Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Maturation, spawning and larviculture of the mullet Mugil liza under laboratory conditions / Maturação, desova e larvicultura da tainha Mugil liza em laboratório

Carvalho, Cristina Vaz Avelar de; Passini, Gabriel; Sterzelecki, Fábio Carneiro; Baloi, Manecas Francisco; Cerqueira, Vinicius Ronzani.
Rev. bras. reprod. anim; 43(1): 31-36, jan.-mar. 2019. tab, graf
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: biblio-1492545

Resumo

The technical feasibility for the sustainable production of a species depends mainly on the control of reproduction in captivity and the availability of juveniles. Studies were performed with the mullet Mugil liza in the 1980s, however this species was never produced commercially. With the development of aquaculture, the increasing demand for animal protein and the commercial value of the mullet roe, it was necessary to rear this species in the laboratory to produce juveniles in pilot scale. The broodstock, 4 females and 10 males, were kept in an indoor 12 m³ tank. Hormonal inductions were performed with the hormones pituitary extract of carp (PEC) and luteinizing hormone-releasing hormone analog (LHRHa); spawnings occurred between 54-57 h after the hormonal induction. Embryonated eggs of mullets were pelagic and translucent, with an average diameter of 846.29 ± 14.34 µm. The larvae hatched approximately 48 h after spawning with 2.95 ± 0.12 mm. The survival in the larviculture was estimated at 18.75%. Therefore, this study presents the technical methods for the capture, transport, acclimatization, maturation, induced spawning and hatchery of the mullet M. liza in the laboratory.
A viabilidade técnica para a produção sustentável de uma espécie depende principalmente do controle da reprodução em cativeiro e da disponibilidade de juvenis. Estudos foram realizados com a tainha Mugil liza nos anos 80, entretanto, essa espécie não chegou a ser produzida comercialmente. Com o desenvolvimento da aquicultura, com a crescente demanda por proteína animal, além do valor comercial agregado nas gônadas dessa espécie, surgiu à necessidade de tentar produzi-la em laboratório, desta vez com o objetivo de produzir juvenis em escala-piloto. Os reprodutores, 4 fêmeas e 10 machos, foram mantidos em tanque de 12 m³. As induções hormonais foram realizadas com os hormônios extrato bruto de hipófise de carpa (EBHC) e um análogo do hormônio liberador do hormônio luteinizante (LHRHa); as desovas ocorreram 54-57 h depois da indução hormonal. Os ovos embrionados das tainhas são pelágicos e translúcidos, com um diâmetro médio de 846.29 ± 14.34 µm. As larvas eclodiram aproximadamente 48h após a desova com 2.95 ± 0.12 mm. A sobrevivência desde a estocagem dos ovos até a despesca dos juvenis foi estimada em 18,75%. Sendo assim, este estudo apresenta os métodos técnicos para a captura, transporte, aclimatação, maturação, desova induzida e larvicultura da tainha M. liza em laboratório.
Biblioteca responsável: BR68.1
Localização: BR68.1