Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 2 de 2
Filtrar
Mais filtros

Base de dados
Ano de publicação
Tipo de documento
Intervalo de ano de publicação
1.
Ciênc. rural (Online) ; 53(1): e20210556, 2023. tab, graf
Artigo em Inglês | LILACS-Express | VETINDEX | ID: biblio-1384548

Resumo

ABSTRACT: Agriculture trade remains the economic fulcrum of most African countries as the continent continues to host the largest percent of arable land. This research analyzed the Economic Community of West African States (ECOWAS) and China's agricultural products trade determinants based on 19 years (2000-2018) panel dataset of West African countries aggregate agricultural products exports ($) and macroeconomic variables; GDP, population, arable land, language investment, and trade association(WTO)) as predictors. The PPML estimation method was employed due to its prediction accuracy, the size of the data, and potential hetroskadacity issues. With a 78.5% prediction power, the model explained the variation in ECOWAS-China agricultural trade (Exports). GDPj, lnPOPj, lnPOPi, and lnARLj, LndLj, ConfInsj, and WTOij were positive and statistically significant determinants of trade as hypothesized by existing trade literature. In addition, the China's population (lnPOPj) had a value of 0.5877, which is significant at the 5% level, indicating that a 1% increase in the Chinese population significantly increases trade in agricultural products with ECOWAS states. The coefficient of distance (Dij) is -4.4573 statistically significant at the 1% level, indicating that distance between partners impedes trade flow. There are unidentified barriers that delay the progress of trade in agricultural products between ECOWAS and China. Based on the above findings, Investments in ECOWAS arable lands demand urgent attention if significant progress in exports is expected, additionally, governments of both partners should assist Agricultural research and development to identify and rectify stifling trade barriers. Furthermore, as trade between ECOWAS and China has not yet reached its full peak, studies on export determinants of individual Agro-commodities and potentials are needed to enrich literature.


RESUMO: O comércio agrícola continua sendo o sustentáculo econômico da maioria dos países africanos, visto que o continente continua a hospedar a maior porcentagem de terras aráveis. Este trabalho analisou os determinantes do comércio de produtos agrícolas de paises do oeste da África ECOWAS e da China com base em um conjunto de dados de painel de 19 anos (2000-2018) dos países da África Ocidental, agregando exportações de produtos agrícolas ($) e variáveis macroeconômicas (PIB, população, terras aráveis, investimento linguístico e associação comercial (OMC)) como preditores. O método de estimativa PPML foi empregado devido à sua precisão de previsão, o tamanho dos dados e possíveis problemas de heteroscedasticidade. Com um poder de previsão de 78,5%, o modelo explicou a variação do comércio agrícola Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) -China (Exportações). GDPj, lnPOPj, lnPOPi e lnARLj, LndLj, ConfInsj e WTOij foram determinantes positivos e estatisticamente significativos do comércio, conforme hipotetizado pela literatura comercial existente. Além disso, a população chinesa (lnPOPj) teve um valor de 0,5877, o que é significativo ao nível de 5%, indicando que um aumento de 1% na população chinesa aumenta significativamente o comércio de produtos agrícolas com os estados da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).O coeficiente de distância (Dij) é -4,4573 estatisticamente significativo no nível de 1%, indicando que a distância entre os parceiros impede o fluxo comercial. Existem barreiras não identificadas que atrasam o progresso do comércio de produtos agrícolas entre a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e a China. Com base nas conclusões acima, os investimentos em terras aráveis da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) exigem atenção urgente se houver progresso significativo nas exportações. Além disso, os governos de ambos os parceiros devem ajudar a pesquisa e o desenvolvimento agrícola a identificar e retificar as barreiras comerciais sufocantes. Além disso, como o comércio entre a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e a China ainda não atingiu o seu pico, são necessários estudos sobre os determinantes das exportações de produtos agrícolas individuais e potenciais para enriquecer a literatura.

2.
Ciênc. rural (Online) ; 53(1): 1-16, 2023. tab, graf
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: biblio-1410718

Resumo

Agriculture trade remains the economic fulcrum of most African countries as the continent continues to host the largest percent of arable land. This research analyzed the Economic Community of West African States (ECOWAS) and China's agricultural products trade determinants based on 19 years (2000-2018) panel dataset of West African countries aggregate agricultural products exports ($) and macroeconomic variables; GDP, population, arable land, language investment, and trade association(WTO)) as predictors. The PPML estimation method was employed due to its prediction accuracy, the size of the data, and potential hetroskadacity issues. With a 78.5% prediction power, the model explained the variation in ECOWAS-China agricultural trade (Exports). GDPj, lnPOPj, lnPOPi, and lnARLj, LndLj, ConfInsj, and WTOij were positive and statistically significant determinants of trade as hypothesized by existing trade literature. In addition, the China's population (lnPOPj) had a value of 0.5877, which is significant at the 5% level, indicating that a 1% increase in the Chinese population significantly increases trade in agricultural products with ECOWAS states. The coefficient of distance (Dij) is -4.4573 statistically significant at the 1% level, indicating that distance between partners impedes trade flow. There are unidentified barriers that delay the progress of trade in agricultural products between ECOWAS and China. Based on the above findings, Investments in ECOWAS arable lands demand urgent attention if significant progress in exports is expected, additionally, governments of both partners should assist Agricultural research and development to identify and rectify stifling trade barriers. Furthermore, as trade between ECOWAS and China has not yet reached its full peak, studies on export determinants of individual Agro-commodities and potentials are needed to enrich literature.


O comércio agrícola continua sendo o sustentáculo econômico da maioria dos países africanos, visto que o continente continua a hospedar a maior porcentagem de terras aráveis. Este trabalho analisou os determinantes do comércio de produtos agrícolas de paises do oeste da África ECOWAS e da China com base em um conjunto de dados de painel de 19 anos (2000-2018) dos países da África Ocidental, agregando exportações de produtos agrícolas ($) e variáveis macroeconômicas (PIB, população, terras aráveis, investimento linguístico e associação comercial (OMC)) como preditores. O método de estimativa PPML foi empregado devido à sua precisão de previsão, o tamanho dos dados e possíveis problemas de heteroscedasticidade. Com um poder de previsão de 78,5%, o modelo explicou a variação do comércio agrícola Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) -China (Exportações). GDPj, lnPOPj, lnPOPi e lnARLj, LndLj, ConfInsj e WTOij foram determinantes positivos e estatisticamente significativos do comércio, conforme hipotetizado pela literatura comercial existente. Além disso, a população chinesa (lnPOPj) teve um valor de 0,5877, o que é significativo ao nível de 5%, indicando que um aumento de 1% na população chinesa aumenta significativamente o comércio de produtos agrícolas com os estados da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).O coeficiente de distância (Dij) é -4,4573 estatisticamente significativo no nível de 1%, indicando que a distância entre os parceiros impede o fluxo comercial. Existem barreiras não identificadas que atrasam o progresso do comércio de produtos agrícolas entre a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e a China. Com base nas conclusões acima, os investimentos em terras aráveis da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) exigem atenção urgente se houver progresso significativo nas exportações. Além disso, os governos de ambos os parceiros devem ajudar a pesquisa e o desenvolvimento agrícola a identificar e retificar as barreiras comerciais sufocantes. Além disso, como o comércio entre a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e a China ainda não atingiu o seu pico, são necessários estudos sobre os determinantes das exportações de produtos agrícolas individuais e potenciais para enriquecer a literatura.


Assuntos
Povo Asiático , Agricultura , Comercialização de Produtos
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA