Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 1 de 1
Filtrar
Mais filtros

Base de dados
Ano de publicação
Tipo de documento
Intervalo de ano de publicação
1.
Ciênc. anim. bras. (Impr.) ; 24: e-75114E, 2023. ilus
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: biblio-1447897

Resumo

This study describes a corrective procedure for a metatarsal angular malformation using wedge ostectomy in a 41-day-old Thoroughbred filly. A 41.6 °angular malformation of the metatarsus was corrected with wedge ostectomy of the left hindlimb in association with a type II external fixator and methyl methacrylate resin. The animal was subjected to the surgical procedure under general anesthesia. The filly was placed in dorsal recumbency with the left hind limb free for manipulation. A bone saw was used for the wedge ostectomy, while the bars for external fixation were placed using a drill. A Kirschner pin and acrylic resin were then applied. Radiographic images obtained immediately after surgery confirmed a total malformation reduction of 32.6 (from 41.6° to 9°). With medication and a Robert Jones bandage, intensive postoperative care was instituted to ensure that the animal adapted properly to the linear external fixator without overloading the pins and connection bars. No postoperative complications were observed. On the day after surgery, the filly was standing and walking with no signs of pain. After 180 days, total osseous calcification was achieved, and the implants were removed during the second surgery. The filly demonstrated adequate locomotion, performed all the movements, and ran without any difficulty in the paddock. The remaining discrete angular deviations were partially corrected using hoof trimming.


O objetivo desse estudo é descrever o procedimento de correção da malformação de desvio angular metatársico, utilizando ostectomia em cunha, em uma potra puro-sangue de 41 dias de idade. Uma malformação metatársica angular de 41.6º foi corrigida com a técnica de ostectomia em cunha, em associação com fixador externo tipo II e resina de metilmetacrilato, no membro pélvico esquerdo. O animal foi submetido à cirurgia sob protocolo de anestesia geral. A potra foi posicionada em decúbito dorsal, com o membro pélvico esquerdo livre para manipulação. Para a realização da ostectomia em cunha, foi utilizada uma serra óssea. Para a instalação das barras do fixador externo, uma furadeira foi utilizada e, para fixá-los, pinos de Kirschner e resina acrílica foram aplicados. Logo após a cirurgia, imagens radiográficas foram obtidas para confirmar a redução total de 32,6º (de 41,6º para 9º) de angulação. Para garantir que o animal se adaptasse ao fixador externo linear e não sobrecarregasse os pinos e barras, foram instituídos cuidados pós-operatórios intensos, com medicações e bandagem de Robert Jones. Não houve complicações no pós-operatório. No dia seguinte à cirurgia, a potra estava em pé, caminhando e sem sinais de dor. Após 180 dias, alcançou total calcificação óssea e os implantes puderam ser removidos em um segundo tempo cirúrgico. A potra demonstrou locomoção adequada, realizando todos os movimentos normais e pôde correr pelo pasto sem dificuldades. Um discreto desvio angular remanescente foi parcialmente corrigido por casqueamento.


Assuntos
Animais , Deformidades do Pé/veterinária , Metatarso/cirurgia , Doenças dos Cavalos
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA