Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 1 de 1
Filtrar
Mais filtros

Base de dados
Ano de publicação
Tipo de documento
Intervalo de ano de publicação
1.
Rev. Ciênc. Agrovet. (Online) ; 22(3): 367-377, ago. 2023. tab, graf
Artigo em Português | VETINDEX | ID: biblio-1451464

Resumo

A total of twentymixtures of weed, B-Lac and molasses were prepared in orderto evaluate an accelerated liquid fertilizer (ALF) based on these plants. A mixture of 85% weed: water (1:1), 10% molasses and 5% B-Lac showed the best characteristics and was reproduced at a pilot scale. ALF was applied to lettuce using the following treatments: one foliar application per week of 10 mL L-1 (FA1), two foliar applications per week of 10 mL L-1 (FA2), one drench application of 50 mL L-1 every week (DA1), a drench application of 50 mL L-1 every two weeks (DA2) and a control without application (CWA). The variables evaluated were total yield, commercial yield, fresh weight, height, head diameter, percentage of dry matter and the concentration of foliar nitrogen, phosphorus, and potassium.The mixtures in the laboratoryand pilot phase were evaluated in a completely randomized design. The field phase was assessed in a completely randomized block design with five treatments and four replications. No significant differences were found between the treatments, except in the percentage of dry matter and potassium content, where FA2 showed the best results (2.35% and 541 mg plant-1, respectively). The highest total yield (26.4 t ha-1) and commercial (24.11 t ha-1) were achieved with DA2; however, the nutritional content was lower than that in the other treatments. Using homolactic fermentation it was possible to recycle weeds and produce ALF, which has potential as a biofertilizer according to its chemical characterization and effects shown on lettuce cultivation.(AU)


Foram preparadas vinte misturas de ervas daninhas, B-Lac e melaço para avaliar um fertilizante líquido acelerado (ALF) baseado nessas plantas. Uma misturade 85% erva:água (1:1), 10% melaço e 5% B-Lac apresentou as melhores características e foi reproduzida em escala piloto. A ALF foi aplicada à alface utilizando os seguintes tratamentos: uma aplicação foliar por semana de 10 mL L-1(AF1), duas aplicações foliares por semana de 10 mL L-1(AF2), uma aplicação via drench de 50 mL L-1a cada semana (AD1), uma aplicação via drench de 50 mL L-1a cada duas semanas (AD2) e um controle sem aplicação (CSA). As variáveis avaliadas foram produtividade total, produtividade comercial, massa fresca, altura, diâmetro da cabeça, porcentagem de matéria seca e concentração foliar de nitrogênio, fósforo e potássio. As misturas na fase de laboratório e piloto foram avaliadas em delineamentos inteiramente casualizados. A fase decampo foi avaliada em blocos casualizados com cinco tratamentos e quatro repetições. Não foram encontradas diferenças significativas entre os tratamentos, exceto no percentual de matéria seca e no teor de potássio, onde o AF2 apresentou os melhores resultados (2,35% e 541 mg planta-1, respectivamente). As maiores produtividades total (26,4 t ha-1) e comercial (24,11 t ha-1) foram obtidas com AD2; no entanto, o teor nutricional foi inferior aos demais tratamentos. Utilizando a fermentação homolática foi possível reciclar as ervas daninhas e produzir FLA, que tem potencial como biofertilizante de acordo com sua caracterização química e efeitos demonstrados no cultivo de alface.(AU)


Assuntos
Lactuca/fisiologia , Fermentação/fisiologia , Fertilizantes/análise
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA