Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Efeito do fungo metarhizium anisopliae (metsch.) sorok. (deuteromycetes) para astyanax scabripinnis (jenyns, 1842) (pisces: characidae)

Alves, L.F.A.; Alves, S.B.; Oliveira, L.G.; Jonsson, C.M..
Arq. Inst. Biol; 75(4)2008.
Artigo em Português | LILACS-Express | ID: biblio-1461979

Resumo

ABSTRACT The effect of Metarhizium anisopliae (Metsch.) Sorokin on Astyanax scabripinnis (Jenyns, 1842) (Pisces, Characidae) under laboratory conditions was evaluated. Aqueous conidial suspensions either with a minimum viability of 90% or containing conidia rendered unviable by autoclaving were applied in fish tanks containing A. scabripinnis, at the concentration of 6.5 × 1010 conidia/fish tank (equivalent to 5 × 1015 conidia/ha, which represents 1000 times the recommended concentration for the control of pasture spittlebugs, the main target pest of this entomopathogen in Brazil). Water and fish samples were analyzed; the fish gills and stomachs were dissected at different time intervals to evaluate the presence of conidia. Fish behavior and mortality were observed daily in both treatments. The morphology of gill and liver cells was evaluated in the surviving fish. No changes in the number of conidia were verified in the gills throughout 16 days of contact; in the stomach, there was a slight initial increase followed by a steady reduction. Conidial viability decreased in all places evaluated 24 hours after application. No fish death or any behavioral alterations occurred after 30 days of contact, indicating the absence of adverse effects associated with the entomopathogen on the test organisms. The absence of signs of infectivity and other adverse effects are a further indication in favor of the use of M. anisopliae as a biopesticide.
RESUMO Avaliou-se o efeito de Metarhizium anisopliae (Metsch.) para Astyanax scabripinnis (Jenyns, 1842) (Pisces, Characidae), em condições de laboratório. Suspensões aquosas de conídios recémproduzidos, viáveis (viabilidade mínima 90%) e inviabilizados por meio de autoclavagem (121º C, 20 minutos, a 1 atm), na concentração de 6,5 x 1010 conídios/aquário (equivalente a 5 x 1015 conídios/ ha, que representa 1.000 vezes a concentração recomendada para o controle de cigarrinhas de pastagens, principal praga-alvo deste entomopatógeno no Brasil), foram aplicadas em aquários contendo A. scabripinnis . Foram analisadas amostras de água e dos peixes, dos quais foram dissecados as brânquias e o estômago, em diferentes intervalos de tempo, a fim de se avaliar a presença dos conídios. Observaram-se diariamente o comportamento e a mortalidade de peixes em ambos os tratamentos. Avaliou-se nos peixes sobreviventes a morfologia das células das brânquias e do fígado. Verificou-se que nas brânquias não houve alteração no número de conídios ao longo de 16 dias de contato, sendo que no estômago houve um ligeiro acréscimo inicial seguido de redução constante. A viabilidade dos conídios em todos os locais avaliados decresceu após 24 horas da aplicação. Constatou-se que não houve morte ou quaisquer alterações comportamentais após 30 dias de contato, indicando a ausência de efeitos adversos associados à capacidade do fungo em provocar infecção ou exercer efeitos tóxicos em ambos os organismos-teste.
Biblioteca responsável: BR68.1