Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Effects of flunixin meglumine, meloxicam, and firocoxib on the acute-phase proteins in horses following standing castration / Efeitos do flunixin meglumine, meloxicam e firocoxib na concentração de proteínas da fase aguda após em equinos após castração

Filippo, Paula A. Di; Gobbi, Francielli P; Lemos, Gabriela B; Quirino, Célia R; Martins, Carla B; Fonseca, Leandro A.
Pesqui. vet. bras; 41: e06533, 2021. tab
Artigo em Inglês | LILACS | ID: biblio-1279531

Resumo

Excessive infection and inflammation are the most common complications associated with castration. The objective of this study was to compare the efficacy of flunixin meglumine (FM), meloxicam (MX), or firocoxib (FX) for inflammation control after castration in horses using acute-phase proteins (APP) as markers of inflammation. Thirty healthy, unbroken, mixed-breed horses (body weight 358.62±45.57kg and age 4.99±2.63 years) were randomly (n=10 animals/group) allocated to receive one of three different post-castration anti-inflammatory medicines: Group 1 (FM 1.1mg/kg bwt, IV, s.i.d for 5 days); Group 2 (MX 0.6mg/kg bwt, IV, s.i.d for 5 days); and Group 3 (FX 0.1mg/kg bwt, IV, s.i.d for 5 days). All horses were castrated in standing position, using the open technique. Serum and peritoneal APP concentrations were measured by sodium dodecyl sulfate (SDS) polyacrylamide gel electrophoresis (PAGE) and determined before castration (0), and 3, 5, 24, 48, 72, 120 and 168 hours after castration. The results were submitted to analysis of variance using the SAS statistical program, and means were compared by the Student-Newman-Keuls test (p<0.05). Three animals from the MX group developed hyperthermia (with rectal temperatures of 39.8, 39.3 and 38.9°C on day 4, 5 and 6, respectively) and showed local clinical signs of inflammation (inguinal and excessive scrotal edema) and reluctance to walk, as well as a rigid gait of the hind limbs. The same complications were observed in one FX horse. No complications were observed among the FM animals. The castration resulted in significant changes in serum and peritoneal values of total proteins, ceruloplasmin (Cp), transferrin (Tf), albumin (Alb), haptoglobin (Hp) and α1-acid glycoprotein (Gp) in animals of all experimental groups. However, the animals of the MX and FX groups presented more intense acute phase response compared to the animals of the FM group. Changes in the APP were associated with the surgical trauma of castration, but the differences between groups were associated with the ability of the nonsteroidal anti-inflammatory drug to control the inflammation. In conclusion, and based on the findings of acute phase proteins, flunixin is more efficient to control the magnitude of inflammation following castration as compared to meloxicam and firocoxib.(AU)
Infecção e inflamação excessivas são as complicações mais comuns associadas à castração. O objetivo deste estudo foi comparar a eficácia do flunixin meglumine (FM), meloxicam (MX) ou firocoxib (FX) no controle da inflamação após a castração em cavalos usando proteínas da fase aguda (APP) como marcadores de inflamação. Trinta equinos saudáveis (358,62±45,57kg; 4,99±2,63 anos) foram em função dos anti-inflamatórios utilizados após as castrações aleatoriamente (n= 10 animais/grupo) alocados em três diferentes grupos: Grupo 1 (FM 1,1mg/kg de peso, IV, sid por 5 dias); Grupo 2 (MX 0,6mg/kg de peso, IV, s.i.d por 5 dias); e Grupo 3 (FX 0,1mg/kg de peso, IV, s.i.d por 5 dias). Todos os cavalos foram castrados em posição quadrupedal, utilizando a técnica aberta. As concentrações de APP sérica e peritoneal foram separadas por eletroforese em gel de poliacrilamida (PAGE) com dodecil-sulfato de sódio (SDS) e determinadas no momento 0 (antes da castração) e com 3, 5, 24, 48, 72, 120 e 168 horas após a castração. Os resultados foram submetidos à análise de variância pelo programa estatístico SAS e as médias foram comparadas pelo teste de Student-Newman-Keuls (p<0,05). Três animais do grupo MX desenvolveram hipertermia (com temperatura retal de 39,8, 39,3 e 38,9° C nos dias 4, 5 e 6, respectivamente) e mostraram sinais clínicos locais de inflamação (edema inguinal e escrotal excessivo) e relutância em andar, bem como marcha rígida dos membros posteriores. As mesmas complicações foram observadas em um cavalo do FX. Não foram observadas complicações entre os animais do FM. Independente do grupo, a castração resultou em alterações significativas nos valores séricos e peritoneais de proteínas totais, ceruloplasmina (Cp), transferrina (Tf), albumina (Alb), haptoglobina (Hp) e glicoproteína ácida α1 (Gp). No entanto, os animais dos grupos MX e FX apresentaram resposta de fase aguda mais intensa quando comparados aos animais do FM. Alterações na resposta de fase aguda deveram-se ao trauma cirúrgico da castração, mas as diferenças entre os grupos foram associadas à capacidade do anti-inflamatório em controlar a inflamação. Em conclusão, baseado da resposta de fase aguda, o flunixin em comparação com o meloxicam e o firocoxib é mais eficiente no controle da inflamação após a castração em equinos.(AU)
Biblioteca responsável: BR68.1