Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Buffering capacity and fecal pH in healthy horses submitted to experimental enteral nutrition / Capacidade tamponante e pH fecal de equinos sadios submetidos a teste clínico de nutrição enteral

Baumhak, Marina Juliani; Michima, Lilian Emy dos Santos; Andrioli, Beatriz Moreira; Brandi, Roberta Ariboni; Weigel, Rebeca Alves; Nichi, Marcílio; Belli, Carla Bargi; Siqueira, Renata Farinelli de.
Semina ciênc. agrar; 42(6, supl. 2): 3793-3802, 2021. tab, graf
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: biblio-1371645

Resumo

This study set out to determine the impacts of a commercial equine enteral nutrition product on fecal pH, buffering capacity (BC) and physical examination variables. Eight healthy horses were randomly allocated to one of two simultaneous experimental groups in a 4×4 Latin square design. Horses were submitted to 12 hours of solid fasting, then fed increasing doses of the test product via nasogastric tube, as follows: 0% (pure water), 50%, 75% and 100% of the daily recommended dose. Test product doses were diluted in water (1:3) and delivered by bolus feeding. Fecal samples were taken directly from the rectal ampulla prior to (T0) and within 3, 6, 12, 24, 36 and 48 hours of product administration (T3, T6, T12, T24, T36 and T48 respectively). Within 24 to 36 hours of product administration, fecal pH was near 6 (p = 0.01). However, dose variation had no effect on pH. Product dose and sample collection time had a significant impact (p = 0.00) on buffering capacity at pH 6. The more dramatic drop in pH occurred within 24 to 36 hours of product administration, except in horses receiving the 0% dose (water). At pH 5, buffering capacity was affected by dose but not by sample collection time. Soft fecal consistency, increased intestinal motility and fat droplets in fecal samples were noted in most horses. Fecal pH and buffering capacity assessment are indirect tests. Still, results obtained from these tests were deemed useful for detection of intestinal changes, particularly when combined with physical examination. The product had an impact on faecal pH, buffering capacity and intestinal motility, therefore, it is recommended that the formulation be revised.(AU)
O objetivo desse estudo foi avaliar o desempenho de uma formulação comercial para nutrição enteral em equinos quanto aos aspectos de pH fecal, capacidade tamponante (CT) nas fezes e exame físico. Para tal, utilizaram-se 8 equinos hígidos, distribuídos aleatoriamente em dois Quadrados Latinos 4 X 4 simultâneos, que permaneceram em jejum alimentar 12 horas antes de receberem via sonda nasogástrica doses crescentes de 0% (somente água), 50%, 75% e 100% da quantidade total diária recomendada do produto, com a diluição estabelecida de três partes de água para cada parte de produto. Foram colhidas amostras de fezes diretamente da ampola retal antes da administração do produto (T0), 3 (T3), 6 (T6), 12 (T12), 24 (T24), 36 (36) e 48 (T48) horas após. Entre 24 a 36 horas após a administração do produto, o pH fecal estava próximo a 6 (p = 0,01). No entanto, a variação da dose não teve efeito sobre o pH. A dose do produto e o tempo de coleta da amostra tiveram um impacto significativo (p = 0,00) na capacidade tamponante das fezes em pH 6. A queda mais dramática no pH ocorreu dentro de 24 a 36 horas da administração do produto, exceto em cavalos que receberam a dose de 0% (água). Em pH 5, a capacidade tamponante das fezes foi afetada pela dose, mas não pelo tempo de coleta da amostra. Consistência fecal mole, aumento da motilidade intestinal e gotículas de gordura nas amostras fecais foram observados na maioria dos cavalos. A avaliação do pH fecal e da capacidade de tamponante são testes indiretos. Ainda assim, os resultados obtidos com essas análises foram considerados úteis para a detecção de alterações intestinais, principalmente quando combinados com o exame físico. O produto teve impacto no pH fecal, capacidade tamponante das fezes e motilidade intestinal, portanto, recomenda-se que a formulação seja revisada.(AU)
Biblioteca responsável: BR68.1