Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Hematological disorders detected in dogs infected by Hepatozoon canis in a municipality in Mato Grosso do Sul State, Brazil / Alterações hematológicas detectadas em cães infectados por Hepatozoon canis em um município do estado do Mato Grosso do Sul, Brasil

Paiz, L. M; Silva, R. C; Satake, F; Fraga, T. L.
Arq. bras. med. vet. zootec; 68(5): 1187-1194, set.-out. 2016. tab, ilus
Artigo em Inglês | LILACS | ID: biblio-827892

Resumo

A retrospective review of hematological reports of nine dogs detected with Hepatozoon canis infection by microscopic examination of blood smears in a laboratory in the municipality of Dourados, Mato Grosso do Sul, Brazil was conducted. This study aimed to evaluate the hematological profile of these infected dogs, in addition to the occurrence of coinfections with other agents that infect blood cells, since studies concerning canine hepatozoonosis in Brazil are scarce and there are some divergences regarding H. canis infection that still require a resolution. The nine cases of H. canis infection were identified among all dogs examined at the studied laboratory in 2009 and 2010, with an occurrence of 7/1,192 (0.59%; 95% CI 0.15 - 1.02%) positive dogs in the first year and 2/1,313 (0.15%; 95% CI 0.02 - 0.55%) cases in 2010. The analysis of the hematological reports showed an occurrence of coinfection between H. canis and other agents in two (2/9; 22.22%; 95% CI 2.81 - 60.00%) dogs, one with E. canis and another with Babesia spp. (1/9; 11.11%; 95% CI 0.28 - 48.24%). Only the blood test of one dog had no alterations, based on reference values. Anemia was the most frequent hematological alteration (6/9; 66.67%; 95% CI 29.93 - 92.51%). Although the occurrence of H. canis infection was low, significative hematological alterations were observed in most infected dogs. Coinfection with Babesia spp. and E. canis was detected in two dogs and the hematological alterations cannot be attributed exclusively to H. canis in these animals. Longitudinal studies would be of fundamental importance to determine the causality of these alterations. These results highlight the importance of differential diagnosis in dogs when there is clinical suspicion of infection by hemoparasites, since the hematological changes in dogs infected by H. canis are quite variable.(AU)
Realizou-se estudo retrospectivo de laudos hematológicos de nove cães detectados com infecção por Hepatozoon canis, por meio de exame microscópico de esfregaços sanguíneos, em um laboratório no município de Dourados, Mato Grosso do Sul, Brasil. Este estudo objetivou avaliar o perfil hematológico dos cães infectados, além da ocorrência de coinfecções com outros agentes que infectam células sanguíneas, tendo em vista que estudos a respeito da hepatozoonose canina no Brasil são escassos e que existem algumas divergências a respeito da infecção por H. canis que ainda requerem esclarecimento. Os nove casos de infecção por H. canis foram identificados dentre todos os cães examinados no laboratório estudado, em 2009 e 2010, com uma ocorrência de 7/1.192 (0,59%; IC 95% 0,15 - 1,02%) cães positivos no primeiro ano e de 2/1.313 (0,15%; IC 95% 0,02 - 0,55%) em 2010. A análise dos laudos hematológicos dos nove cães evidenciou a ocorrência de coinfecção entre H. canis e outros agentes em dois (2/9; 22,22%; IC 95% 2,81 - 60,00%) desses cães, um deles com E. canis e outro com Babesia spp. (1/9; 11,11%; IC 95% 0,28 - 48,24%). Apenas o exame sanguíneo de um cão não evidenciou alterações, com base nos valores de referência. Anemia foi a alteração hematológica mais frequentemente observada (6/9; 66,67%; IC 95% 29,93 - 92,51%). Embora a ocorrência de infecções por H. canis neste estudo tenha sido baixa, alterações hematológicas significativas foram observadas na maioria dos cães infectados. Coinfecções com Babesia spp. e E. canis foram observadas em dois cães, não sendo possível atribuir exclusivamente a H. canis as alterações hematológicas detectadas nesses animais. Estudos longitudinais seriam fundamentais para determinar a causalidade dessas alterações. Os resultados ressaltam a importância de realizar diagnóstico diferencial em cães quando há suspeita clínica de infecção por hemoparasitas, uma vez que as alterações hematológicas em cães infectados por H. canis são bastante variáveis.(AU)
Biblioteca responsável: BR1.1