raça definida, com diferentes idades, obtidas no Frigorífico Pomar, município de Araguari, MG. Verificou-se que a artéria ovárica apresenta um trajeto longo, flexuoso e espiralado, alcançando a glândula por meio da margem mesovárica, próximo à extremidade uterina. Esta artéria mantém o sentido ora dorsal ora ventral, segue em direção à extremidade tubárica, contorna-a até atingir a fossa ovárica, e penetra na glândula somente após ter percorrido toda a sua superfície. A artéria ovárica apresentou dois arranjos vasculares: um com emissão de 2 a 62 ramos dorsais e 4 a 46 ramos ventrais, durante seu percurso na margem mesovárica em 51 preparações (75%) e no outro arranjo a artéria ovárica, na extremidade ute

3.
Acta sci. vet. (Online) ; 35(3): 345-355, 2007.
Artigo em Português | VETINDEX | ID: vti-733347

Resumo

Atualmente, na medicina veterinária, os estudos envolvendo reprodução de eqüinos e principalmente a qualidade das fêmeas, que na maioria das vezes são consideradas como receptoras, são de extrema valia, devido a ganho de produção e qualidade de plantel dos criadores, sendo assim, teve-se por objetivo estudar o comportamento da artéria ovárica em éguas, ou seja, a sua ramificação e distribuição no parênquima ovariano, para dar subsídios a um melhor entendimento das manobras de melhoramento genético e produção, focando aspectos morfológicos e fisiológicos da vascularização e viabilidade deste órgão na reprodução animal. Foram utilizados 68 ovários (34 pares) de éguas adultas sem raça definida, com diferentes idades, obtidas no Frigorífico Pomar, município de Araguari, MG. Verificou-se que a artéria ovárica apresenta um trajeto longo, flexuoso e espiralado, alcançando a glândula por meio da margem mesovárica, próximo à extremidade uterina. Esta artéria mantém o sentido ora dorsal ora ventral, segue em direção à extremidade tubárica, contorna-a até atingir a fossa ovárica, e penetra na glândula somente após ter percorrido toda a sua superfície. A artéria ovárica apresentou dois arranjos vasculares: um com emissão de 2 a 62 ramos dorsais e 4 a 46 ramos ventrais, durante seu percurso na margem mesovárica em 51 preparações (75%) e no outro arranjo a artéria ovárica, na extremidade ute

4.
Acta sci. vet. (Online) ; 35(3): 345-355, 2007.
Artigo em Português | VETINDEX | ID: vti-731768

Resumo

Atualmente, na medicina veterinária, os estudos envolvendo reprodução de eqüinos e principalmente a qualidade das fêmeas, que na maioria das vezes são consideradas como receptoras, são de extrema valia, devido a ganho de produção e qualidade de plantel dos criadores, sendo assim, teve-se por objetivo estudar o comportamento da artéria ovárica em éguas, ou seja, a sua ramificação e distribuição no parênquima ovariano, para dar subsídios a um melhor entendimento das manobras de melhoramento genético e produção, focando aspectos morfológicos e fisiológicos da vascularização e viabilidade deste órgão na reprodução animal. Foram utilizados 68 ovários (34 pares) de éguas adultas sem raça definida, com diferentes idades, obtidas no Frigorífico Pomar, município de Araguari, MG. Verificou-se que a artéria ovárica apresenta um trajeto longo, flexuoso e espiralado, alcançando a glândula por meio da margem mesovárica, próximo à extremidade uterina. Esta artéria mantém o sentido ora dorsal ora ventral, segue em direção à extremidade tubárica, contorna-a até atingir a fossa ovárica, e penetra na glândula somente após ter percorrido toda a sua superfície. A artéria ovárica apresentou dois arranjos vasculares: um com emissão de 2 a 62 ramos dorsais e 4 a 46 ramos ventrais, durante seu percurso na margem mesovárica em 51 preparações (75%) e no outro arranjo a artéria ovárica, na extremidade ute

5.
Ci. Anim. bras. ; 8(3): 545-558, 2007.
Artigo em Português | VETINDEX | ID: vti-713821

Resumo

Ultrasonography is an efficient method for evalu-ating the internal structure of the liver and it gives datum about size, shape and parenchymal disorders. Although the visualization and differentiation of hepatic and portal veins are possible, theirs identification is arduous and the ultrasonographic differentiation of the livers lobes has not been described yet. The aim of this study was the ul-trasonographic identification of the canine livers lobes, describing its anatomic landmarkers. Ultrasound scans of the liver were applied to 86 adult dogs. Hepatic and por-tal veins examination of 10 normal dogs and 5 dogs with right vein congestion were made. A vynil vascular cast of hepatic and portal veins was obteined. In order to study segmentation, 70 dogs (including 10 cadavers) had pre-determinated livers regions examined sonographically, which were certificated by color ink guided injection and further necropsy in the cadavers. The results of the pre-sent research are helpful to determinate the canine livers lobes. As most hepatic and portal veins are difficult to be sonographically identified in dogs, segmentation based on the vascular distribution pattern proved to be useless for their determination, althought when identified, these ves-sels are helpful to determinate the lobe.KEY-WORDS: Anatomy, dogs, live, ultrasound, veins.


O exame ultra-sonográfico mostra-se um método eficaz para a avaliação do fígado fornecendo dados sobre o seu tamanho, forma e alterações do parênquima. Embora a visualização e a diferenciação entre as veias hepáticas e os vasos portais sejam possíveis, são de difícil identificação anatômica, não havendo descrição literária de nenhum método que permita determinar os lobos. O objetivo desta pesquisa foi a identificação dos lobos hepáticos de cães, por meio de ultra-sonografia, descrevendo estruturas que sirvam como pontos de referência. Foram utilizados 86 cães, 15 para a identificação dos vasos pela ultra-sonografia (10 hígidos e 5 que apresentaram congestão venosa direita) e 70 animais para o exame hepático de regiões predeterminadas. A comprovação da região hepática visibilizada deu-se por meio de injeção guiada de tinta colorida e posterior necrópsia em 10 cadáveres, sendo que um deles foi utilizado para obtenção de molde vascular em vinil. Este trabalho permite concluir que o emprego da segmentação da região abdominal cranial auxilia na determinação dos lobos, dando referências mais precisas para a localização de lesões no parênquima hepático. Muitas veias hepáticas e portais, apesar de difícil identificação, auxiliam a determinar o lobo.PALAVRAS-CHAVES: Anatomia, cães, fígado, ultra-sonografia, veias.

SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA