Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Environmental influences on the ichthyoplankton in hypersaline estuaries located in a Semiarid Northeastern Brazilian coast

Badú, Maria Luísa A. S; Lima, Caroline S. Silva; Pessanha, André Luiz Machado.
Neotrop. ichthyol; 20(1): e210081, 2022. tab, graf
Artigo em Inglês | LILACS | ID: biblio-1365204

Resumo

Hypersaline estuaries are commonly found in the Semiarid Northeast Brazilian coast. However, the utilization of these estuaries by early life stages of fishes is less well documented. This study aimed to evaluate the effects of environmental factors on the ichthyoplankton, and to describe their spatial and temporal variation in two estuaries (Tubarão and Casqueira). The sampling were diurnally in four excursions carried out during two dry-season months (November and December 2017) and two rainy-season months (May and July 2018). A total of 423 larvae representing 30 species (14 families) and 2,762 eggs (five families) were collected. Although the community structures were similar in both estuaries, there was strong seasonal variation, with higher abundances observed during the dry season. Low rainfall was the primary environmental driver affecting ichthyoplankton in both estuaries. Other environmental factors, such as depth, water temperature, and channel width, were also predictor variables for the distribution of eggs and larvae. The ichthyoplankton was dominated by marine estuarine-dependent species in both estuaries, accounting for 76% of individuals. The presence of the early life stages of typically marine species suggests that hypersaline environments provide important nursery areas and play an essential role for some coastal fish species.(AU)
Os estuários hipersalinos são comumente encontrados na região semiárida da costa nordestina brasileira. No entanto, a utilização desses estuários pelos primeiros estágios de vida dos peixes é pouco documentada. O objetivo deste estudo foi avaliar os efeitos de fatores ambientais sobre o ictioplâncton e descrever sua variação espacial e temporal em dois estuários (Tubarão e Casqueira). As amostragens foram diurnas em quatro excursões realizadas em dois meses da estação seca (novembro e dezembro de 2017) e dois meses da estação chuvosa (maio e julho de 2018). Um total de 423 larvas representando 30 espécies (14 famílias) e 2.762 ovos (cinco famílias) foram coletadas. Embora as estruturas das comunidades fossem semelhantes em ambos os estuários, houve fortes diferenças de variação sazonal, com maiores abundâncias observadas durante a estação seca. A baixa precipitação foi o principal fator ambiental que afetou o ictioplâncton em ambos os estuários. Outros fatores, como profundidade, temperatura da água e largura do canal, também foram preditoras para a distribuição de ovos e larvas. O ictioplâncton foi dominado por espécies marinhas dependentes em ambos os estuários, representando 76% dos indivíduos. A presença de estágios iniciais de espécies tipicamente marinhas sugere que ambientes hipersalinos fornecem áreas de berçário importantes e desempenham um papel essencial para algumas espécies de peixes costeiros.(AU)
Biblioteca responsável: BR68.1