Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Leptospirosis outbreak in dairy cattle due to leptospira spp. serovar canicola: reproductive rates and serological profile after treatment with streptomycin sulfate

Genovez, M.E.; Fava, C. Del; Castro, V.; Gotti, T.B.; Dib, C.C.; Pozzi, C.R.; Arcaro, J.R.P.; Miyashiro, S.; Nassar, A.F.C.; Cirillo, S.L..
Arq. Inst. Biol; 73(4)2006.
Artigo em Inglês | LILACS-Express | ID: biblio-1461826

Resumo

ABSTRACT The objectives of the present trial were to evaluate the reproductive parameters in a Holstein bovine herd affected by leptospirosis during the outbreak of abortion and stillborn fetus and treated with streptomycin sulfate. Animals were divided in 2 groups of 10 cows each: G1, treated with streptomycin sulfate 25 mg/kg/lw for 3 days by IM route; and; G2, untreated control. Serum samples were collected on the onset of abortions and after that every 15 or 30 days until completing 270 days. Samples were analyzed by means of MAT microscopic agglutination test that showed sera conversion to serovar Canicola with titers ranging from 100 to 51,200; 7/20 of the urine samples were positive for Leptospira spp. by PCR After streptomycin sulfate therapy, the outbreak ended and urine samples also got negative to PCR and no fetus samples were positive in either techniques. However, it did not influence the evolution in antibody titers of serological profiles in both groups, which got negative after around 200 days of the onset of symptoms. Although there was no significant difference of the frequency of pregnancy/AI and calving/pregnancy rates between treated and untreated groups (p > 0.05), reproductive rates were lower in the untreated group.
RESUMO O presente trabalho objetivou avaliar o efeito do tratamento com sulfato de estreptomicina sobre o perfil sorológico de um rebanho bovino acometido de um surto de leptospirose pelo sorovar Canicola e avaliar os parâmetros reprodutivos no ciclo reprodutivo subseqüente. Foram formados 2 grupos de 10 fêmeas bovinas: G1-tratado com sulfato de estreptomicina, 25 mg/kg/pv por 3 dias, via IM; G2 sem tratamento. Amostras de soro foram colhidas no início dos abortamentos e posteriormente a cada 15 ou 30 dias num total de 270 dias e examinadas pela reação de soroaglutinação microscópica-SAM. Vinte amostras de urina colhidas no início dos sintomas e 10 -15 dias após tratamento e seis fetos abortados (rins, fígado, pulmão e conteúdo abomasal) foram submetidos ao exame bacteriológico para pesquisa de bactérias causadoras de abortamento e à técnica de PCR para Leptospira spp. Ocorreu soroconversão predominante para Leptospira spp. sorovar Canicola (títulos: 100 a 51.200); 7/20 amostras de urina foram positivas para Leptospira spp. na PCR, sendo todas negativas no exame bacteriológico e nenhuma amostra fetal foi positiva em ambas as técnicas. Os abortamentos cessaram após a antibioticoterapia, e as amostras de urina negativaram-se na PCR. O sulfato de estreptomicina foi eficaz na eliminação da doença, entretanto, não influenciou a evolução dos títulos de anticorpos no perfil sorológico quando comparado ao grupo controle, ambos negativando-se ao redor de 200 dias após o início dos sintomas. Embora não houvesse diferença estatística entre as taxas de prenhez/IA e parto/prenhez do grupo tratado em relação ao não tratado (p > 0,05), talvez devido ao baixo número amostrado, as taxas reprodutivas foram menores no grupo não tratado.
Biblioteca responsável: BR68.1